TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - É O ESPÍRITO SANTO DE DEUS UMA FORÇA ATIVA?


O objetivo deste artigo é refutar as Testemunhas de Jeová sobre a identidade do Espírito Santo de Deus. Elas creem que o Espírito Santo de Deus seja uma força ativa, e chegam a ensinar que Deus Pai está num lugar fixo do universo espiritual, e que de lá ele envia essa força. Para elas, Jeová seria como uma usina hidroelétrica, e o Espírito Santo a energia que dela sai e que pode ser sentida e captada em toda a parte. Então, estudaremos um pouco mais sobre as provas bíblicas referentes à pessoalidade deste amável Espírito – o nosso Consolador.

Espírito Santo ou "espírito santo"?
Argumentação TJ 1 – “O QUE é o espírito santo de Deus? Nas suas palavras iniciais, a Bíblia diz que o espírito santo — também traduzido por “força ativa de Deus” — ‘se movia por cima da superfície das águas’. (Gênesis 1:2) No relato sobre o batismo de Jesus, descreve-se Deus como estando nos “céus”, enquanto que o espírito santo ‘descia sobre Jesus como pomba’. (Mateus 3:16, 17) Além disso, Jesus se referiu ao espírito santo como um “ajudador”. — João 14:16.” – Despertai de julho de 2006, página 14. – Despertai!, julho de 2006, página 14.
Refutação ao Argumento TJ 1 – Repare como a revista Despertai é tendenciosa, já fazendo a pergunta “O que é o espírito santo de Deus?”. Não se usa “quem”, mas “o que”, preparando o leitor a uma conclusão para a impessoalidade do Espírito Santo. 

Observe também a grafia para o Espírito Santo em letras minúsculas – “espírito santo” – induzindo o leitor a não concluir a identidade correta dEle. Depois, a Despertai cita que “espírito santo” também é traduzido por “força ativa de Deus”. Força não é um ser pessoal, portanto, querem seus escritores ensinar a impessoalidade do Espírito Santo de Deus já no segundo versículo da Bíblia. Mas a expressão “força ativa” é errônea e tendenciosa. 

É bem verdade que a palavra “espírito”, no hebraico (“ruwach”) e no grego (“pneuma”) têm como sentido próprio “vento”. (Teologia Sistemática, página 389, Charles Hodge, editora HAGNOS, 1ª. Edição de 2001) Todavia, essas palavras centenas de vezes assumem outros significados. Por exemplo, quando se diz que “Deus é Espírito” (João 4:24), não se pretende dizer que Ele seja uma força ativa, ou um “vento”. Muito menos Paulo pretendia que não se entristecesse o vento de Deus (Efésios 4:30). Portanto, será o contexto que indicará o sentido correto da palavra “espírito”. 

Quando evangelizamos as Testemunhas de Jeová, poderíamos dizer que o termo “palavra” em grego “lógos”, em si, não quer dizer um ser pessoal, mas quando usado em relação à pessoa de Jesus Cristo passa a ser entendido como um ser pessoal. Assim, da mesma forma que o vocábulo “lógos” pode se referir a Jesus, assim também “pneuma” (vento) pode referir-se à Pessoa do Espírito Santo de Deus. 

O Espírito Santo nas Escrituras Sagradas
 – Uma Mera Força Ativa ou Um Ser Pessoal?

Mas será que o fato de o Espírito Santo ser observado como “pomba” indica que Ele não seja um ser pessoal? É evidente que não, pois no batismo de Jesus, o Espírito Santo não se manifestou assim para dizer quem Ele era; se assim fosse, Ele seria realmente uma pomba. O Espírito Santo assim se fez manifestar porque na época a pomba simbolizava algo. O que era? Para os judeus, a pomba era a única ave que podia ser oferecida em sacrifícios. (Levítico 12:8) No Antigo Testamento, a pomba tinha:
“1.Um símbolo de vindoura reconciliação com Deus”. (Gên. 8:8, 10); 2. Um símbolo de gentileza, ternura e devoção. (Can. 1:15; 2:14)” - O Antigo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, Volume 7, Dicionário, Verbete POMBA, página 5044, de R. N. Champlin, Editora Candeia, 1ª. Edição de 2000.
Se o Espírito Santo quis simbolizar devoção, reconciliação, ou até mesmo como alguns têm sugerido ‘a paz e a serenidade na ocasião do batismo’, o mesmo observamos quando os anjos em Ezequiel 1:10 sendo vistos com faces de homem, leão, boi e águia. Essa visão, para as Testemunhas de Jeová, significava:
“Cada uma dessas quatro criaturas viventes, ou querubins, tinha quatro asas e quatro faces. Tinham uma face de leão, denotando a justiça de Jeová; uma face de touro, denotando o poder de Deus; e uma face de águia, denotando a Sua sabedoria. Tinham também uma face de homem, representando o amor de Jeová.” - A Sentinela de 15 de março de 1991, página 9, parágrafo 3.
Então, se os anjos apareceram com faces de animais para simbolizarem algo, por que o Espírito Santo não poderia ter feito o mesmo? E o que dizer de Jesus que é visto numa visão por João como “o Cordeiro”? - Apocalipse 14:1.

No último argumento da revista Despertai, eles insinuam que o fato de o Espírito Santo ser, na Bíblia deles, chamado de “um ajudador” indica a impessoalidade dEle. Mas a palavra grega para “ajudador” (João 14:16) é “parákletos”, a mesma palavra usada para Jesus em 1 João 2:1. Ali lemos: 
“Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.”
Se usar “parákletos” para Jesus não o torna impessoal, por que para o Espírito Santo o tornaria impessoal? Percebeu que a argumentação das Testemunhas de Jeová é totalmente equivocada?
Argumento TJ 2 – “Um leitor sincero da Bíblia não pode deixar de concluir que o espírito santo difere das descrições oficiais das igrejas, que dizem que ele é uma pessoa. Considere os seguintes relatos bíblicos. 1. Quando Maria, a mãe de Jesus, visitou sua prima Elisabete, a Bíblia diz que a criança no ventre de Elisabete pulou, e “Elisabete ficou cheia de espírito santo”. (Lucas 1:41) É razoável imaginar que uma pessoa fique “cheia” de outra pessoa?” - Despertai!, julho de 2006, página 14.
Refutação ao Argumento TJ 2 - O “leitor sincero”, para as Testemunhas de Jeová, é aquele que obedece às interpretações de sua liderança mundial chamada de Corpo Governante. Será mesmo que o conceito da Bíblia sobre o Espírito Santo difere das descrições oficiais das igrejas cristãs? Para responder a essa pergunta, a Despertai usou a seguinte argumentação, aqui parafraseada: ‘Se o espírito santo fosse um ser pessoal, como Elisabete poderia ter ficado cheia de espírito santo? Poderia ela ter ficado cheia de uma pessoa?’ 

Essa argumentação, no entando, é errônea, ou seja, “o ficar cheio de”, nos tempos bíblicos, não tem o sentido que as Testemunhas de Jeová querem dar. Literalmente, não podemos ficar cheios de uma pessoa, todavia, é óbvio que Elizabete, e os 120 discípulos em Jerusalém (Atos 2:4) não ficaram literalmente cheios do Espírito Santo, mas simbolicamente. Seria o mesmo que dizer: “Satanás entrou em Judas (Lucas 22:3), portanto, como pode uma pessoa entrar dentro da outra? Então, Satanás não é um ser pessoal? Ou ele é um ser pessoal mas entrou dentro de Judas por ser espírito? Sim, óbvio! Então, da mesma forma, o Espírito Santo nos enche por ser um ser pessoal espiritual.

Talvez, uma Testemunha de Jeová argumente: ‘Não seria lógico e conclusivo crer que Elizabete e os discípulos ficaram cheios do poder de Deus?’ Nossa resposta é que o Espírito Santo:
“é o poder ou eficiência de Deus, isto é, a pessoa por meio de quem se exerce a eficiência [ou o Poder] de Deus”. - Teologia Sistemática, página 389, Charles Hodge, editora HAGNOS, 1ª. Edição de 2001, bold acrescentado.
Mas este Espírito Santo não é poder ou força impessoal, pois se assim fosse, ficaria muito estranho a Bíblia usar expressões do tipo “poder de Espírito Santo” (Romanos 15:13, 19). O que seria isso? Poder ou força de poder? Poder de força ativa? Óbvio que não!
Argumento TJ 3 – “Quando João Batista falou a seus discípulos sobre Jesus como aquele que o iria suceder, João disse: “Eu, da minha parte, batizo-vos com água . . . , mas o que vem depois de mim é mais forte do que eu, não sendo eu nem apto para tirar-lhe as sandálias. Este vos batizará com espírito santo.” (Mateus 3:11) Dificilmente João estaria dizendo que o espírito santo era uma pessoa quando falou sobre Jesus batizar pessoas com esse espírito.” - Despertai!, julho de 2006, página 14.
Refutação do Argumento TJ 3 – O que pretende essa argumentação? Induzir as Testemunhas de Jeová a crerem que assim como ‘batizar com água’ não significa que água seja pessoa, assim também ‘batizar com Espírito Santo’ indicaria que o Espírito Santo não seria um ser pessoal também. Todavia, essa linha de raciocínio é tão falha que, se levada a sério, poderia ser também usada para provar que o Pai e o Filho também não são seres pessoais. Por exemplo, Jesus disse: “Batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. (Mateus 28:19, Almeida Século 21) Se o simples fato de água e Espírito Santo serem mencionados no mesmo contexto de batismo torna o Espírito Santo impessoal, então, em Mateus 28:19, 20 o Pai e o Filho seriam impessoais por serem mencionados com o Espírito Santo.

Algumas Testemunhas de Jeová diriam que a expressão “em nome do” refere-se à autoridade que o Pai, o Filho e o Espírito Santo têm, mas como uma força impessoal poderia ter autoridade? Outras ainda poderiam argumentar: o Pai tem nome, Jeová, o Filho tem nome, Jesus, mas o Espírito Santo não tem nome, portanto, é impessoal. Novamente, a argumentação é falha. Espírito Santo é o nome do Espírito Santo. É assim que o conhecemos. Pai e Filho são termos que pedem um nome, mas Espírito Santo não!
Argumento TJ 4 – “Quando visitou um oficial do exército romano e sua família, o apóstolo Pedro falou de Jesus como tendo sido ungido por Deus “com espírito santo e poder”. (Atos 10:38) Pouco tempo depois, “caiu o espírito santo sobre” a família desse oficial do exército. O relato diz que muitos ficaram maravilhados “porque a dádiva gratuita do espírito santo estava sendo derramada também sobre pessoas das nações”. (Atos 10:44, 45) Aqui, novamente, os termos usados não se harmonizam com a idéia de o espírito santo ser uma pessoa.” - Despertai!, julho de 2006, página 14.
Refutação do Argumento TJ 4 – O problema para as Testemunhas de Jeová é: ‘Se o Espírito Santo é um ser pessoal, como ele pode cair e ser derramado?’ Mas entender esses verbos sem pesquisar as palavras gregas usadas ali é um crime! Por exemplo, o verbo grego para “cair” é “epipípto”, e é usado para pessoas também. A Tradução do Novo Mundo das Testemunhas de Jeová diz que:
“Os que tinham moléstias penosas lançavam-se [“epípipto”] sobre ele para tocá-lo.” – Marcos 3:10, TNM.“De modo que este último se encostou [“epipipto”] no peito de Jesus e lhe disse: “Senhor, quem é?” – João 13:25, TNM.
Não podemos negar também que o verbo grego “epipípto” também é usado para coisas, como ‘cair o temor’ (Atos 19:17), todavia se na Língua Portuguesa e em outras seria difícil entender como o Espírito Santo pode ‘cair’, no grego seria normal o uso dessa expressão – o Espírito Santo caiu – assim como os que tinham doenças caiam, ou se jogavam aos pés de Jesus, indicando a vontade própria do autor da ação. O cair do Espírito Santo poderia muito bem significar a ação voluntária dEle em favor dos que o receberam.

Mas poderia ser o Espírito Santo derramado? Evidentemente que não, no sentido literal.. Na Tradução do Novo Mundo, Paulo diz:
“Não obstante, mesmo que eu esteja sendo derramado como oferta de bebida sobre o sacrifício e serviço público a que vos conduziu a fé, regozijo-me e alegro-me com todos vós.” - Filipenses 2:17. 
Se o Espírito Santo deixa de ser pessoal por ter sido derramado, então Paulo também deixa. Perguntar às Testemunhas de Jeová se o verbo ‘derramar’ é usado literalmente ou em linguagem figurada as ajudarão a raciocinar melhor. Se ‘derramar’ for literal, então o Espírito Santo se tornaria líquido. Paulo também. Se ‘derramar’ for figurado, então o Espírito Santo não pode ser interpretado à luz do sentido literal de ‘derramar’.

Ainda as Testemunhas de Jeová poderiam questionar: “Mas como o Espírito Santo poderia ser pessoal se Jesus foi ungido com Espírito Santo e poder?” (Atos 10:38) Em primeiro lugar, se o Espírito Santo fosse o poder ou força ativa de Deus, faria sentido afirmar-se que Jesus foi ungido com força ativa e poder? Não seria isso redundante? Em segundo lugar, ungir significa literalmente “derramar óleo”. As literaturas do Corpo Governante confirmam isso. Por exemplo,
“Quando a pessoa era ungida com óleo, este era derramado sobre a cabeça, de onde escorria pela barba e pelo colar da veste. (Sal 133:2)” - Estudo Perspicaz das Escrituras, página 753, volume 3.
Quando o verbo ungir for literal, ou seja, significar ‘derramar óleo, ou azeite, na cabeça de uma pessoa’, então não podemos ungir alguém com uma pessoa, pois uma pessoa literal não é óleo. Mas quando a Bíblia diz que Jesus foi ungido com Espírito Santo e poder (Atos 10:38), o verbo ungir foi empregado no sentido literal? Não, mas no sentido figurado. Jesus não foi ungido com “Espírito Santo” na cabeça. Como a expressão “foi ungido com Espírito Santo e poder” é toda figurada, por que as Testemunhas de Jeová querem tirar dela conclusões literais?

Ser Jesus ungido com Espírito Santo e poder significava o que? Albert Barnes diz:
“Aqui, significa que Deus comunicou a Ele as influências do Espírito Santo, separando-O assim para o trabalho de Messias.” - Barnes' Notes on The New Testament, página 447, Kregel Publications, 8ª. Edição, 1975. 
De fato, a Bíblia diz que “o enviado de Deus fala as palavras dele, porque Deus não dá o Espírito por medida” (João 3:34). Assim, o Espírito Santo, que não é força para ser dado por medida, mas que age como um ser pessoal inteiramente em favor de alguém, participa do ato de Jesus ser separado para cumprir com a função de Messias, ou seja, Ungido de Deus.
Argumentação TJ 5 – “É comum a Palavra de Deus personificar coisas que não são pessoas. Entre essas estão a sabedoria, o discernimento, o pecado, a morte e a benignidade imerecida. (Provérbios 8:1–9:6; Romanos 5:14, 17, 21; 6:12) O próprio Jesus disse que “a sabedoria é provada justa por todos os seus filhos”, ou por seus bons resultados. (Lucas 7:35) É evidente que a sabedoria não é uma pessoa que tem filhos literais. Da mesma forma, o espírito santo não é uma pessoa só porque em alguns casos ele é personificado.” - Despertai!, julho de 2006, página 14.
Refutação da Argumentação 5 – A razão dessa argumentação e colocar na mente das Testemunhas de Jeová uma explicação para os motivos pelos quais o Espírito Santo é tratado como pessoa na Bíblia, em alguns textos. Por exemplo, quando a Bíblia diz que o Espírito Santo ensina, ouve, glorifica (João 16:13, 14), trata-se de uma personificação, isto é, uma figura de linguagem em que algo é tratado como pessoa para receber exaltação. Assim, para esse grupo sectário, o Espírito Santo é algo que para ser enaltecido é, às vezes, personificado. 

E qual é a prova que o Corpo Governante tem para essa alegação? Simples! Assim como a Bíblia personifica a sabedoria, o discernimento, o pecado, a morte e a benignidade imerecida (ou graça), assim também o Espírito Santo é personificado. Mas quem disse que o fato de algo ser personificado serve de prova que o Espírito Santo também o é? Onde a Bíblia ensina isso? O mais interessante é que em Provérbios capítulo 8, onde realmente se personifica várias vezes a sabedoria, as Testemunhas de Jeová cometem uma tremenda contradição. Para elas, essa sabedoria personificada é Jesus. Veja:
“O que se encontra registrado nas Escrituras a respeito da Palavra ajusta-se notavelmente à descrição fornecida em Provérbios 8:22-31. Ali, a sabedoria é personificada, apresentada como sendo capaz de falar e agir. (Pr 8:1) Muitos dos escritores dos primeiros séculos da Era Comum, que professavam ser cristãos, entenderam que esta parte se referia simbolicamente ao Filho de Deus na sua condição pré-humana.” – Estudo Perspicaz das Escrituras, página 534, volume 2.
Então, quando o Corpo Governante quer provar que o Espírito Santo é impessoal (espírito santo), eles se valem do modo como Provérbios capítulo 8 personifica a sabedoria, mas quando interpretam essa mesma sabedoria, dizem que ela se refere a Jesus, um ser pessoal. Não há algo de errado nessa argumentação?

Pior do que isso é ensinar que o fato de a sabedoria, por exemplo, ser personificada, seria prova, ou evidência, de que o Espírito Santo também é personificado. Mas o que uma coisa tem a ver com a outra? Nada. O que as Testemunhas de Jeová não sabem que a personificação é sempre uma exceção ao uso geral da palavra. Das mais de 200 vezes que a palavra “sabedoria” é usada, algumas vezes usa-se a personificação. O mesmo ocorre com as palavras “sangue”, “graça”, e outras. Sempre é exceção ou um caso raro o uso de personificação. Mas quanto ao Espírito Santo, parece que a exceção é a despersonificação, como forma de enfatizar o poder e a atuação do Espírito Santo. No final dessa matéria, há uma relação de textos que tratam o Espírito Santo como um ser pessoal.
Argumento TJ 6 – “Na Bíblia, o espírito santo de Deus é identificado como sendo o poder de Deus em ação. Por isso, uma tradução exata do texto hebraico da Bíblia menciona o espírito de Deus como “a força ativa de Deus”. (Gênesis 1:2) A Bíblia inteira apóia esse conceito de forma bem clara. — Miquéias 3:8; Lucas 1:35; Atos 10:38.” - Despertai!, julho de 2006, página 15.
Refutação do Argumento TJ 6 – Perguntamos às Testemunhas de Jeová: A Bíblia ensina que o Espírito Santo é mais precisamente o poder de Deus em ação, ou que o Espírito Santo tem poder de Deus em ação? Por exemplo, lemos em Atos 1:8 Jesus prometendo que os discípulos receberiam poder ao descer o Espírito Santo sobre eles. Quando isso se cumpriu em Pentecostes, o Espírito Santo deu poder aos discípulos para falarem em línguas diferentes. (Atos 2:1-4) Não faria sentido Jesus prometer enviar poder ao descer o poder de Deus, mas muito melhor é crer que a Pessoa do Espírito Santo deu poder. E como já mencionado, lemos em Romanos 15:13, 17 a expressão “poder (algumas bíblias “virtude”) de Espírito Santo”, ou seja, o espírito Santo tem poder.

Quanto à Tradução do Novo Mundo das Testemunhas de Jeová usar “força ativa de Deus” como tradução em Gênesis 1:2, dizemos que ela é errônea. Não é isso que o escritor inspirado quis dizer. Ele não pretendeu impessoalizar a palavra “espírito”. “Espírito” pode significar “vento”, mas na expressão “Espírito de Deus” a palavra “espírito” assume outro significado; não se pode dizer “vento de Deus”, a menos que fosse um texto poético. “Deus é Espírito”, mas Ele não é um vento, muito menos uma força ativa. No hebraico diz-se "o Espírito de Deus pairava...". 

Considere o que o Corpo Governante faz em 1 Timóteo 4:1, onde lemos “o Espírito diz que nos últimos tempos alguns apostatarão da fé”. A Tradução do Novo Mundo traduz "Espírito" por “a pronunciação inspirada diz”. Isto afasta o leitor da real identidade do Espírito Santo, tornando-o algo, quando a intenção do texto é afirmar que o Espírito diz. Essa mesma “bíblia” das TJs deveria traduzir “O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve, diga: Vem! (Apocalipse 22:17) por “a pronunciação inspirada e a noiva dizem”, mas não o faz, porque entendem que este “Espírito” é aqui um ser pessoal, ou seja, Jesus. Qual o critério, então, que usam para distinguir “espírito” (força) de Espírito “ser pessoal”? A mera interpretação de sua liderança.

Se lermos novamente a sexta argumentação TJ contra a pessoalidade do Espírito Santo, veremos que ela menciona alguns textos para provar a doutrina da dita “força ativa”. Vejamos todos esses textos comparados com a “bíblia” TNM:
“Eu, porém, estou cheio do poder do Espírito do SENHOR, cheio de juízo e de força, para declarar a Jacó a sua transgressão e a Israel, o seu pecado.” – Miqueias 3:8, ALA.
“E, por outro lado, eu mesmo fiquei cheio de poder com o espírito de Jeová, e de justiça e de potência, a fim de contar a Jacó a sua revolta e a Israel o seu pecado.” – Miqueias 3:8, TNM.
Perceba que as Testemunhas de Jeová não se dão conta de que Miquéias estava cheio de poder devido ao Espírito de Jeová, ou seja, este Espírito encheu de poder o profeta. Se entendermos que este Espírito seja o poder de Deus, a frase ficaria totalmente redundante: “Eu mesmo fiquei cheio de poder com o poder de Jeová”.

Outro texto que citam prova, sem perceberem, que o Espírito Santo tem poder, e não é o poder, como concebem:
“Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus.” – Lucas 1:35, ALA.
“Espírito santo virá sobre ti e poder do Altíssimo te encobrirá. Por esta razão, também, o nascido será chamado santo, Filho de Deus.” – Lucas 1:35, TNM.
Novamente, quando o Espírito Santo desce, Maria recebe poder. Se o Espírito Santo fosse um ser impessoal, bastaria o texto rezar: “Poder de Deus te encobrirá”, mas não é isso que observamos. Quanto ao texto de Atos10:38, já ó consideramos.
Argumentação TJ 7 – “Ao contrário da crença popular, Deus não está presente em toda a parte ao mesmo tempo. Em vez disso, ele vive no domínio espiritual, num “lugar estabelecido de morada”, ou residência. (1 Reis 8:39; 2 Crônicas 6:39) As Escrituras também fazem referência ao lugar específico onde Deus mora e tem seu “trono”. (1 Reis 22:19; Isaías 6:1; Daniel 7:9; Revelação [Apocalipse] 4:1-3) No entanto, a partir desse “lugar estabelecido de morada”, ele pode usar sua força ativa para alcançar qualquer lugar, tanto no domínio espiritual como no domínio físico. — Salmo 139:7.” - Despertai!, julho de 2006, página 15.
Refutação do Argumento TJ 7 – O "deus" das TJs parece estar contido no universo espiritual que Ele criou. De fato, até a década de 40, elas criam que Jeová morava na constelação de Plêiades, numa estrela chamada Alcione. Depois, ensinaram que Jeová estaria num lugar fixo, num domínio espiritual. Para isso, interpretam esses versículos acima literalmente, sem levar em conta que, no processo de inspiração das Escrituras, o Todo-Poderoso se revela de uma forma compreensível aos homens daquela época, e a nós hoje, como se estivesse sentado num trono literal e em um lugar apenas.

Todavia, a Bíblia nos revela que Deus não está contido no Universo por Ele criado, mas que o Universo está contido em Deus. Lemos sobre isso:
“Mas, de fato, habitaria Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus não te podem conter, quanto menos esta casa que eu edifiquei.” - 1 Reis 8:27.
Esse “deus”TJ tem o lugar estabelecido de morada na teologia do seu Corpo Governante. Mas o Deus Todo-Poderoso da Bíblia é um ser pessoal, onipresente, mas tão bondoso que se mostrou como um Rei humano, sentado num trono, tudo para que o entendêssemos melhor.

O que lemos na sétima argumentação é uma afronta ao Deus Todo-Poderoso. Se Deus tiver que usar a sua força ativa para alcançar qualquer lugar, então ele depende dela, o que o tornaria um deus Nada-Todo-poderoso. Portanto, cremos que Deus está nos céus (o universo que Ele criou), os quais contêm o Planeta terra. (Mateus 6:9; Gênesis 1:1) Certa vez, uma Testemunha de Jeová perguntou: “Como Deus pode estar no universo todo se o universo é infinito?” Uma boa resposta seria: “Onde estava Deus antes de criar o Universo?” Fazê-los raciocinar é bom.
Argumento TJ 8 – “Em 1879, o erudito bíblico Charles L. Ives ilustrou apropriadamente a habilidade de Deus de exercer seu poder a partir de um lugar fixo. Ele escreveu: “Por exemplo, nós dizemos: ‘Abra as venezianas e deixe o sol entrar.’ Não estamos nos referindo ao Sol literal, físico, mas sim aos raios solares, ou seja, aquilo que procede do Sol.” De maneira similar, Deus não precisa ir aos lugares em que pretende usar sua força ativa. Ele simplesmente utiliza seu espírito santo, que pode alcançar as extremidades de sua criação. Encarar o espírito santo pelo que ele é — a poderosa força ativa de Deus — pode lhe dar a confiança que Jeová cumprirá suas promessas.” - Despertai!, julho de 2006, página 15.
Refutação do Argumento TJ 8 – Pelo que sabemos, Charles L. Ives era médico e professor de medicina, e escrevia livros sobre temas religiosos, como The Bible Doctrine od the Soul, escrito em 1877. Seu livro, nas páginas 54 e 55, é citado pelos adventistas do Sétimo Dia na obra em Inglês Questions on Doctrine, página 554, porque ele defende a crença adventista do sono da alma. Mas ele não é considerado como erudito bíblico, a menos por aqueles que seguem suas crenças.

Mas sobre a sua comparação de Deus com o Sol, ela não foi citada debaixo de um contexto para podermos analisar o que o “erudito” quis dizer. E o Corpo Governante não declarar em que livro ou obra Charles E. Ives disse isso.

De qualquer forma, comparar Deus (que é um ser pessoal) com o sol (ser impessoal) é uma grande tolice. Se Charles E. Ives estivesse tentando convencer seus ouvintes ou leitores de que o Espírito Santo é impessoal e que Deus, assim como o Sol, está num lugar fixo, ele seria refutado por um apologista cristão também. Os raios do sol, quanto mais longe caminham, menos intensidade e poder têm, tal ponto que nem são percebidos significativamente em 98% da Via-Láctea, o que dizer do Universo. Outro erro é colocar em paralelo entre as expressões “deixa o sol entrar” com “deixa Deus entrar”. O sol não tem vontade própria, mas o Todo-Poderoso tem. E por fim, para o sol entrar dependeria de eu abrir a janela. Deus está e não depende de ninguém. E Deus faz morada no coração de muitas pessoas. Ele é tão Todo- poderoso (permita-me esta expressão) que o universo todo não pode conter Deus, mas ao mesmo tempo Deus pode morar em nossos corações. – João 14:23.

Conclusão

Entendemos que as Testemunhas de Jeová são pessoas que amam conhecer a Bíblia e as publicações de seu Corpo Governante. Todavia, elas imaginam que podem conhecer e explicar Deus, e afirmam que não há mistérios com Deus, pois Ele gosta apenas de ser adorado em espírito e em verdade, não com mistérios. Se não há mistérios, ou fatos que para compreendermos dependemos da revelação divina, as TJs se sentem as maiores “explicadoras” e “entendedoras” de Deus. Como conseguem isso? Crendo num "deus" criado pelo Corpo Governante.

Que tenhamos muita compaixão por essas pessoas, adoradoras de um deus tão limitado e dependente de uma força, a qual consegue estar em toda parte, mas por incrível que pareça, o próprio detentor dela não consiga.

Textos que tratam o Espírito Santo 
como um ser pessoal
Isaías 63:10 – “Mas eles foram rebeldes e contristaram o seu Espírito Santo, pelo que se lhes tornou em inimigo e ele mesmo pelejou contra eles.”
Pergunte às TJs: É possível contristar uma força ativa?
Mateus 12:32 – “Se alguém proferir alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á isso perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isso perdoado, nem neste mundo nem no porvir.”
Pergunte às TJs: Se pecar contra Jesus indica que Ele é um ser pessoal, pecar contra o Espírito Santo não indicaria também a sua pessoalidade?
Mateus 28:19 – “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.”
Pergunte às TJs: Se o Pai e o Filho são seres pessoais e têm autoridade, o Espírito Santo aqui também não tem essa mesma autoridade “nome”? Se ele tem autoridade, não seria ele um ser pessoal?
Marcos 3:29 – “Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno.”
Pergunte às TJs: Podemos blasfemar contra um poder ou uma força?
Marcos 13:11 – “Quando, pois, vos levarem e vos entregarem, não vos preocupeis com o que haveis de dizer, mas o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo.”
Pergunte às TJs: Se o fato de nós falarmos indica que somos seres pessoais, o fato de o Espírito Santo falar por nós não indica também a sua pessoalidade?
Lucas 2:26 – “Revelara-lhe o Espírito Santo que não passaria pela morte antes de ver o Cristo do Senhor.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa revelar algo?
Lucas 12:10 – “Todo aquele que proferir uma palavra contra o Filho do Homem, isso lhe será perdoado; mas, para o que blasfemar contra o Espírito Santo, não haverá perdão.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa ser alvo de blasfêmia?
João 14:26 – “Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa ensinar e fazer pessoas se lembrarem de algo?
Atos 1:8 – “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa proferir algo, se o dom de se proferir depende de um agente pessoal?
Atos 1:16 – “Irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o Espírito Santo proferiu anteriormente por boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa proferir algo?
Atos 5:3 – “Então, disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo?”
Pergunte às TJs: Pode-se mentir para uma força ativa?
Atos 9:31 - “A igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se e caminhando no temor do Senhor, e, no conforto do Espírito Santo, crescia em número.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa confortar?
Atos 13:2 – “E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa dizer e pedir algo a alguém?
Atos 15:28 – “Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas essenciais”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa impor algumas coisas necessárias?
Atos 16:6 – “E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia.”
Pergunte às TJs: Pode uma forçaativa impedir alguém de pregar?
Atos 20:28 – “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa designar bispos? Não indica aqui um claro exemplo de quem faz uso de vontade própria?
Atos 21:11 – “E, vindo ter conosco, tomando o cinto de Paulo, ligando com ele os próprios pés e mãos, declarou: Isto diz o Espírito Santo: Assim os judeus, em Jerusalém, farão ao dono deste cinto e o entregarão nas mãos dos gentios.”
Pergunte às TJs: Pode uma força impessoal dizer ou proferir algo?
Atos 28:25 – “E, havendo discordância entre eles, despediram-se, dizendo Paulo estas palavras: Bem falou o Espírito Santo a vossos pais, por intermédio do profeta Isaías, quando disse.”
Pergunte às TJs: Pode uma força impessoal dizer ou proferir algo?
Romanos 5:5 – “Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado.”
Pergunte às TJs: Se a Bíblia, ao dizer que Deus derramou o Espírito Santo, prova que Deus é um ser pessoal, o fato de o Espírito Santo derramar o amor de Deus não prova também que ele é um ser pessoal?
Romanos 15:13 – “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa ter poder?
Romanos 15:16 – “Para que eu seja ministro de Cristo Jesus entre os gentios, no sagrado encargo de anunciar o evangelho de Deus, de modo que a oferta deles seja aceitável, uma vez santificada pelo Espírito Santo.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa santificar algo?
Romanos 15:19 – “Por força de sinais e prodígios, pelo poder do Espírito Santo; de maneira que, desde Jerusalém e circunvizinhanças até ao Ilírico, tenho divulgado o evangelho de Cristo.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa ter poder e realizar prodígios?
1 Coríntios 6:19 – “Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?”
Pergunte às TJs: Se a Bíblia diz que o Pai e o Filho fazem morada em nós, e mesmo assim Eles são seres pessoais, por que o Espírito Santo fazer santuário em nós provaria que ele é impessoal?
2 Coríntios 13:14 – “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.”
Pergunte às TJs: Se Jesus Cristo nos dar graça o torna um ser pessoal, se Deus nos dar amor o torna um ser pessoal, dar o Espírito Santo a comunhão entre nós e Ele não o torna também um ser pessoal?
1 Tessalonicenses 1:6 – “Com efeito, vos tornastes imitadores nossos e do Senhor, tendo recebido a palavra, posto que em meio de muita tribulação, com alegria do Espírito Santo.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa ter alegria?
Hebreus 2:4 – “Dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade.”
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa distribuir dons?
Hebreus 9:8 – “O espírito santo esclarece assim que o caminho para o lugar santo ainda não fora manifestado enquanto a primeira tenda estava de pé.” – Tradução do Novo Mundo das Testemunhas de Jeová.
Pergunte às TJs: Pode uma força ativa esclarecer algo a alguém?

 - Fernando Galli