TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - O QUE SIMBOLIZAM OS DOIS BASTÕES QUE SE TORNAM UM?

Em Ezequiel 37:15-17, lemos sobre dois bastões se tornarem um. Leia o texto, analise a correta interpretação dessa passagem e segure o fôlego, porque no mínimo achará cômica a interpretação incompetente que o Corpo Governante das TJs dão para o cumprimento moderno deste texto.
"E a palavra do SENHOR veio a mim: Ó filho do homem, pega um pedaço de madeira e escreve nele: Para Judá e para os israelitas, seus companheiros. Depois pega outro pedaço de madeira e escreve nele: Para José, madeira de Efraim, e para toda a casa de Israel, seus companheiros. E junta um ao outro, para que se unam e formem um só pedaço na tua mão."
Qual a interpretação correta do texto? Um de nossos comentários bíblicos responde:
"Quase três séculos antes, desde o final do reinado de Salomão, o povo de Israel fora dividido em dois reinos, Israel e Judá. Serão não somente restaurados, como prometido no oráculo anterior, mas também formarão novamente uma única nação." - Comentário Bíblico Vida Nova, página 1116.
Unir as duas varas ou bastões num só não significa nada mais do que isto: Uma profecia de restauração em que as tribos setentrionais e do sul se uniriam numa única nação. Todos os israelitas dispersados entre as nações retornariam sob um único pastor, Davi, um meio de se prever que se Israel obedecesse a Deus, nunca mais seriam duas nações. Como Israel cedeu anos à frente à idolatria e se desviou dos propósitos de Deus, negando até mesmo o Rei dos reis, Jesus Cristo, o Davi Maior, por assim dizer, Israel foi rejeitado por Deus e caiu nas mãos de nações pagãs. 

Qual é a interpretação do Corpo Governante? Para os dias de restauração de Israel, a seita TJ segue a mesma linha de interpretação nossa. Mas a piada surge quando o Corpo Governante tenta estabelecer um paralelo profético entre as duas varas para nossos dias. O Corpo Governante interpreta que a vara para Judá representava os ungidos, desde 1919, e a vara de Efraim as outras ovelhas da Grande Multidão (João 10:16; Apocalipse 7:9-13), que eles propositalmente não põem data, pois segundo a seita começaram a ser ajuntadas em 1935 - algo que a Bíblia jamais menciona. (A Sentinela 1o. de julho de 2016, Pergunta dos Leitores.) Assim, querem dizer que os atuais do restante ungido, que esperam viver nos céus (há uns 15 mil deles ainda vivos) e os da Grande Multidão (quase 8 milhões de TJs) que esperam viver na terra para sempre se tornaram um só rebanho, um só pastor. 

Esta interpretação é um disparate. Significa brincar com a Bíblia. Nem precisaríamos nos aprofundar muito para mostrar quão ilógica ela é, mas a título de fazer os TJs raciocinarem, faremos umas perguntas:
  1. Quando foi que os ungidos e a grande multidão se dividiram, ou viveram separados, quer politicamente, quer religiosamente, de modo que fosse preciso Jeová uni-los novamente?
  2. Ezequiel 37:25 diz que esse povo unificado viveria para sempre na terra. Mas como se parte dele irá para o céu e a outra parte viverá na terra? 
  3. Os TJs ensinam que os 144 mil reinarão lá dos céus sobre a Grande Multidão. Qual parte da profecia de Ezequiel prevê esse acontecimento, de uma parte da nação reinar sobre outra, se esta profecia mostra que o povo unificado de Jeová teria um só Rei, o Davi Maior, Jesus Cristo?
Compreende que essa seita não merece o menor crédito na interpretação das Escrituras? Então, se você é TJ, por favor, abandone o mais rápido possível essa VELHARADA de maus intérpretes da Bíblia e converta-se a Cristo. Vá brincar com a Bíblia assim bem longe de nós! - Fernando Galli.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESBOÇOS DA FÉ - QUE TIPO DE UVAS VOCÊ PRODUZ? - ISAÍAS 5:1-7

VÓ ROSA - APOSTILA PARA ESTUDAR AS CRENÇAS DA SEITA

A IMPORTÂNCIA DE SUPORTARMOS UNS AOS OUTROS