terça-feira, 31 de outubro de 2017

ANÚNCIO SOBRE A IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA


Até 16 de janeiro de 2016, considerávamos a Igreja Adventista do Sétimo Dia como seita do diabo, sendo impossível haver salvos ali. Mas a partir da data mencionada, mudamos nossa posição, ensinando que a IASD era uma Igreja Cristã com sérios problemas doutrinários, mas que por crerem na Trindade, não poderiam ser mais tachados de seita. 


Todavia, continuamos nosso estudo, e como parte de uma sociedade secreta de estudos religiosos (nada a ver com maçonaria ou coisa do tipo, mas apenas um grupo de 40 estudiosos, de vários países, pesquisamos com gravações nas IASD, entrevistas formais e informais, e depois de 1 ano e meio de pesquisa mais aprofundada, chegamos a conclusão de que deveríamos mudar de opinião. 

Antes, nossa preocupação era de não pôr os Adventistas na mesma categoria que estão os TJs e os Satanistas, ou seja, misturar grupos que não creem na Trindade com os que creem, e chamá-los de seita. Afinal, tínhamos a preocupação de chamar de hereges membros do corpo de Cristo, o que seria pecado.

Entretanto, chegamos à conclusão, melhor apresentada no vídeo acima, que a IASD, devido a seu exclusivismo religioso, praticado por 89,1% de seus membros analisados em vários países, impede que nós consideremos a IASD, como uma organização religiosa, que representa o corpo de Cristo. Por quê?

A IASD realmente considera os evangélicos irmãos em Cristo, por isso nos chamam de irmãos, diferentes do caso de eles chamarem, por exemplo, os TJs de irmãos, pois neste caso, para a IASD, os TJs são irmãos por descenderem de Adão e Eva. Mas no nosso caso, eles realmente nos consideram irmãos em Cristo, MAS FORA DA ÚNICA IGREJA REMANESCENTE ORGANIZADA AQUI NA TERRA. O proselitismo deles se deve ao fato de serem arminianos e crerem na perda de salvação. Assim, eles admitem que se um irmão em Cristo morrer antes de o Papa fazer o decreto dominical, obrigando a todos a guardarem o Domingo, esse cristão será salvo mesmo sendo, por exemplo,  um batista, pois a fé dele em Jesus foi suficiente para salvá-lo. Mas se esse mesmo batista morrer depois do decreto dominical e não guardar o sábado, ele perderá a salvação, e neste caso, sua fé em Jesus já não será suficiente para salvá-lo, pois o fato de ele não guardar o sábado indicará que ele deixou de ser até mesmo parte do corpo de Cristo. Isto explica porque a IASD é tão exclusivista, a ponto de desejarem que todos nós nos tornemos parte da IASD para que, quando o Papa dar o supracitado decreto, sejamos contados como membro da única igreja remanescente viva naquela época. Por votação unânime, consideramos isso HERESIA DE PERDIÇÃO. 

Assim, afirmamos que a IASD, como instituição religiosa, NÃO É IGREJA DE CRISTO, mas pode conter salvos nela (já explico). Embora eles creiam na Trindade, que foi um passo importante dado pela IASD décadas atrás, devido a seu exclusivismo religioso, praticado por quase 90% de seus membros analisados, eles não sabem ser Igreja de Cristo, principalmente porque são influenciados por sua pseudo profetisa Ellen Gould White a crerem que os cristãos que deixaram de guardar o sábado serão punidos. 

Mas a pergunta que não quer calar é: Pode um adventista ser um salvo pertencendo a essa instituição sectária? Sim, admitimos que por a IASD crer na Trindade, um ASD pode ouvir uma pregação e entendendo que Jesus é Deus, Senhor e Salvador da vida dela, vir a se converter a Cristo. Isto não ocorreria jamais vindo de uma pregação de um satanista ou de um TJ, cujo Deus não é triúno. Mas este adventista convertido a Cristo, devido aos erros da IASD, precisa sair dali e buscar uma Igreja denominação que seja uma expressão da Igreja de Jesus Cristo. Isto só seria reversível se a IASD se arrependesse de seus erros doutrinários, considerasse EGW como uma mera estudiosa da Bíblia, deixasse de ensinar a falsa profecia do decreto dominical e do sábado como sinal distintivo do crente após a promulgação de tal decreto. Neste caso, poderíamos admitir que teria havido uma conversão da instituição religiosa IASD. 

Portanto, nós amamos essa nova visão, pois ela é equilibrada e sensata. Ela até nos ajuda a entender como Cristo teve uma igreja de salvos durante os séculos IV e XVI, quando embora a Igreja Católica Apostólica Romana tornou-se desviada na doutrina soteriológia e em outras heresias de perdição, mas mesmo assim, por crerem na Trindade, muitos católicos poderiam ter ouvido em meio às mentiras católicas uma verdade essencial - a Trindade - que poderia levar vários católicos a entender o cerne do evangelho de Cristo e serem salvos. Ou seja, foram salvos não pela ICAR em si, mas porque uma mensagem verdadeira, em meio às mentirosas, foi-lhes ensinada e eles receberam o Cristo Deus, Senhor e Salvador de suas vidas. 

Sendo assim, é com muita tristeza que comunicamos: NÃO CONSIDERAMOS MAIS A IASD, POR SEUS CRIMES TEOLÓGICOS DE SECTARISMO, COMO EXPRESSÃO DA IGREJA DE CRISTO, mas afirmamos SER POSSÍVEL UM ASD OUVIR UMA MENSAGEM DE SALVAÇÃO ALI E, POR ATO DA GRAÇA E MISERICÓRDIA DE DEUS SE TORNAM UM SALVO ESTANDO, POR ENGANO, NUM GRUPO RELIGIOSO EXCLUSIVISTA E SECTÁRIO E, PORTANTO, A MENOS QUE A IASD SE ARREPENDA DE SEUS DESVIOS DA FÉ, esses salvos com certeza deixarão a IASD no tempo de Deus. - Pr. Fernando Galli.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - CENTRAL DE DEFESA BÍBLICA E MAIS UMA TENTATIVA PARA TRANSFORMAR O LOGOS EM CRIATURA


Lemos em João 1:3: Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito existiria. A criatividade dos apologistas virtuais TJs não tem limites. Eles simplesmente acham que arrebentam com nós, teólogos, com os argumentos deles. Veja abaixo como que um site TJ explica o texto, tentando levar o leitor a crer que o texto foi escrito em grego para provar que Jesus é uma criatura.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - APOLOGISTA TJ (CENTRAL DE DEFESA BÍBLICA) TENTANDO JUSTIFICAR AS FALSAS PROFECIAS TJS


O site extra oficial anônimo TJ escreveu uma matéria tentando justificar as falsas profecias TJ e seus erros de interpretação. Vamos refutar cada ponto das malandragens textuais dessas marionetes do Corpo Governante? Vejamos:


RESPOSTA CRISTÃ - Veja como se desconstrói essa argumento. De fato, é uma inclinação humana querer que o fim venha logo. Como eu gostaria que viesse agora! Mas quem disse que o fato de aqueles discípulos, que ainda não haviam recebido o Espírito Santo em Pentecostes para serem conduzidos a toda a verdade, terem achado que Jesus voltaria logo e antes de João morrer, que isso dá autorização para uma seita de maus intérpretes da Bíblia previr o fim para 1914, 1925 e 1975? E há uma grande diferença entre achar que Jesus voltaria enquanto João vivesse, o que poderia incluir um período de sessenta anos, e estipular datas à custa de cronologias bizarras.

Outro ponto: Uma coisa é discípulos entenderem errado palavras de Jesus difíceis de entender e soltarem boatos errôneos, outra coisa é espalhar interpretações erradas de palavras de Jesus impossíveis de ser entendidas erroneamente. Vou explicar melhor. Quando Jesus disse a seus discípulos: Se eu quiser que João fique vivo até que eu venha, o que importa isso a você, ele simplesmente não quis dar nenhuma pista de mais ou menos quando o fim viria. Podia ser antes de João morrer ou depois. A verdade é: Jesus sempre deixou explícito: A minha volta é iminente e apanhará de surpresa. Assim, Jesus não deu a menor pista para eles. Por isso, eles entenderam errado. Mas o interessante é que NEM TODOS ENTENDERAM ERRADO, pois o próprio João, que escreveu seu evangelho, afirma em João 21:23 que Jesus jamais quis dizer aquilo que alguns haviam entendido. (João 21:23) Ou seja, como é horrível um TJ usar a Bíblia sem entendê-la corretamente! Não é à toa que já mudaram 336 vezes de ensino. (Leitores, este número pode mudar a qualquer instante.)

Mas será que sobre pôr datas para a volta de Cristo se enquadra no caso de João, se tratando de um caso parecido? De jeito nenhum! Jesus já havia sido categórico: Ninguém, exceto o Pai, sabe o dia. (Mateus 24:36) Quanto a isso, não tem como entender errado. Só mesmo um falso profeta poderia sugerir, com muita certeza ou pouca, qualquer data marcada. Portanto, cai por terra essa desculpa desse TJ assecla de seus mentores e amos da fé - o Corpo Governante. 

Continuando com a desculpa do Apologista TJ da Central de Defesa Bíblica: 


RESPOSTA CRISTÃ - Em primeiro lugar, queremos afirmar ao apologista TJ que rejeitamos todo falso profeta, seja ele um TJ, um mórmon, ou até mesmo os muitos em nosso meio evangélico e protestante. O fato de haver falsos profetas dentro da nação de Israel, falando, interpretando e predizendo o que Deus jamais havia dito, não implicava que toda a nação de Israel estava em pecado e que não havia povo de Deus na terra. 

Em segundo lugar, a resposta que damos aos TJs, a saber, os apóstolos tinham falsas expectativas, mas eles não publicavam isso como se fosse mensagem de Deus assim como as TJs fazem é um excelente argumento, tanto que é verdadeiro, POIS DEUS NUNCA OS DIRIGIU A DIVULGAR POR ESCRITO BOBAGENS, ao passo que o falso deus-TJ (o Corpo Governante) o faz constantemente. Mesmo que seja verdade o ponto central do argumento TJ, que todos nós ansiamos a volta de Jesus, isso não significa que aqueles primeiros discípulos de Jesus ensinassem isso como doutrina, como resultado de uma reunião com oração, como supostamente fazem os membros do corpo governante ao preparar e aprovar matérias e novas luzes para os seus asseclas e escravos espirituais. Portanto, nossa resposta cristã não é coisa nenhuma falácia da observação irrelevante. Vejamos agora outro suposto erro que o tal Central de Defesa Bíblica diz que fazemos:


RESPOSTA CRISTÃ - Em primeiro lugar, concordamos em gênero, número e grau, e até nos ajoelhamos de gratidão a Deus, pelo fato de os TJs não se considerarem inspirados e inerrantes. Uffa! Analisando as 336 mudanças de ensinos dessa seita, somente um desinteligente para acreditar nisso! E muito menos têm o dom de profecia, pois quando interpretam uma profecia, fazendo uma profecia e marcando datas para o fim, [COISA QUE NEM OS DISCÍPULOS OUSARAM A FAZER (exceto falar tempos e épocas em Atos 1:8, o que não é estipular datas, pois até eu acho que estou no tempo e na época do fim - isso a igreja sempre creu!)], NÃO ACERTAM UMA! E a função de um profeta em Israel não era apenas falar de eventos futuros, mas de interpretar a Lei ensinando que era Deus quem o dirigia àquela interpretação. Ora, a seita TJ faz exatamente isso! Ela não mais prediz, de fato, o fim com datas marcadas, mas interpreta tão erroneamente a Bíblia que só no livro Climax de Revelação, livro usado pela seita para explicar Apocalipse e que revisa dezenas de interpretações anteriores a este livro, sim, esta seita teve que fazer 70 alterações neste livro Clímax de Revelação. Sim, eu disse 70! E ai se uma TJ sair dizendo que discorda de sequer uma interpretação do Corpo Governante! 

Em segundo lugar, vale informar: Usar erros de alguns apóstolos para justificar o erro absurdo de se previr a volta de Cristo com data marcada soa-me como o Pedrinho, que havia jogado pedra na janela do vizinho e ao ser pego em flagrante disse à polícia: Eu fiz isso, mas o Joãozinho também fez. E quando o Paulinho diz: Eu nunca fiz, o Joãozinho diz: Você é um mal rapaz. O certo é fazer como eu, que fiz errado, não vou fazer mais. Como você nunca errou nisso, para ter a chance de mudar, então você é um mal rapaz e eu sou bom; aliás, o único bom rapaz. Se eu visse o Pedrinho falar isso, certamente o chamaria de picareta!!!! Vejamos a última parte da argumentação do Central de Defesa Bíblica:


RESPOSTA CRISTÃ - Não é o local nem quem cometeu o erro que nos fará considerar um grupo seita ou não. Pois eu mesmo já errei! Já mudei! Já achei que o fim não passaria do ano 2000. Que não chegaríamos onde chegamos. Como o nobre TJ apologista afirma, todos nós temos anseio pela volta de Cristo. Mas imagine se eu cometesse os mesmos erros dos outros em esperar o fim com muita ansiedade, e me proclamasse a única religião verdadeira? Quão tolo eu seria! É o que os TJs fazem. É por isso que não aceitamos os erros deles, mas aceitamos os erros dos apóstolos! Eles nunca ensinaram que uma denominação religiosa seria a única verdade, como fazem todas as seitas. Então, não exigimos perfeição coisa nenhuma do Corpo Governante, apenas expomos seus erros para ajudar o máximo de TJs possível a sair dessa seita. E Deus, para a glória dEle, já me ajudou a arrancar mais de 200 TJs dessa seita, sendo que várias delas são crentes, hoje. - Pr. Fernando Galli.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - MUDANÇAS DE ENSINOS QUE ME PASSARAM DESPERCEBIDAS - 333 a 336.


Eu queria pedir perdão a meus leitores por ter deixado passar despercebidas várias mudanças de ensinos da seita TJ nos últimos cinco anos. Até 05.10.2017, eu havia catalogado 332 delas, mas graças a Deus acabei descobrindo outras. Como eu havia publicado cada mudança de ensino nos últimos anos, todas enumeradas, estas novas luzes nos últimos cinco anos serão enumeradas a partir e 333. Vejamos uma saraivada de luzes do "jeová-TJ" despejadas sobre o Corpo Governante:


COMENTÁRIO CRISTÃO - É inacreditável como há mudanças de ensinos TJs que se adequam ao que nós já cremos há muito tempo. É como se o "jeová-TJ" adaptasse as suas novas luzes aos ensinos das igrejas que os TJs chamam de Babilônia, a Grande, o império mundial da religião falsa. Veja, por exemplo, como isso é verdade. O livro Daniel - Introdução e Coemntário, página 99, de Joyce G. Baldwin, publicado em 1983 pela Editora Vida Nova, afirmou sobre esses reinos serem dos dias de Daniel. Veja: "O Deus do céu, em contraste, realizará o seu firme propósito de estabelecer um reino duradouro nos dias destes reis: a expressão e vaga, pois nenhum rei havia sido mencionado desde Nabucodonosor; porem, e natural assumir que o autor pensava nos reis do último reino mencionado. Enquanto os outros impérios mundiais haviam sido sucessivamente derrubados por outros conquistadores, ninguém poderá tomar de assalto a este aqui mencionado. Embora os reinos pareçam ter sido consecutivos, há aqui uma sugestão de que possam ser contemporâneos." Que deus tolo é esse que permite seu Corpo Governante ensinar errado de 1874 a 2012, ou seja, 138 anos, e quando manda uma nova luz de interpretação, passa ensinar exatamente como as igrejas de Babilônia, a grande? Que deusinho falso, não é mesmo? Próxima!


COMENTÁRIO CRISTÃO - Realmente não é uma mudança importante, mas só em 2012 que o "jeová-TJ" mandou a luz incluindo Mordecai e Ester no cumprimento de Gênesis 49:27. Mas a próxima mudança dá o que pensar. Veja:


COMENTÁRIO CRISTÃO - O que mais impressiona é que omitiu-se aqui uma forma anterior de todas para designar anciãos e servos ministeriais. Antigamente, era por votação, ou eleição. Depois sim que passou a haver uma indicação enviada dos anciãos para o Corpo Governante, com a aprovação do superintende de circuito. Depois que o Corpo Governante aprovava a designação, anunciava-se o novo ancião ou servo ministerial. Décadas depois, em 2014, mudou-se para o ensino atual. Anciãos e servos ministeriais são designados pelo superintendente de circuito, juntamente com os anciãos das congregações locais. O que mais chama atenção é que depois de 140 anos de história TJ é que ELES SE APROXIMARAM MAIS DO PROCEDIMENTO PADRÃO DO PRIMEIRO SÉCULO. Ou seja, em 90% das Igrejas evangélicas e protestantes, são os pastores locais e suas respectivas igrejas que ordenam os pastores e diáconos. O novo jeito TJ está bem mais próximo de nossas igrejas os ordenarem, as quais fazem isso HÁ SÉCULOS! Que piada! É o "jeová-TJ" se adequando às supostas igrejas do diabo. Próxima:


COMENTÁRIO CRISTÃO - A primeira interpretação era aberrante. Qualquer jumento em história de Israel e linguagem hebraica entenderia que os sete pastores e oito príncipes não poderiam ser uma liderança pequena em favor de muitos em Israel. Assim, se formos entender um cumprimento de Miqueias 5:5 para os nossos dias, teríamos que entender como toda forma de Deus proteger sua igreja, seja através de quem for. Ou seja, sete é símbolo de perfeição, e oito, um pouco mais que perfeição. Parece significar que Deus providencia quantos forem necessários para proteger a Igreja de Cristo. A nova interpretação TJ se aproximou mais do que já cremos. Todos os bons comentários de Miqueias que contextualizam o 5:5 aos nossos dias entendem como eu defendo acima. Em 2008, o Pr. Hernandes Dias Lopes lançou um comentário de Miqueias onde ele afirma que se refere a todos os meios que Deus usa para proteger a Igreja (e não à uma pequena liderança em Israel e muito menos na Igreja). Parabéns, ó "jeová-TJ"!!!!! O senhor está chegando lá! - Pr. Fernando Galli.
_________________________________

Observação: Os TJs virtuais de plantão, desesperados, andam se justificando dessas interpretações mudantes, 336 agora (nas minhas contas e isso se eu não percebi outras). Sua argumentação tem sido a seguinte: Não é lindo e maravilhoso o povo de Jeová reconhecer erros? Não é isso uma demonstração de humildade? A RESPOSTA É NÃO. Quando alguém erra uma interpretação e a muda, ele não deveria julgar os outros errados e apenas ele certo, pois ele pode ter mudado para uma interpretação errada novamente. A seita TJ muda sempre porque todas as outras velhas luzes não eram de Jeová, senão não precisariam de serem corrigidas. A verdade é uma só: Parece PIADA uma seita ensinar que é Jeová quem dá novas luzes de entendimento para o Corpo Governante, sendo que 336 dessas luzes precisaram ser corrigidas. E ainda se acham os únicos adoradores a compor a única religião verdadeira. 03:03 da manhã, bom dia a todos! Para mim, boa noite!

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - JESUS É PRIMOGÊNITO CONFORME O SITE TJ A VERDADE É LÓGICA ENSINA?


Um dos sites que mais propagam mentiras e crendices heréticas apregoadas pelos TJs é o famigerado A Verdade é Lógica. Veja como é simples refutá-los usando a Bíblia. A pergunta é: Por que Jesus é chamado de primogênito da criação? Veja a resposta ridícula que o proprietário deste site de meias ideias responde, tentando ludibriar desavergonhadamente seus leitores:


RESPOSTA CRISTÃ - O texto de Colossenses 1:15, 16 é autoexplicativo. Nem precisaríamos fazer muito esforço intelectual para compreendermos que Ele (Jesus), é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda (ou sobre toda) a criação, porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam poderes; tudo foi criado por ele e para ele. Então, pergunte para o texto: Por que Jesus é o primogênito de toda a criação? Qual será a resposta das alternativas abaixo:

(a) Porque ele é uma criatura, e de todas as criaturas, ele é a mais importante.
(b) Porque por meio dele, ou nele, foram criadas todas as coisas nos céus e na terra.

É óbvio que a alternativa B é a certa. Jesus Cristo, sendo usado pelo Pai, para criar tudo, tornou-se primogênito na acepção de ser o herdeiro da criação, pois primogênito, tanto em grego como hebraico, carregam este sentido. Se nada mudasse os rumos da história de um primogênito, ele seria o herdeiro.
TJs de plantão! Não me venham dizer que a Bíblia diz que nós somos herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo (Romanos 8:17), sendo assim, se herdamos com Cristo, isto indica que não somos o Deus verdadeiro. Somos herdeiros de promessas, diz a Bíblia, e isto tem a ver com o Reino. Agora, veja como a Bíblia associa Jesus Cristo ser herdeiro com o fato de ter sido usado para criar tudo: Nestes últimos dias, porém, ele nos falou pelo Filho, a quem designou herdeiro de todas as coisas e por meio de quem também fez o universo. - Hebreus 1:2.
Com isso em mente, o mocinho da voz bonita tenta instigar uma dúvida na mente de seus leitores desavisados: Se Jesus é Deus e é o primogênito da criação, por que Jeová nunca é chamado de primogênito da criação? Evidentemente, o TJ herege está se referindo ao Pai de Jesus aqui. Mas a resposta é simples: Porque o Pai designou Jesus para ser o herdeiro, logo, é Jesus, na Trindade, quem tem que ser o primogênito ou herdeiro. Ou será que essa turba de maus intérpretes da Bíblia acham que o Pai é que tem que ser o herdeiro do Filho? Então o questionamento deles é imbecil!

Portanto, Jesus é corretamente é Deus (João 1:1; 20:28) e o primogênito da criação porque por meio dele foram criadas todas as coisas, e NÃO PORQUE FOI CRIADO. Aos TJs, afirmamos: Em nenhum lugar do texto se sugere que Jesus seja criatura, pois se fosse, assim como João ser primogênito de Paulo torna Paulo pai de João, assim também Jesus ser primogênito da criação tornaria a criação o pai de Jesus. - Fernando Galli.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

DEBATE:DÊNIS (TESTEMUNHA DE JEOVÁ) X PR. FERNANDO GALLI (IGREJA BÍBLICA CASTELO FORTE)

A pedido de um Testemunha de Jeová, irei publicar um debate que tivemos neste site, nos comentários abaixo de cada matéria. Gostaria de convidar a todos para analisarem este debate e tirarem as suas conclusões. Boa leitura. O problema desse debate é que o TJ quis apenas ele fazer perguntas para comentar minhas respostas, mas nem me sugeriu que eu fizesse as perguntas a ele. Mas tudo bem. Boa leitura a todos.

TESTEMUNHA DE JEOVÁ (DENIS) 

Sr Galli, gostaria que me respondesse de forma clara e objetiva, logicamente com base nas escrituras as questões abaixo, e que deixasse disponível para os leitores de seu site meu comentário na integra e sua resposta, que com certeza não terá dificuldade em responder, visto que o senhor é um eximiu defensor desse dogma e com certeza terá transparência e coragem de fazer isso. A visualização dará essa prova.Seguem minhas questões:


“Deus o enalteceu a uma posição superior”. - Filipenses 2:9.



Se Jesus já era igual ao Pai, como dizem os trinitaristas e foi enaltecido a uma posição superior, então quer dizer que agora ele é maior que O Deus pai? Sendo assim a quem está o Filho sujeitando-se em 1 Coríntios 15:28?


PR. FERNANDO GALLI

Nós, trinitários, cremos OFICIALMENTE que Deus são Três Pessoas distintas, IGUAIS EM NATUREZA, MAS DIFERENTES EM POSIÇÃO. Ou seja, Jesus é sempre INFERIOR EM POSIÇÃO AO PAI, pois Jesus é submisso ao Pai. Ser submisso não indica inferioridade de um ser em relação a seu semelhante. Por exemplo, a mulher é submissa ao marido (1 Cor. 11:3). Isto a torna inferior em posição, mas não em natureza. Na Trindade, ocorre algo similar. O Filho é inferior na posição, mas IGUAL EM NATUREZA. O Filho é submisso antes de vir à Terra, pois foi enviado pelo Pai. (João 3:16) Ao cumprir sua missão aqui na terra, sendo obediente até a morte, recebeu certamente uma posição superior, NÃO UMA NATUREZA SUPERIOR. E isto não move uma palha naquilo que cremos sobre a Trindade. Não move mesmo, ainda que os antitrinitários queiram que mova.

TESTEMUNHA DE JEOVÁ DÊNIS

Obrigado Sr Galli pela sua resposta, sei que aqui não é o espoço destinado para esse tipo de conversa, mas em seu comentário surge uma questão; o senhor disse que Jesus tem a mesma natureza de Deus, nisso eu concordo, pois Cristo é divino, porem o senhor disse que ele é INFERIOR EM POSIÇÃO AO PAI, mas segundo o dogma da trindade eles são co-iguais em poder e em glória. 

Como pode Jesus ser inferior a Deus nos céus se ele tem o mesmo poder e posição?

O exemplo que o senhor deu do marido e esposa foi excelente, os dois tem a mesma natureza (humana), mas a esposa é submissa ao marido mais não inferior a ele, isso é verdade, no entando os dois são duas pessoas DIFERENTES.

Com respeito a sua matéria acima sobre o texto de João 1:18, essa tese de “mesma espécie” não se é encontrada nas escrituras.

μονογενής, ές

Provém de mono : “um, único, somente”
E γένος : “raça, descendência, geração”.

Monogenés (em grego μονογενής) significaria “único” se fosse penas usado o prefixo MONO. Este não é o caso. Alguns definem monogenés como sendo “único” e isto é compreensível pois emprega-se esta palavra ao se falar de um filho único, mas o sentido exato etimologicamente agrega algo mais . Emprega-se o sufixo “genés” que vem de gínomai (em grego γίνομαι) que significa “vir a ser”. Se veio a ser então não era. Simples assim. É falácia tirar “genés” da significação da palavra MONOGENÉS. Isso sim é uma omissão indevida. GENÉS ou γένος vem de Ginomai. Gínomai significa “emergir, tornar-se, vir a ser”. Concordemente, “vir a existência” e “nascer” é a primeira definição do Léxico de Thayer. 

Em outras palavras, para Jesus receber autoridade e ser submisso, ele precisa ser outra pessoa, por isso o texto de João 1:18 mostra que ele foi gerado ou criado.

PR. FERNANDO GALLI

Prezado DInis, comentários bem educados tem espaço prá dar e vender aqui. 


Pai e Filho têm o mesmo poder e natureza, mas são diferentes em posição. Ser iguais em poder não é poder de ser acima em posição, mas poder na acepção de ser a fonte de todo o poder. Não sei se estou certo, mas acho que o Sr. está confundindo poder de um mandar no outro (autoridade) com poder de fonte de poder. Na Trindade, entendemos que Pai e Filho tem o mesmo poder como fonte de todo o poder, todavia, na relação intra-trinitariana, o Filho submete-se ao Pai. De modo algum poderíamos ensinar que Pai e Filho, sendo a mesma fonte de todo o poder, agissem independentemente um do outro no uso do poder, pois isto descaracterizaria a trindade.



Muito oportuna foi sua colocação sobre monogenés. Quando estudamos a Trindade, e todos os desdobramentos de nossas crenças sobre esta doutrina, deparamo-nos com um sério problema: O uso de palavras em grego, que surgiram antes mesmo da teologia cristã, terem que ser usadas para falar de teologia. O problema é que não há palavras que expressam exatamente cada desdobramento da doutrina da Trindade. Não podemos ser exagerados quanto a levar ao pé da letra certas palavras gregas, como monogenés. Além disso, alguns trinitários podem ir além do que o autor sagrado quis dizer. 



Da mesma forma que não podemos ler apenas mono, sem o genés, não podemos ler monogenés sem o theós ho. Como cremos que Jesus é o Deus Unigênito, quando ele veio a ser gerado sendo o Deus? Na eternidade. Para nós, é uma forma didática, implícita, de se explicar a geração do Filho da parte do Pai, mas como esse Filho é o Deus, sua geração não tem princípio. 



Assim, Jesus é o único da espécie que sendo o Filho de Deus (tão igual ao Pai em divindade), tem suas origens na eternidade. 



Todo leitor judeu e até grego esperava saber das origens de alguém proclamado o Filho. Todo filho é gerado pelo Pai. Mas no caso de Jesus, quando isso se deu? A resposta? Ele é o Deus e é unigênito, ou seja, único gerado, e por ser o Deus, não foi criado. Logo sua geração é subentendida na eternidade. 



E no caso de Jesus, não cremos que Ele foi criado, pois se Ele tem a mesma natureza divina do Pai, ambos são incriáveis.



Tome, por favor, cuidado com Dicionários. Os primeiros significados na grande maioria das vezes são assim listados pelo número de ocorrências, não que o primeiro significado possa ser aplicado a um caso único: O de Deus, o Jesus Unigênito.


TESTEMUNHA DE JEOVÁ DÊNIS

Olá Sr Galli como esta? Espero que bem...


O significado da palavra monogenés é “vir a existência”, “nascer” e “ser gerado”, qualquer significado que os tradutores ou eruditos possam dar a essa palavra além disso é forçar a teologia.



Encontramos o mesmo uso que foi feito dessa palavra nestas fontes gregas na Bíblia em Hebreus 11:17: 



“Pela fé Abraão, quando provado, praticamente ofereceu Isaque — o homem que havia recebido alegremente as promessas tentou oferecer seu único filho (μονογενῆ) .”



Em Juízes 11:34 a LXX fala da filha única ou unigênita de Jefté e a chama de monogenes. Em sua Obra Antiguidades Judaicas, Flavio Josefo (Livro 1 Capítulo 13) escreveu:



"Ἴσακον δὲ ὁ πατὴρ Ἅβραμος ὑπερηγάπα μονογενῆ ὄντα καὶ ἐπὶ γήρως οὐδῷ 
κατὰ δωρεὰν αὐτῷ τοῦ θεοῦ γενόμενον."



Ora, o Pai de Isaque Abraão amou grandemente, aquele que era o seu unigênito, que foi lhe dado à beira da velhice pelo favor de Deus”.



Também esse texto em questão, que inclui e o significado desta palavra, tem que estar em harmonia com outros texto.



Em Revelação (Apocalipse) 3:14, o Filho é chamado “o princípio da criação de Deus”
No idioma em que João escreveu o livro de Revelação, a palavra grega é arkhé.



Em Colossenses 1:15, 18 (Al) está escrito, também, que ele “é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. E ele é a cabeça do corpo da igreja: é o princípio [arkhé] e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência”. Ser ele o “primogênito dentre os mortos” significa que ele mesmo esteve certa vez morto, e ser ele o “primogênito de toda a criação” significa que ele mesmo foi criado pelo seu Pai celestial.



João 1:1 parte nos ajudar a entendermos o texto de João 1:18



No princípio era a palavra”. Somente esta frase nos passa muita informação. De acordo com a Bíblia o que esta frase nos ensina?



O lógos, Jesus Cristo, “era no princípio” ou “estava no princípio”. Qual princípio? Obviamente da criação. Apoc. 3:14 diz que Jesus é o “princípio da criação” de Deus. Portanto, Jesus é parte “da criação” de Deus. Gênesis 1:1 diz que “no princípio Deus criou os céus e a terra”. 



Como sabemos, Deus é chamado nas Escrituras de “Rei da eternidade”.



“Antes de nascerem os montes Ou de teres formado a terra e o solo produtivo, De eternidade a eternidade, tu és Deus.“ Salmo 90:2 



Portanto, Jeová sempre existiu, mas Jesus ao ser citado como estando “no princípio” implica que foi criado ou surgiu em uma dado momento na corrente eterna do tempo. Ou seja, Jesus é parte da criação de Jeová Deus exatamente como lemos em Apoc. 3:14 e Col. 1:15 quando o chama de “primogênito da criação de Deus”. Ou seja, ele é “da criação de Deus”, foi gerado ( monogenés) e não o Criador. 



O Texto de João 1:1 não diz que “o logos era de eternidade a eternidade” mas que este era “no princípio”. Não lemos que ele era na eternidade passada, mas “no princípio”. É errado dizer “no princípio era Jeová Deus” ou ainda “no princípio era Deus”, pois ele sempre existiu, mas Jesus Cristo, o lógos nem sempre existiu.


PR. FERNANDO GALLI

Obrigado por suas considerações Denis. Jesus não é unigênito na mesma acepção que Isaque e a filha de Jefté. Ela e Isaque não são Deus Unigênito. Só me falta essa: Usar o fato de Isaque e a filha de Jefté serem monogenés para explicar como Jesus é o monogenés ho theós. 

Outro ponto: Jesus não foi gerado na corrente eterna do tempo, pois o tempo e o espaço são criações de Deus. Logo, Deus precede o tempo, Deus o Pai usou Jesus para criar todas as coisas, incluindo o tempo e o espaço (quer físicos, quer espirituais). Afinal nada do que existe, existe sem Jesus. (João 1:3) Ele foi usado para criar todas as coisas. Todas mesmo: inclui tempo e espaço. 

Se Jesus preexiste ao tempo, logo Ele é o Deus verdadeiro, gerado antes do tempo. Logo, este "gerado", este "monogenés" nada mais é do que um meio de se tentar dizer: Jesus é o Filho eterno de Deus. 

Sim, Jesus é primogênito dentre os mortos porque esteve dentre os mortos, mas que ele é o primogênito da criação porque está incluído na criação é um absurdo. Col 1:16 diz o motivo de Jesus ser o primogênito da criação: Porque mediante ele tudo foi criado. Usou-se "primogênito" simplesmente para destacar que Ele é o herdeiro da criação, não a primeira criatura de Deus. 

Afirmar que Jesus é o princípio da criação por ser ele a primeira criatura é incorreto. Ele é o arkhé da criação e estava no arkhe, e era Deus. Quem cria o tempo e o espaço é incriável, mas pode ser o início de toda a criação.

João 1:1 também não diz que Deus, o Pai, estava de eternidade a eternidade. Aliás, põe Deus, o Pai, em pé de igualdade com Jesus, pois ambos estavam juntos no princípio. Aliás, Jesus estava com o Pai antes de haver mundo. - João 17:5.

TESTEMUNHA DE JEOVÁ - DENIS

Muito obrigado pela sua disposição em responder

O significado de monogenés não é alterado quer quando se é usado para humanos quer para Jesus.

Também o fato de Jesus ser chamado de Deus ou deus não apoia a ideia de “eternidade passada”, a palavra deus basicamente significa “poderoso”, os anjos são chamados de Deus em Salmos 8: 5, outras traduções vertem como “seres divinos”, “semelhantes a Deus”, “seres celestiais”. Esses são deuses, independente se o leitor ler em letra maiúscula ou minúscula, pois isso nos idiomas originais era independente, a palavra Deus ou deus nas escrituras é muito amplo, mas isso já é outro assunto.

Também para ser divino não precisa ser o próprio Deus todo-poderoso, em 2 Pedro 1: 4, o apostolo diz que quando os cristãos forem para os céus eles serão revestidos de DIVINDADE.

Dizermos que Jesus é de eternidade passada, ou seja, que ele sempre existiu, tornaria contraditório esses textos:

“Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre.” Hebreus 13:8

Não lemos aqui que Jesus é o mesmo desde a eternidade, mas ONTEM. A palavra “ontem” se refere a uma linha de tempo antes do “hoje”. “Ontem” teve um princípio. Jeová não é desde “ontem” Jeová é desde sempre. 

É por isso que Miquéias 5:2 falando de Jesus diz:

“Cuja ORIGEM vem dos tempos antigos, dos dias da antiguidade.”

Ter Jesus uma origem, significa que ouve um tempo que ele não existia.

Até mesmo Tertuliano um dos "Pais da Igreja" diz em uma suas obras que ouve um tempo em que o "Logos" não existiu

Senhor Galli, tenho duas perguntas em uma, e gostaria de saber sua resposta, segue...
Se Jesus é Deus, quem é o Deus de Deus? Jesus fala do “meu Deus” até mesmo já no céu. Porque é que Jesus afirma que tem um Deus, se de fato ele é o Deus? (Jo 20:17; Apo 3:12; 1:6; 1 Pe 1:3; 2 Cor. 1:3; Ef. 1:17; Sal 89:26; Mar 15:34; Col 1:3; Heb 1:9; Sal 45:7) Porque a Bíblia nunca se refere ao Pai referindo-se ao Filho como “meu Deus”, nem o Pai e o Filho referindo-se ao espírito santo como “meu Deus”?

Mais uma vez obrigado.

PR. FERNANDO GALLI

Prezado Denis, 

Monogenés e qualquer palavra no mundo pode ter sentidos alterados dependendo das que as acompanham. Deus unigênito é um título ímpar dado a Jesus. Anjos não são deuses unigênitos, caro. Por isso, Jesus é o único da espécie. Por favor, não compare Jesus com anjos, com pessoas, com animais. 

Os anjos, juízes, etc, são deuses na acepção de terem o título de deuses. Deus é Deus por natureza, e apenas Deus tem natureza divina. No caso de Jesus, ou é deus por título, ou por natureza. A igreja tem uma penca de versículos para provar que Jesus é Deus por natureza. E por gentileza, não confundamos ser Deus por natureza com participar da natureza divina. A palavra grega koinonoo alí significa que teremos comunhão com a natureza divina, não que eu serei divino. Desde já Pai, Filho e Espírito Santo vivem nos salvos (João 14:23; 1 Coríntios 6:19), portanto, já temos uma certa koinonoo com Deus. E teremos mais ainda.

Hebreus 13:8 tem a ver com a imutabilidade de Cristo. Só Deus não muda, só Ele é imutável. Se é imutável, nunca foi criado. Portanto, comente este texto para questionar a imutabilidade de Cristo, não a eternidade. 

A origem do Messias é desde os dias da eternidade. Corretíssimo! Ele foi gerado na eternidade. Uma mera forma de se explicar a origem eterna do Filho. Isto não nos deixa um pingo abalados sobre o que cremos. Pelo contrário, reforça o que cremos. 

Sobre suas últimas perguntas, argumentos de silêncio ou omissão não servem para nada. Eu poderia perguntar: Por que a Bíblia nunca diz "os da Grande Multidão não são filhos de Deus"? Então, você dirá o mesmo que eu, e tentará reunir textos para tentar me fazer chegar a esta conclusão. Todavia, preste atenção, pois nisto cremos: Na Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo são iguais em natureza, por isso, são corretamente chamados de Deus. (1 Coríntios 8:5; João 20:28; Atos 5:3, 4) O Pai chama Jesus de "Deus". (Hebreus 1:8-10) O Filho chama Jesus de "Deus". (João 17:3) Mas quem conhece a doutrina da Trindade, sabe que as Três Pessoas são iguais em natureza, mas diferentes em posição. Portanto, quando Jesus chama o Pai de meu Deus, isto indica sua submissão a Deus. Ambos se chamam de "Deus" para provar a igualdade de Natureza, mas apenas o Filho poderia chamar o Pai de "meu Deus", pois é submisso apenas ao Pai. O Pai e o Filho jamais se refeririam a Jesus como MEU DEUS. Se lêssemos isso nas Escrituras, eu realmente não creria na Trindade. 

E não se esqueça que na expressão "subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus" (João 20:17) fica evidente que a razão pela qual o Pai é Deus e Pai de Jesus é diferente de ser o Deus e Pai de nós.

TESTEMUNHA DE JEOVÁ DÊNIS

Mais uma vez fico agradecido pelas suas considerações, não vou tomar mais de seu tempo, este será o meu último argumento.

A expressão “unigênito” para Jesus significa que ele é o único gerado diretamente por Jeová, pois a palavra criador cabe-se somente ao pai, não comparei Jesus a nenhuma pessoa, as fontes que usei serviram somente para comprovar o significado exato da palavra monogenés.

Quem foi a primeiríssima criação de Deus no domínio celestial?

Para nós monoteístas foi Jesus, e para vocês trinitários quem foi, consegue responder?

O Sr disse que Deus é Deus por natureza, isso é verdade, para o restante são títulos, mas o próprio 
Jesus se identificou com esses outros deuses, em João 10: 31-36 Jesus ao refutar as acusações dos fariseus se comparou com os Juízes da nação de Israel citando as palavras de Salmos 82: 1, 6.

Ora, se Jesus é o próprio Deus todo-poderoso, por que ele iria se comparar aos deuses Juízes? 

Em Isaias 9:6 traz diversos títulos para Jesus, entre este encontramos “Deus Poderoso”, mas o interessante é que o versículo fala no futuro quando diz que Jesus SERÁ chamado de Deus poderoso.

Ora se Jesus já é Deus todo-poderoso, como é que se chamará no futuro de Deus Poderoso?

Veja também A Septuaginta verteu a frase hebraica “Maravilhoso Conselheiro” neste mesmo texto por “megalhs boulhs aggelos” ( O anjo do Grande Conselho). Interessante que a Versão da Septuaginta Grega não é uma “Bíblia das Testemunha de Jeová”. Foi traduzida no 2º século A.E.C. Na profecia sobre o Messias que vem (Jesus), a LXX chama Jesus de “megalhs boulhs aggelos”, ( se lê: megáles búles ânguelos) vertido em Português “o Anjo do grande conselho”. VER – Isaías 9: 6, Septuaginta Grega.

Diversos dos chamados “Pais da Igreja” se referiram a Jesus como sendo um anjo. Claro que as Testemunhas de Jeová não consideram Jesus como apenas “um anjo”. Mas o maior de todos os seres espirituais criados por Jeová Deus, a segunda maior pessoa de todo o universo, o salvador da humanidade. (Apoc. 3:14).

Os judeus ao produzirem a LXX empregaram a palavra “anjo” provavelmente com o sentido de “mensageiro” em vista da profecia de Malaquias 3:1. Certamente acreditavam em Cristo como sendo um mensageiro e não o próprio Deus em forma humana como ensinam os trinitários.

Uma observação sobre a LXX. As Escrituras Gregas Cristãs, o chamado Novo Testamento, contêm umas 320 citações diretas e o total conjunto de talvez 890 citações e referências das Escrituras Hebraicas ou VT. A maioria delas se baseia na Septuaginta. A LXX não foi uma tradução feita pelos Apóstolos inspirados, mas por judeus que falavam grego. 

O Sr deu uma cutucada com respeito a "grande multidão”, para mostrar que nossa conversa é animada e descontraída para os leitores, vou cutucar também. 

O senhor concorda com o ensino do inferno ser um lugar de fogo e tormento literais? Esse ensino é propagado na grande maioria das igrejas.

Mais uma vez obrigado, achei muito boa nossa conversa, quem sabe não conversaremos sobre outros temas.

Fique na Paz!

Obs: Ficaria muito grato se o Sr colocasse nossa conversa em alguma seção de debates em seu site.

PR. FERNANDO GALLI

Olá. É muito proveitoso um debate com pessoas educadas como você. Pode ter a certeza de que mesmo atarefado, eu respondo sim. 

Nós não negamos que Jesus seja o único gerado do Pai, mas negamos que este gerado signifique criado, porque que eu saiba seu pai, prezado TJ, não criou você, mas te gerou. Como você é uma criatura, você ao ser gerado, por meios humanos, veio à existência. No caso de Jesus, não, pois na nossa compreensão, ele é Deus Unigênito, Filho de Deus. Por isso que os anjos são criados, mas apenas Jesus é gerado. Anjos nunca são gerados por Deus.

Sobre as fontes que você usou, eu também as uso. Mas é o que eu te disse: Uma coisa é você consultar o significado isolado das palavras, outra é entender que elas sofrem mudanças dependendo das palavras que as acompanhem. Filho unigênito é uma coisa, Deus unigênito é outra. 

Sobre quem foi a primeira criação de Jeová, eu nunca li não Bíblia sobre o nome dela. A menos que você entenda que a sabedoria de Deus foi criada, e para não ficar feio e estranho precise dizer que é a sabedoria manifesta que foi criada, mas daria na mesma porque a sabedoria manifesta é a mesma sabedoria sempre existente de Deus, sendo assim, ela não seria criada coisa nenhuma, mas apenas revelada. - Prov. 8:22-31.

Parece-me, também, que Jesus não se identificou com os outros deuses dos Salmos 82:6, mesmo porque Jesus é eterno, eles eram mortais (82:7), Jesus é justo, eles eram corruptos (82:1-3). Além do que Jesus não disse: Eu sou Deus assim como eles são deuses; Jesus, que na sua posição de humilhação não fazia alardes sobre sua divindade (aliás, nem dizia que era anjo, não é mesmo?), jamais diria EU SOU O DEUS TODO-PODEROSO. O que ele fez em João 10:31-16 foi fazer seus opositores pensarem: "Se a Bíblia diz que os juízes são deuses, qual o problema de eu dizer que sou Filho de Deus?" Na verdade, Jesus simplesmente falou aquilo para confundir a cabeça deles para eles nem saberem o que dizer. E eu provo isso, fazendo de conta que eu sou TJ. Suponhamos que eu creia que Jesus seja o arcanjo. MIguel, que se fez homem. Jesus seria o mesmo FIlho de Deus, antes e durante sua vida na terra. Com certeza Jesus era maior que os juízes dos Salmos 82:6. Mas seja sincero: A resposta que Jesus deu não pareceu dar a entender que os juízes eram maiores que ele? Claro que sim, pois enquanto eles eram deuses, Jesus era o Filho de Deus. FOi essa confusão que fez os judeus opositores se calarem. Mas a verdade é que Jesus era maior que os juízes, sem dúvida, sendo Deus encarnado, ou até sendo o Miguel que se fez homem.

Sobre sua pergunta: Como Deus pode ser o Todo Poderoso se "será chamado Poderoso"? O texto fala no contexto da humanidade de Jesus: nasceu menino e ele será chamado Deus Poderoso. Aqui na terra, Jesus deixou nas mãos do Pai seus poderes. Não fazia nada de sua própria iniciativa. A grande humilhação de Jesus foi exatamente essa: Sendo Deus, agiu como homem e deixou o Pai usar o poder do Pai, não dele, para fazer toda a sua obra. Por isso, justifica-se o uso de Deus Poderoso. E sobre o uso do futuro, em será chamado, trata-se de um hebraísmo, querendo dizer: Será reconhecido. Até Jeová se torna Rei na corrente do tempo, não porque se torna literalmente, mas por ser reconhecido, numa nova etapa do seu reinado. E eu também te pergunto: Quando Isaías escreveu seu livro, Jesus já era Deus poderoso, ou ele se tornaria ainda? (Veja João 1:1) Por isso, será que o uso do futuro em "será chamado poderoso" indica que Jesus se tornaria ainda Deus poderoso ou já era e apenas seria reconhecido como tal?

Sobre Jesus ser anjo. E Ele é mesmo!!!! Acreditamos na Trindade, e defendemos que em certos textos da Bíblia, Jesus é o anjo do Senhor. Mas por ter a natureza angelical? Nada disso! Jesus tem natureza divina! Assim como homens são chamados de anjos, sem ter a natureza angelical, como os anjos das igrejas do Apocalipse, por serem mensageiros de Deus em situações específicas, cremos que nas Cristofanias (manifestações do Logos antes de Jesus nascer aqui), Jesus age como anjo. É neste sentido que Jesus é o Supremo anjo, e que fez muitos teólogos cristãos piamente crentes na Trindade defenderem que Jesus seria o Arcanjo Miguel, pelo fato de, dentre todos os que Deus usa como anjos, ser Jesus o Principal ou ARC anjo. Como cremos que na Trindade, o Filho seja submisso ao Pai, não atinge-nos em nada o fato de Jesus ser igual a Deus em natureza, mas diferente em posição, podendo agir como mensageiro de Deus. (Como cremos que cada Pessoa da Trindade é plenamente Deus, não nos causa nenhum problema teológico afirmar que Jesus era mensageiro do Pai ou de Deus, pois o Pai é plenamente Deus).

Sobre o inferno, eu creio sim. 

terça-feira, 3 de outubro de 2017

PR. FERNANDO GALLI ENTREVISTA PR. ÉBER COCARELI


Aos 30 de setembro de 2017, o Pr. Éber Cocareli condeu-nos uma breve entrevista em minha própria casa, em Américo Brasiliense. Depois de um dia abençoado, com um culto muito especial, praticamente inaugurando nossa Igreja Bíblica Castelo Forte, o Pr, Éber falou sobre vida pastoral com a gente. Não perca esta entrevista gostosa.

SEITAS UNICISTAS E SEU FALSO DEUS - JESUS É O PAI?


Não bastasse seitas neo arianas modernas para difamar a doutrina da Trindade, afirmando que Jesus não é o mesmo Deus com o Pai, as seitas unicistas também atacam esta santa Doutrina, afirmando que Jesus é o Pai. Veremos neste primeiro artigo desta série especial os argumentos unicistas para provar que Jesus é o Pai, e as refutações para cada argumento.

Observe abaixo as afirmações em certo grupo unicista tentando provar que Jesus é o Pai:


Vejamos se cada afirmação procede de acordo com a Bíblia?

1. Cristo é um Pai para seus filhos. Lemos em Hebreus 2:13: "E outra vez: Porei nele a minha confiança. E ainda: Aqui estou, e os filhos que Deus me deu." Com este texto, os unicistas querem achar que Deus deu a Jesus filhos para Jesus ser Pai para eles. Mas o problema é que o texto não diz isso. Qual a interpretação correta do texto? A frase aqui estou, e os filhos que Deus me deu é uma citação de Isaías 8:17, 18. Ali Isaías diz: Aqui me encontro com os filhos que o SENHOR me deu. Será que Deus deu filhos a Isaías para Isaías ser o pai deles? Não! Esses filhos eram o remanescente fiel de Israel, irmãos na fé de Isaías. Além de irmãos, poderiam ser chamados filhos de Deus dados a Isaías para serem discípulos de Isaías. Por isso que no versículo 16 Isaías diz: Guarda o testemunho, sela a lei entre os meus discípulos. Assim, os filhos que Deus dera a Isaías eram seus discípulos. 

Quando este texto se cumpre em Jesus, Deus, o Pai, dá filhos a Jesus, na acepção de esses filhos de Deus serem discípulos de Jesus, exatamente como no texto de Isaías. Isto é tão correto que até o idoso Apóstolo João chama seus discípulos de filhinhos. (1 João 5:21) Até mesmo Paulo fala a seus leitores como sendo filhos dele e afirma ter se tornado pai deles em Cristo. (1 Coríntios 4:14) Aqui na terra, esses discípulos não encaram Jesus como o Pai, mas como o Filho de Deus. Nenhum discípulo de Jesus o chamou de Pai, meu Pai, nosso Pai. NENHUM! Jesus elogiou Pedro por chamar Jesus de Filho de Deus, afirmando que esta declaração fora uma relação do Pai para Pedro. (Mateus 16:16, 17) Se Jesus fosse o Pai, por que o Pai jamais revelou essa verdade a Pedro ou a outros discípulos? Nem Satanás imaginava Jesus ser o Pai, mas questionava em Jesus ser o Filho de Deus. (Mateus 4:3, 6) Ademais, em Hebreus 2:11, que é contexto de Hebreus 2:13, a Bíblia diz que Jesus não se envergonha de chamar os salvos de IRMÃOS, não de filhos!

O outro texto que os unicistas tentam usar para provar que Jesus é o Pai está em João 1:12, 13. Lemos ali: Mas a todos que o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes a prerrogativa de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram de linhagem humana, nem do desejo da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. Mas a pergunta é: Onde este texto afirma que Jesus é o Pai dos filhos de Deus? Em lugar nenhum! A Bíblia diz que somos filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo. - Gálatas 3:26.

2. Cristo é o Pai da eternidade. (Isaías 9:6)  Lemos em Isaías 9:6: Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi concedido. O governo está sobre os seus ombros, e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz. A reivindicação unicista apoia-se no fato deste texto chamar Jesus de filho e de Pai Eterno (ou Pai da Eternidade). No entanto, o texto não disse que Jesus é o Pai Eterno. Jesus ser chamado de Pai Eterno ou Pai da Eternidade apenas é uma forma de se ensinar que Ele é Deus de eternidade à eternidade (Salmos 90:2) e dador da vida eterna. Diz a Bíblia: Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. (1 João 5:12) Assim, se Isaías tivesse dito que Jesus seria chamado Pai Eterno por ser o Pai, veríamos no Novo Testamento tanto Jesus se identificar como o Pai, como os discípulos identificá-lo assim. Mas não vemos sequer um só caso! E que não me venham citar Jesus afirmando quem vê a mim vê o Pai, pois se este texto tivesse sido usado por Jesus para provar que Jesus é o Pai, até Filipe passaria a chamar Jesus de o Pai, mas nem Filipe, nem sequer um discípulo de Jesus o faz. 

3. Cristo é o Pai da Igreja. (Isaías 53:10) Lemos em Isaías 53:10: Contudo, foi da vontade do SENHOR esmagá-lo e fazê-lo sofrer; apesar de ter sido dado como oferta pelo pecado, ele verá a sua posteridade, prolongará os seus dias, e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. Mas onde os unicistas vão tentar provar que Jesus é o Pai da Igreja neste versículo? Na expressão sobre o Messias: ele verá a sua posteridade, ou seja, os seus filhos, então raciocinam: Jesus é o Pai deles, ou seja, da igreja. Mas será que a Bíblia ensina que Jesus é o Pai da Igreja? Ou que a Igreja é filha de Jesus? A resposta é um sonoro NÃO! A Bíblia diz que a Igreja é a noiva e esposa de Cristo, não filha de Cristo (Apocalipse 19:7; 21:9; 22:17), e que Jesus Cristo é o seu noivo. (Apocalipse 21:2) Diz também que nós, a Igreja, somos corpo de Cristo. (1 Coríntios 12:27) Portanto, a posteridade de que fala Isaías 53:10 é a Igreja de Cristo, mas não na acepção de ser filha de Cristo, mas noiva e esposa de Cristo. Que feio interpretar mal a Bíblia e enganar os outros, não é mesmo?

4. Cristo é o Pai dos vencedores. (Apocalipse 21:7) Lemos em Apocalipse 21:7: Aquele que vencer herdará essas coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Novamente, os unicistas tentar enfiar no texto o que ele não diz. Aqui não se afirma que os vencedores serão filhos de Jesus Cristo, mas filhos de Deus. Pois a voz diz: E eu serei seu Deus. Portanto, é Deus, o Pai, quem fala aqui, não a pessoa de Cristo. Podemos comprovar isso pois é YHWH quem diz que Israel seria filho e que Ele seria seu Pai. (2 Samuel 7:14) É Deus, o Pai, falando aqui, não Deus-Filho! É a velha confusão unicista, que poderia ser resolvida se entendessem: Jesus é Deus (João 20:28), mas Deus não é apenas Jesus (João 1:1).

Em todo o Apocalipse, é Deus quem dá a revelação a Jesus. (Apocalipse 1:1) É óbvio que se trata do Pai dar a Jesus a missão de, através do Espírito Santo de Deus, revelar o Apocalipse a João. Portanto, quando Apocalipse menciona a palavra Deus, está se referindo ao Pai. Tanto que o próprio Jesus, como Pessoa distinta (mas não separada) e submissa ao Pai, refere-se a ele como meu Deus. (Apocalipse 3:2; 12) Portanto, da mesma forma, é Deus, o Pai (e não Deus, o Filho) quem afirma que o vencedor será chamado meu filho. Além do que, a Bíblia nunca usa a expressão filhos de Jesus, mas filhos de Deus. Até Jesus é chamado Filho de Deus em relação ao Pai!

5. Cristo é o Pai da criação. (João 1:3) Lemos em João 1:3: Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito existiria. A pergunta é: Será que a Bíblia aqui está se referindo a Jesus como o Pai da criação? A resposta é NÃO! Como esses unicistas são ignorantes em grego, não tiveram a oportunidade de aprender que na expressão todas as coisas foram feitas por intermédio dele, este por intermédio é diá (em grego), e estando no genitivo é passivo, ou seja, Jesus foi usado por alguém para criar. Quem? O Pai, evidentemente. Tanto que João 1:1 diz que Jesus Deus e estava com Deus (O Pai e o Espírito Santo). Além da questão gramatical que fulmina a argumentação unicista e a reduz em escombros, temos a própria Bíblia, que não chama Jesus de Pai da Criação, mas de primogênito de toda a criação. (Colossenses 1:15) Percebeu como é pueril a argumentação unicista, além de mentirosa e enganadora? Como o Pai pode ser chamado de primogênito? Aqui, primogênito tem o sentido de herdeiro. O Pai cria através do Filho (pois até o Filho afirma que estava com o Pai antes de haver mundo - João 17:5), e considera o Filho como herdeiro da criação. Que Pai e Filho são Pessoas distintas do Único Deus vê-se que Deus diz façamos o homem a nossa imagem. (Gênesis 1:26) Alguns unicistas afirmam que Deus estava dizendo ao anjos esta frase, mas se assim fosse, seríamos imagem de Deus e de anjo, pois a expressão nossa imagem estaria se referindo a Deus e a anjos.

6. Cristo é o Pai de Israel, SEU POVO. (Mateus 1:21) Lemos em Mateus 1:21: Ela dará à luz um filho, a quem darás o nome de Jesus; porque ele salvará seu povo dos seus pecados. Custa-me acreditar que Jesus está sendo considerado Pai de Israel devido à expressão seu povo. Em outras palavras, os unicistas raciocinam que este seu povo inclui os Israelitas antes de Jesus nascer, logo, se YHWH é Pai de Israel e Israel é povo de YHWH, logo, Jesus, que é YHWH, é Pai de Israel. Todavia, embora nós trinitários creiamos que YHWH é o Pai, o Filho e Espírito Santo, pois estas Três Pessoas são identificadas com este santo nome, a Bíblia ensina que o Pai enviou o Filho para morrer pelo seu povo. Veja: E nós temos visto e testemunhado que o Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo. Todo aquele que confessa que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus. (1 João 4:14, 15) Perguntamos aos nossos amigos unicistas: Como o Pai pode enviar a si mesmo? E se o Filho é o Pai, por que não há sequer um versículo quenos admoeste a confessar Jesus como o Pai, mas há vários que nos ensinam a confessar Jesus como o Filho de Deus? Portanto, como Jesus é Deus, mas distinto do Pai, é correto ensinar que Jesus veio salvar seu povo. Isto nada prova contra a doutrina da Trindade, e muito menos prova que Jesus seja o Pai.

7. Cristo é o Pai das luzes. (Tiago 1:17; João 9:5) Lemos em Tiago 1:17: Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto e descem do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação." E em João 9:5 lemos: Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. A pergunta é: Onde este textos afirmam que Jesus é o Pai das luzes? A interpretação unicista é a famosa teologia do trocadilho. Se num texto Jesus diz que ele é a luz do mundo e no outro fala do Pai das luzes, na meia ideia deles isto significa que Jesus é o Pai das luzes. Então, por sermos a luz do mundo também somos o Pai das luzes, pois Jesus disse vós sois a luz do mundo. (Mateus 5:14) Mas isto não faria o menor sentido. A questão é: Deus é o Pai das Luzes no sentido de ser o criador delas, a fonte delas. O texto não disse que Jesus, o Pai, é o Pai das luzes. Percebeu a diferença? O diabo é o pai da mentira, pois é o criador dela. (João 8:44) Pai, aqui, não significa o Pai, título da Primeira Pessoa da Trindade, mas apenas criador. Neste sentido, o Pai, o Filho, o Espírito Santo são o Pai das luzes, pois as três Pessoas Divinas participaram na criação de tudo!

8. Cristo é o Pai dos Espíritos. (Hebreus 12:9; João 1:3) Lemos em Hebreus 12:9: Além disso, tínhamos nossos pais humanos para nos disciplinar, e nós os respeitávamos. Logo, não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, e assim viveremos? E em João 1:3 lemos: Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito existiria. Com a menção desses dois textos, os unicistas pretender argumentar da seguinte forma: Se Jesus criou todas as coisas, criou os espíritos, logo ele é o Pai dos espíritos, então ele é o Pai. Mas isto é bizarro! O texto de Hebreus está mencionando que assim como os filhos respeitam os pais, assim também nós devemos respeitar o Pai dos espíritos. O texto não diz que Jesus é o Pai dos espíritos porque criou os espíritos. O escritor de Hebreus 12:9 simplesmente quis ensinar que Deus leva um relacionamento de Pai-Filho com seus espíritos.

Mas se Deus é o criador dos espíritos, e se Jesus criou os espíritos, não podemos dizer que é Jesus o Pai dos espíritos? A questão é: Jesus é Deus, mas Deus não é apenas Jesus. A Bíblia diz que o Pai é Deus (1 Coríntios 8:5), o Filho é Deus (João 20:28); o Espírito Santo é Deus (Atos 5:3, 4), e Deus é um só. (João 17:3) Não seria lógico afirmarmos que se trata, aqui, de uma única Pessoa se manifestando primeiro como Pai, depois como Filho, depois como Espírito Santo? NÃO! A Bíblia contém 179 versículos em que o Pai conversa com o Filho, o Filho com o Pai, o Pai fala do Espírito Santo, o Filho fala do Espírito Santo, e o Espírito Santo fala do Pai. E há textos que mostram as Três Pessoas juntas. Sendo assim, a Bíblia faz questão de ensinar que há unicidade da Divindade, mas PLURALIDADE DE PESSOAS NA DIVINDADE. Portanto, Jesus é Deus, mas Deus não é apenas Jesus. Quem é, então, o Pai das luzes? Deus! Deus é a fonte de toda a luz. Deus é o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Sendo assim, se interpretarmos Pai das luzes como Criador das Luzes, Deus (Pai, Filho e Espírito Santo) é o Pai das luzes. E se usarmos João 1:3 para corroborar isso, melhor ainda, pois como já explicado acima, em grego a expressão por intermédio de é diá, e indica que Jesus é passivo na criação, ou seja, o Pai usou Jesus para criar tudo. O Deus que criou tudo sozinho é um Deus triúno, ímpar e incomparável, pois só Ele é Deus, só Ele é triúno. 

Deixamos para o final responder as argumentações adjacentes aos oito pontos. 

Heresia 1 - Jesus é o Pai por ser a ressurreição. ERRADO! Jesus nunca disse isso. Na verdade, quando Jesus disse Eu sou a ressurreição (João 11:25), quem ouviu isso de Jesus não entendeu que ele era o Pai, mas o Filho. Vamos ler o texto e o contexto, para não sermos enganados pelos unicistas? Veja: Jesus declarou: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, mesmo que morra, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá. Crês nisso? Respondeu-lhe Marta: Sim, Senhor, eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo. (João 11:25-27) Viu como a Bíblia é a verdade, e o unicismo uma mentira diabólica?

Heresia 2 - Jesus é o Pai porque ele responde as orações. ERRADO! Jesus nunca disse isso! Jesus disse: E eu farei tudo o que pedirdes em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. (João 14:13) Quando pedimos algo ao Pai, em nome de Jesus, é evidente que o Pai faz através do Filho. Aqui o texto fala de duas pessoas! Jesus afirma: Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei. (João 14:14) Assim, podemos até mesmo pedir a ele, em seu nome, que ele faz, se bem que alguns manuscritos gregos mais antigos omitem o pronome ME, ficando o texto Se pedirdes em meu nome. Mesmo assim, qualquer pedido a Jesus, no nome dele, deve ser dirigido ao Pai, pois Jesus ensinou em sua oração modelo, o Pai-Nosso, a orar ao Pai. (Mateus 6:9) Se Jesus ensina a orar ao Pai, para pedirmos algo a Jesus, em nome de Jesus, não podemos imaginar que Jesus seja o Pai. Na verdade, Jesus não é o Pai porque responde as orações, mas é DEUS porque responde todas as orações.

Heresia 3 - Jesus é o Pai porque tem o poder de atrair pessoas a ele. ERRADO! Jesus nunca disse isso! Jesus disse: E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim. (João 12:32) E a Bíblia jamais ensina que apenas o Pai pode atrair pessoas. Sejamos sinceros: Quando a Bíblia diz que Jesus atrairia pessoas a ele, é para dizer que ele é o Pai ou para dizer que ele é Deus? É óbvio que o texto nos faz lembrar da divindade de Jesus, não de sua paternidade. A heresia 3 é pura lorota de unicista!

Heresia 4 - Jesus é o Pai porque ele é o Alfa e o Õmega, e aquele que há de vir. ERRADO! Jesus é o Alfa e o Ômega, e o que há de vir, não por ser o Pai, mas por ser o Deus Verdadeiro. São expressões que reforçam, não a paternidade, mas a divindade de Jesus. Por isso que lemos que de eternidade à eternidade (equivalente de eu sou o alfa e o ômega) és Deus (Salmos 90:2), e não és o Pai.

Heresia 5 - Se negarmos a paternidade em Jesus, estaremos negando que ele é Deus, pois há um só Pai, Deus. ERRADO! Mostrem-me, ó unicistas, um discípulo de Jesus que o tenha chamado de Pai, confessando a paternidade em ou de Jesus! Vamos, coragem! Mas Jesus elogiou quem reconheceu Jesus como o Filho de Deus: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo! (Mateus 16:16, 17) Quando Tomé chamou Jesus de meu Senhor e meu Deus (João 20:28), João escreve este acontecimento e outros foram escritos em seu livro para que possais crer que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. Portanto, Tomé confessar Jesus como seu Deus e Senhor não destinava provar que Jesus era o Pai, mas o Filho de Deus. Sendo assim, quem nega que Jesus é o Pai é crente, salvo em Cristo Jesus, não hereges. - Fernando Galli.

DESAFIO AO FALSO PROFETA ROMILSON FERREIRA

Estou desafiando este falso profeta a sofrer, ou eu ou ele, as consequências de se agir como falso profeta. Ele previu datas para arreba...