TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - COM QUE TIPO DE CORPO RESSUSCITOU JESUS?


O CRISTO RESSURRETO É APENAS UM ESPÍRITO INCORPÓREO ? SERÁ ? 

As testemunhas de Jeová não crêem na ressurreição corporal de Cristo. Esse breve estudo tem por objetivo elucidar a questão — a ressurreição — e refutar os argumentos jeovistas concernentes ao assunto.

Perceba como essa organização expõe o tema:

“A Bíblia diz que Jesus “foi morto na carne, mas recebeu vida [foi ressuscitado] no espírito”. — 1 Pedro 3:18; Atos 13:34;1 Coríntios 15:45; 2 Coríntios 5:16. As próprias palavras de Jesus mostram que ele não seria ressuscitado com um corpo de carne e sangue. Ele disse que daria sua “carne a favor da vida do mundo” como um resgate para a humanidade. (João 6:51;Mateus 20:28) Se Jesus tivesse sido ressuscitado em seu corpo carnal, o sacrifício dele como resgate teria sido cancelado. Mas não foi isso o que aconteceu, pois a Bíblia diz que Jesus sacrificou seu corpo e seu sangue “de uma vez para sempre”. — Hebreus 9:11, 12. Criaturas espirituais podem assumir a forma humana. Por exemplo, no passado, anjos até mesmo comeram e beberam com humanos. (Gênesis 18:1-8; 19:1-3) Mesmo assim, eles ainda eram criaturas espirituais e podiam deixar o domínio físico. — Juízes 13:15-21. Depois de ser ressuscitado, Jesus também assumiu por um tempo uma forma humana, assim como anjos já haviam feito antes. Mas, por ser uma criatura espiritual, ele podia aparecer e desaparecer de repente. (Lucas 24:31;João 20:19, 26) Cada vez que Jesus se materializava, ele usava um corpo diferente. É por isso que mesmo os amigos mais íntimos de Jesus só conseguiam reconhecê-lo pelas coisas que ele dizia ou fazia. — Lucas 24:30, 31,35; João 20:14-16; 21:6, 7. Quando Jesus apareceu ao apóstolo Tomé, ele usou um corpo que tinha marcas de ferimentos. Como Tomé não acreditava que Jesus havia sido ressuscitado, Jesus fez isso para fortalecer a fé de seu apóstolo. — João 20:24-29.”( https://www.jw.org/pt/ensinos-biblicos/perguntas/corpode-jesus/).

RESPOSTA CRISTÃ:

De primeiro momento, vamos às PROVAS textuais que Jesus ressuscitou com um corpo material, e ou, palpável, o mesmo "templo" que Ele como Deus assegurou que ergueria em João 2:19, 21 e de fato ergueu (v.22). Ademais, se negarmos isso, negamos as palavras do próprio Cristo e fazemos dele mentiroso. Note que:

Após a sua ressurreição. . .

⇢ Maria segurou Jesus. (João 20:17)

⇢ Jesus mostrou seus ferimentos aos discípulos. (João 20:20)

⇢ Tomé encostou nas mãos de Jesus. (João 20:27)

⇢ Jesus comeu com os discípulos. (Lucas 24:30, 41-43)

⇢ Jesus diz: "um espírito não  tem carne e ossos", e pediu para que toquem nele. (Lucas 24:39)

Essas passagens nos fornecem evidências escriturísticas suficientes para comprovação do fato, a saber, a ressurreição corporal do Filho de Deus. Sabemos que tal ressurreição compreende a humanidade do Logos, não sua Divindade — Deus é "essencialmente" Espírito (Jo.4:24) e por ser a Vida Eterna não pode morrer como Deus (1Jo.1:2), muito menos ser "ressuscitado". O apóstolo Pedro foi claro em afirmar que com respeito ao "sacrifício de reconciliação" (Rm.5:10) o mesmo foi "morto sim, na carne" (1Pe.3:18), más não “no Espírito”, isso é, em seu "Ser Divino", contudo, como "ser humano" morreu, visto que na encarnação, uma completa natureza humana foi adquirida pelo Logos — sujeito autoconsciente — dotada de consciência natural sendo apoiada à sobreconsciencia Divina daquele que a assumiu, Este — a parte imaterial de Jesus de Nazaré — o qual não morreu, pois é Deus (Lc.23:46; Jo.1:1; 1Tm.6:16). O que de fato foi ressuscitado/levantado foi o corpo de Jesus (a humanidade do Logos). O próprio — como Deus que é — afirmou: "eu o levantarei"... Isso com respeito ao que foi a sepultura, — a narrativa faz menção ao corpo (Jo.2:19, 21).

JESUS NÃO FOI “RESSUSCITADO COMO UM ESPÍRITO”, MÁS, VIVIFICADO NO ESPÍRITO (cf. 1Pe.3:18,19)

Possivelmente há na passagem de 1Pe.3:18,19 uma alusão ao estado ressurreto da humanidade do Logos que fora vivificada contrastando sua condição anterior à glorificação, ou seja, sua vida "na carne", com a nova etapa pós ressurreição, não sendo mais natural senão "espiritual" e gloriosa, sem com isso deixar de ser material más agora sobrenatural, adentrando à esfera espiritual "no qual" (v.19) — diferente de em pessoa; as palavras “no qual”, quer dizer, em/no espírito — Ele foi (na pessoa de Noé, “pregador da justiça,” cf. 2Pe 2:5).

Como “veio e pregou a paz”, por Seu espírito nos apóstolos e ministros depois de Sua morte e ascensão, assim antes de Sua encarnação pregou em/no espírito por Noé aos antediluvianos, e pregou aos espíritos encarcerados, ou seja, aos antediluvianos, cujos corpos na verdade pareciam livres, mas seus espíritos estavam “em cárcere”, encerrados na terra como numa cela grande condenada (um paralelo exato com Is 24:22-23. “Sobre a terra … serão amontoados como encarcerados em masmorra, e na prisão ficarão encerrados”) de tal cárcere o único caminho de escape era aquele anunciado por Cristo em Noé. Cristo, que em nossos tempos veio em carne, nos dias de Noé pregou "em/no espírito" [estado], por Noé, aos espíritos então em cárcere (Is 61:1, “O Espírito do Senhor Deus me enviou a pregar … aos presos abertura de cárcere”). Deste modo em 1Pe 1:11 diz-se, “o Espírito de Cristo” testificava nos profetas. Como Cristo sofreu até a morte às mãos de Seus inimigos, e foi logo vivificado em virtude de Seu “Espírito”, que dali em diante operou em Sua plena energia, o primeiro resultado da qual foi a ressurreição de Seu corpo (v. 21).

➜ O Cristo — a humanidade do Logos — foi ressuscitado para uma nova esfera, e esta espiritual, sobrenatural.

Com relação a isso Paulo registrou:

"Isto afirmo, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção".. [1Coríntios 15:50 - ARA]

Paulo está dizendo aqui que o corpo mortal em seu estado atual não pode entrar na presença de Deus. Somente na transformação, quando Deus cumprir sua promessa em relação a todos os santos, os redimidos herdarão o reino de Deus. O conceito herdar, pois, é sinônimo da ressurreição dos mortos.
O espírito extraído dos sedimentos do vinho não difere dele tanto como o homem glorificado difere do homem mortal de mera carne e sangue (Bengel cf. Gl 1:16). O corpo ressuscitado não deixará de ser corpo, não obstante que este será espiritual e reterá substancialmente a identidade pessoal, como se prova por Lc 24:39; Jo 20:27, cotejados com Fp 3:21. "O corpo ressuscitado não é totalmente pneuma" (...)., "mas certamente ele [Paulo] quer dizer que o corpo espiritual tem algum tipo de conexão germinal com o corpo natural embora o desenvolvimento ė glorioso e além da nossa compreensão mas não além do que o poder de Cristo pode executar Fp.3:21" (A.T.Robertson).

Lemos em 1Co.15:44: "Semeado corpo físico" — um corpo que possui um organismo de “carne e sangue” (v. 50), adequado à alma animal (psíquica) que nele prepondera. (...) "ressuscita corpo espiritual" — Um corpo amoldado totalmente pelo Espírito, acima da limitação da matéria, que conformará seu organismo, não à vida inferior animal, mas sim à superior e espiritual (comparar 1Co 2:14; 1Ts 5:23).

ALGUÉM PODE PERGUNTAR:

Em 1 Coríntios 15:40,41 o apóstolo Paulo fala sobre “corpos terrestres e corpos celestes”, não seriam esses "corpos celestes" os corpos dos anjos ?" Como entender ?

Leiamos o texto de 1 Coríntios 15:40,41:
"Há corpos celestes e há também corpos terrestres; mas o esplendor dos corpos celestes é um, e o dos corpos terrestres é outro. Um é o esplendor do sol, outro o da lua, e outro o das estrelas; e as estrelas diferem em esplendor umas das outras."

RESPOSTA:

Nesses versos Paulo discerne os luminares celestes, o sol, a lua e as estrelas. Ao comparar essas esferas celestes com as criaturas que habitam a terra, ele observa diferenças tremendas. A primeira sentença desse texto é factual e auto-evidente: “E há corpos celestes e corpos terrestres”. O contraste é entre a magnitude dos objetos celestes e a dimensão minúscula dos objetos terrestres. O contexto dos versículos 40 e 41 demonstra que Paulo está falando em esferas celestiais, e não em corpos angelicais, que são invisíveis ao olho humano. A questão nessa analogia não está na grandeza ou miudeza de certos objetos, e sim no esplendor que cada um revela. A frase seguinte do versículo 40 também é factual: “Mas a glória dos corpos celestes é uma e a glória dos corpos terrestres é outra”. O brilho dos luminares celestes inspira reverência, mas a majestade das montanhas e florestas não pode ser subestimada. Cada um tem uma grandiosidade própria. Semelhantemente, o esplendor intenso do sol não pode ser comparado à claridade suave da luz refletida da lua. Assim como um planeta ou uma estrela difere de outro em seu brilho e grandeza na abóbada celeste, nenhum é sem importância. Deus criou-os todos com graus vários de grandeza.
Em conclusão, perguntamos: Se Deus cercou os luminares celestes de glória indescritível, não será também capaz de vestir os seres humanos com um corpo transformado e glorificado?
E a resposta a nossa pergunta é: Sim!

Ademais, todo o contexto de 1Co.15:44 indica que "espiritual" (pneumatikos) poderia ser traduzido por "sobrenatural" em contraste com "natural". Isto fica claro pelos paralelos de "corruptível" e "incorruptível", "mortal" e "imortal". Com efeito, esta mesma palavra grega (pneumatikos) é traduzida como "sobrenatural" em 1Coríntios 10:4, que fala de uma rocha sobrenatural "que os seguia" no deserto.

Segundo, a palavra "espiritual"(pneumotikos) em 1Coríntios refere-se a objetos materiais. Paulo falou da "rocha espiritual" que seguia Israel no deserto e eles "beberam da... fonte espiritual" (1Co.10:4). A história no AT (Ex.17; Nm.20) revela que foi uma rocha física, produzida de modo sobrenatural, da qual eles literalmente obtiveram água para beber.
Jesus, em João 6, multiplica, de maneira sobrenatural, a quantidade de pães de modo a alimentar cinco mil pessoas. Embora se trata-se de pão literalmente material, poderia ter sido chamado de "pão espiritual", devido a sua origem sobrenatural. Com esse mesmo sentido, o maná oferecido a Israel pôde ser chamado de "manjar espiritual" (1Co.10:3).

Além disso, quando Paulo falou sobre um "homem espiritual" (1Co.2:15), obviamente não estava se referindo a alguém que fosse visível, imaterial, que não tivesse um corpo físico, mas sim a um homem de carne e osso cuja vida era vivida pelo poder sobrenatural e Deus e dirigida pelo Espírito. O homem espiritual é aquele que é ensinado pelo Espírito e que recebe as coisas que provêm do Espírito de Deus (1Co.2:13-14). “O corpo ressurreto pode ser chamado de "corpo espiritual", no mesmo sentido em que chamamos a Bíblia de "livro espiritual". A despeito de sua origem e poder espirituais, tanto o corpo ressurreto como a Bíblia são feitos de matéria [de origem espiritual]” — (Gaisler).

➜ É preciso ressaltar também que "MATERIALIZAÇÃO de corpos" como dos anjos em Judas 1:6 e Gênesis 6 não tem absolutamente nada a ver com a ressurreição corporal de Cristo, visto que o mesmo ASSEGUROU que levantaria AQUELE TEMPLO, isso é, o seu próprio corpo humano (Jo.2:21); Ora, isso não é se materializar, isso se chama RESSURREIÇÃO!

→  Jesus não disse que se levantaria do leito onde estava após sua ressurreição — como por exemplo Lázaro depois do mesmo tê-lo ressuscitado —  ao contrário, Este define O QUÊ "levantaria", isso é, o seu corpo, o qual tinha por TEMPLO onde habitava (Cl.1:19) — o que não tem absolutamente nada a ver com a narrativa da ressurreição de Lázaro. Ademais, Lázaro jamais disse Ser a “ressurreição e a vida” (Jo.11:25).

➜ É óbvio que Jesus estava com o corpo que ele mesmo como Deus ONIPOTENTE ergueu (Fp.3:21). Ele mesmo AFIRMA isso (Jo.2:19). Esse corpo após esse evento tornou-se sobrenatural, acima da limitação da matéria.

Agora perceba uma coisa acerca do corpo ressurreto de Cristo:

⇢ Jesus desaparece na frente de todos.(Lucas 24:31)

⇢ Jesus aparece de repente no meio dos discípulos. (Lucas 24:36)

⇢ Jesus entra num local trancado e aparece entre os discípulos. (Lucas 20:19 e João 20:26)

➜ O que aconteceu com o corpo de Jesus afinal?

⇢ O corpo de Jesus não foi “ENCONTRADO” justamente porque foi LEVANTADO por ele. "E acharam a pedra revolvida do sepulcro. “Entrando, porém, não acharam o corpo do Senhor Jesus." (Lucas 24:1-3, 22, 23)... "O corpo de Jesus não estava no sepulcro". (João 20:3, 6-9, 13)

⇢ Seu corpo NÃO SE DECOMPÔS: "pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja a corrupção".. (Atos 2:27; 13:35)

Muitos não o reconheceram, más há várias razões capazes de explicar o por que Ele não foi imediatamente reconhecido pelos seus discípulos:

A incredulidade — Jo. 20.24-25

A decepção— Jo. 20.11-15

O pavor — Lc. 24.36-37

O embaçamento da luz por ocasião da aurora — Jo. 20.1,14-15

A distância — Jo. 21.4

As roupas diferentes — Jo. 19.23-24 e 20.6-8.

UM BREVE COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO DE JOÃO 2:19-21.

★ O Logos participou da ressurreição da sua humanidade.

†  "falava a respeito do templo do seu corpo ( ="o templo, que é seu corpo")
Primordialmente, podemos dizer que exegeticamente Jo.2:19-21 é triplamente importante. Primeiro, ele evidentemente indica que o NT viu a ressurreição de Cristo como uma ressurreição corporal, material, palpável, porquanto o mesmo nos assegura que esse corpo não viu decomposição (Atos.2:31). Segundo, Jesus — Como Logos — é representado aqui como um agente de sua própria ressurreição, quando afirma: "Eu o levanterei"... referindo-se ao seu corpo. O verbo grego na voz ativa indica a ação do sujeito, portanto, o próprio Jesus ASSEGUROU que Ele mesmo levantaria o templo do seu corpo. Ademais, o NT neste caso fala da Trindade inteira como participantes na ressurreição de Cristo (cf. O Pai Gl.1:1; o Espírito Santo em Rm.8:11 e possivelmente em 1Pe.3:18. Terceiro, a razão para a colocação de "templo" com "corpo" aqui fica mais claro assim: a Glória do Shekinah, que a muito havia abandonado o templo, agora reside em Jesus corporalmente [D.B.Wallace].

Possível objeção das TJ sobre João .2:19-22:

"Mesmo sabendo que a referência é feita em relação ao CORPO de Jesus em João 2:19-22, vocês se fixam na parte que Jesus diz: "eu o levantarei", tentando inferir que Jesus mesmo seria O AUTOR da sua própria ressurreição, e que, desse modo, ele seria o próprio Deus que o ressuscitou. Porém, o próprio versículo 22 diz que "Jesus" "FOI LEVANTADO" e não que 'se levantou'. O verbo ἠγέρθη é um V-AIP-3S [verbo aoristo indicativo passivo da terceira pessoa do singular] mostrando que o ato de ressuscitar não partiu de Jesus, mas de um terceiro, no caso o Seu Deus e Pai."

RESPOSTA:

É notório o desespero desses opositores. Postulamos que não há qualquer contradição entre Jesus — como Deus, Logos — ter afirmado que levantaria seu corpo — o templo — (v.19) e a narrativa do ocorrido (v.22). Na tentativa de negar as palavras de Jesus no verso 19 e o fato do mesmo SER tanto a Ressurreição quanto a Vida Eterna (Jo.10:18, 11:25 e 1Jo.1:2) as TJ parecem ignorar as palavras de João, tentando achar uma fuga da verdade expressa no texto, perceba:

O quê seria levantado? O que a narrativa registra?

a) Jesus afirma que levantaria a si mesmo.

b) Jesus afirma que levantaria seu corpo humano descrito como templo.

Se a alternativa (b) foi selecionada — sabemos que é a correta — o verbo ἠγέρθη no verso 22 não poderia ser diferente, pois, a Bíblia certifica que não apenas o Logos participou da ressurreição da sua humanidade más também o Pai e o Espírito, ou seja, Deus. O verbo na voz passiva apenas indica que o ato de ressuscitar não partiu do próprio TEMPLO, ou seja, o
CORPO, más de um terceiro, A Trindade, de acordo está em Atos 2:32: "Deus ressuscitou este Jesus, e todos nós somos testemunhas desse fato."

CONSIDERE ESSE BREVE COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO DE JOÃO 10:17,18 COM RESPEITO A MORTE E RESSURREIÇÃO DO CRISTO.

"Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. 18. Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai.”

EXPOSIÇÃO DO TEXTO:

O ato supremo do amor do Filho ao Pai, foi a entrega de Sua vida pelas ovelhas a seu “mandamento”, assim o amor do Pai a Ele como a Seu Filho encarnado chega à sua consumação, e acha sua melhor justificação, naquele mais sublime e mais enternecedor de todos os atos.

"para a reassumir" — Sendo indispensável Sua vida de ressurreição ao cumprimento dos frutos de Sua morte.

"Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la" ..
É impossível que a linguagem expresse mais clara e enfaticamente a absoluta voluntariedade da morte de Cristo, tal voluntariedade como seria uma presunção manifesta em alguma criatura afirmar de sua própria morte. É, sem dúvida, a linguagem de Alguém que era consciente de que Sua vida era Sua própria (o que não é a de uma criatura), e por isso Sua para entregar ou reter segundo Sua Vontade (Jo.11:25). Nisto está a glória de Seu sacrifício, que foi puramente VOLUNTÁRIO. A pretensão ao “poder para tornar a tomá-la” [RC] não é menos importante, como mostrando que Sua ressurreição foi, não obstante, Sua própria afirmação de Seu próprio direito à vida, logo que fossem cumpridos os propósitos de Sua morte voluntária.

"Este mandamento" — de entregar sua vida para poder tornar a tomá-la.

"recebi de meu Pai" — De modo que Cristo morreu de uma vez, por “mandamento” de Seu Pai, e por tal obediência voluntária àquele mandamento que O fez (por assim dizer) imensamente caro a Deus como Filho obediente (Fp.2:8-9). Sabemos que Jesus contou a seus discípulos que ele era o Cristo, e desde aquele momento explicou que era NECESSÁRIO que ele fosse para Jerusalém e sofresse muitas coisas nas mãos dos líderes religiosos, dos chefes dos sacerdotes e dos mestres da lei, e fosse morto e ressuscitasse no terceiro dia (Mt.16:21). Essa obra foi concedida e realizada nos conselhos eternos de Deus, onde o seu sacrifício de si mesmo não era requerido, Ele não foi obrigado como por uma ordem para realizá-lo, mas foi sua própria e espontânea oferta, em consonância com a vontade de Deus Pai e o Espírito Eterno (Hb:9:14; Gl 1:4; Gl 2:20; Ef 5:2; Tt 2:14). A necessidade da morte do Cristo, à luz destes ditos profundos, tem que ser manifesta a todos menos ao estudante superficial.

O que dizer da passagem: "O pão que eu darei é a minha carne em favor da vida do mundo"? (Jo.6:51).

O que Jesus está dizendo aqui é que ele dará a si mesmo (6.57) como um sacrifício vicário pelo pecado; que ofertará sua natureza humana à morte na cruz. O Pai deu o Filho; o Filho deu-se a si mesmo (10.18; G1 2.20; Ef 5.2). Note: “o pão que eu mesmo - distinto do Pai - darei.” O tempo futuro - “eu darei” - claramente indica que o Senhor está pensando num ato definitivo; no caso, seu sacrifício propiciador na cruz, que, por seu rumo, representa e consuma a humilhação que sofreu durante toda sua jornada terrena. Isso, e somente isso, é o que ele quer dizer por “minha carne”. O sentido não pode ser que Jesus é para nós o pão da vida num sentido duplo: (1) um sentido completamente à parte da sua morte sacrificial; e (2) em sua morte sacrificial. Muito ao contrário, as palavras são muito claras: “O pão que eu darei pela vida do mundo é minha carne. ” Crer em Cristo significa aceitá-lo (apropriar-se dele e assimilálo) como o Crucificado. Sem esse sacrifício voluntário, Cristo deixa de ser pão para nós em qualquer sentido. Que Jesus pensava em sua morte é evidenciado pelas seguintes referências, que deveriam ser estudadas em conexão com este assunto: 6.4, 53-56, 64, 70 e 71. Esse pão é oferecido “pela vida do mundo”. Seu propósito é, portanto, que o mundo possa receber a vida eterna. Os conceitos vida e mundo são usados com a mesma conotação de 3:16. Más porque Jesus teria que possuir o mesmo corpo ? Ora, para que os demais filhos também alcancem a glorificação dos seus corpos humanos (Fp.3:20,21).

Ainda, o que dizer da passagem: "Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas" (Hb.10:10)

Explicamos que, assim como a expiação, ou reconciliação, é pelo SANGUE de Cristo (Lv 17:11), assim nossa santificação (consagração a Deus, santidade e felicidade eterna) é pelo corpo de Cristo (Cl 1:22), pois possuiremos um corpo semelhante ao dele, por meio dele (Fp.3:20,21). Quando Jesus diz que daria seu corpo a favor da vida do mundo é vidente que corpo ali, no contexto mencionado com o sangue, representava a própria VIDA de Jesus. Pois como se poderia dar o corpo sem dar a vida? Ou como um corpo de animal poderia ser sacrificado sem ele perder sua vida? Então, a final de contas, Jesus deu seu corpo ou sua vida? Vejamos:

Mateus 20:28 -  "A exemplo do Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e para DAR a VIDA em resgate de muitos." Não apenas o corpo.

João 10:15 - "Assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e DOU a minha VIDA pelas ovelhas." Não apenas o corpo.

1 João 3:16 - "Nisto conhecemos o amor: Cristo deu sua vida por nós, e devemos DAR nossa VIDA pelos irmãos." Não apenas o corpo.

AS "TESTEMUNHAS DE JEOVÁ" AINDA PODERÃO ARGUMENTAR:

"Nas ofertas queimadas o adorador não ficava com parte alguma do animal. Ou seja, o animal ofertado não retornava ao ofertante. Assim, parece apropriado entender que o corpo ofertado por Jesus Cristo não retornou a ele. Pois, se Jesus tivesse retomado seu corpo carnal, o resgate pela salvação da humanidade não teria sido pago."

Mas será que o sacrifício de Cristo é uma "exata representação" dos sacrifícios veterotestamentários ? (Ex.12:7) ou isso também é fruto do achismo das TJ ?

Ora, o fato de os corpos (com o sangue) dos animais serem sacrificados e seu corpo não mais ser reaproveitado pelo próprio animal não indica que Jesus, ao morrer, não poderia usar seu corpo novamente. Quem acredita nisso são as testemunhas de Jeová sem qualquer garantia bíblica, pois, SE isso fosse verdade — o que NÃO É — Jesus jamais teria dito:

João 10:17 — "Por isso o Pai me ama, porque DOU a minha VIDA para RETOMÁ-LA."

SAIBA MAIS:

"Como Jesus pode ser uma "criatura espiritual" — como crêem as TJ — se sem Ele nem mesmo uma só coisa veio a existência (João 1:3)? Acaso o mesmo pode ter sido criado sem vir a existência ? Isso é possível?"

Descubra Aquihttp://www.ia-cs.com/2018/08/testemunhas-de-jeova-detonando-fragil.html:

Por Brício Lube — IPB de Teixeira de Freitas -BA
E-mail: bflube@gmail.com




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESBOÇOS DA FÉ - QUE TIPO DE UVAS VOCÊ PRODUZ? - ISAÍAS 5:1-7

VÓ ROSA - APOSTILA PARA ESTUDAR AS CRENÇAS DA SEITA

A FAMÍLIA INTERNACIONAL (OS MENINOS DE DEUS) - DENÚNCIA SOBRE A SEITA DO SEXO.