TEOLOGIA - TRINDADE - HAVERÁ ETERNA SUBORDINAÇÃO ENTRE AS PESSOAS NA DIVINDADE?



O artigo a seguir explica a subordinação do Filho para com o Pai, na Trindade Santa. É a opinião de muitos teólogos cristãos e merece o nosso respeito. Será que Jesus será eternamente submisso ao Pai? Lemos em 1 Coríntios 15:24-28: 
"E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte. Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente, exclui aquele que tudo lhe subordinou. ando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos." [ARA]
Essa passagem nos apresenta a consumação de todas as coisas, o clímax da obra submissa e messiânica de Cristo mediante encarnação do Logos. “Quando ele entregar o reino ao Deus e Pai” — (cf. Jo 13:3). 

O que parece estar em contradição com Dan 7:14 - “O seu domínio é um domínio eterno, que não passará.” Na realidade, o entregar Ele o reino ao Pai, — isso como mediador — cumprida já a finalidade para a qual foi estabelecido, está totalmente em harmonia com a continuação eterna do reino. 

A mudança que então se efetuará será na maneira da administração, não no próprio reino; o Pai — também descrito como sendo o Deus que o Cristo teria (Sl.89:26) — terá relação direta com a terra, em vez da mediação por meio do Cristo, quando o Salvador tenha tirado tudo o que separe o justo Deus de um mundo pecaminoso (cf. Cl 1:20). 

A glória de Deus, o Pai, é a consumação final do ofício mediador de Cristo (cf. Fp 2:10-11). Sua co-igualdade eterna com o Pai e o Espírito é independente de Seu ofício de intercessor, e anterior a ele como uma das pessoas na Divindade (cf.1Jo.1:2; Hb.9:14), e portanto continuará quando aquela função tenha deixado de ser. 

Contudo, a humanidade glorificada do Cristo também continuará eternamente, embora será, como agora, dependente Daquele — como já expresso por sua primogenitura assumida mediante geração messiânica, o arquétipo precursor e intermediário para efeito de toda filiação e ressurreição sobrenatural (cf. Sl.2:7; 89:27; Rm.8:17,29; Fp.3:20; 1Jo.3:2; Cl.3:4; Ef.1:11). 

O trono do Cordeiro (já não como mediador) e de Deus, estará na cidade celestial (cf. Ap 22:3; 1Co 3:21). 

A unidade da Trindade, e a unidade da igreja, serão simultaneamente manifestadas na segunda vinda de Cristo. Portanto, é mister que o próprio "Filho" também se sujeite a seu Deus e Pai, pois isso compreende a concretização do plano Divino, mas isso não será como ocorrerá com as criaturas, e sim expressando sua submissão conformada ao programa de redenção como bom Filho subserviente, findando-se sua subordinação voluntária não mais necessária. “Para que Deus seja tudo em todos” — como Paulo disse tão bem em Romanos 11:36, assim como o Cristo é tudo em todos (Cl 3:11; comp. Zc 14:9). - Brício Lube — IPB Teixeira de Freitas BA. E-mail: bflube@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESBOÇOS DA FÉ - QUE TIPO DE UVAS VOCÊ PRODUZ? - ISAÍAS 5:1-7

VÓ ROSA - APOSTILA PARA ESTUDAR AS CRENÇAS DA SEITA

A FAMÍLIA INTERNACIONAL (OS MENINOS DE DEUS) - DENÚNCIA SOBRE A SEITA DO SEXO.