terça-feira, 19 de janeiro de 2016

ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA E A CHUVA DE METEÓROS EM 1833

Nós, estudiosos em Igreja Adventista do Sétimo Dia, bem como em outros grupos heterodoxos, sabemos muito bem que Miller, o precursor do movimento adventista, havia previsto a volta de Cristo para 1843 e depois, alegando erro de cálculo, para 22 de outubro de 1844. Sabemos também que Jesus não veio, pois ele já havia dito: "Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai." (Mateus 24:36) Miller foi um batista falso-profeta, o qual parece ter se arrependendido por fim de suas heresias. Todavia, as consequências delas foram trágicas: Uma jovem chamada Ellen G. White, que afirmava ter um anjo assistente, ter feito viagens interplanetárias, encontro com Enoque num outro planeta, e considerada como CO-FUNDADORA da Igreja Adventista do Sétimo Dia, continuou apregoando ensinos estranhos à fé. Como?

Visto que Miller se arrebentara contra suas falsas profecias não cumpridas, Ellen G. White afirmou ter recebido uma revelação que Miller havia acertado a data mas errado o acontecimento. Ou seja, Deus teria não só revelado [ou iluminado] pela metade a verdade para Miller (a data), como também permitido que junto a essa verdade pela metade uma mentira completa fosse esperada (o acontecimento).

O que Ellen G. White estava propondo era que aos 22 de outubro de 1844 teria iniciado o que os Adventistas do Sétimo Dia ensinam como "a segunda etapa de seu ministério expiatório", ou seja, "o juízo investigativo", época em que Jesus inicia a purificação  do santuário celestial e do povo dele. Nem preciso afirmar que isso é uma heresia, pois Cristo fez tudo isso na cruz!

Mas o que tudo isso tem a ver com a chuva de meteóros? Ellen G. White, tentando justificar a "mancada" de Miller, arrumou um jeitinho de interpretar Mateus 24:29 e Apocalipse 6:13 como se cumprindo numa famigerada chuva de meteoros ocorrida em 13 de novembro de 1833, como prova de que se aproximava a próxima volta de Cristo em 1844, para iniciar o juízo investigativo. Observe:
Extraído de CD-ROM "Obras de Ellen G. White"
Em 1833, dois anos depois que Miller começou a apresentar em público as provas da próxima vinda de Cristo, apareceu o último dos sinais que foram prometidos pelo Salvador como indícios de Seu segundo advento. Disse Jesus: "As estrelas cairão do céu." Mat. 24:29. E João, no Apocalipse, declarou, ao contemplar em visão as cenas que deveriam anunciar o dia de Deus: "E as estrelas do céu caíram sobre a Terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte." Apoc. 6:13. Esta profecia teve cumprimento surpreendente e impressionante na grande chuva meteórica de 13 de novembro de 1833. Aquela foi a mais extensa e maravilhosa exibição de estrelas cadentes que já se tem registrado, "achando-se então o firmamento inteiro, sobre todos os Estados Unidos, durante horas, em faiscante comoção! Neste país, desde que começou a ser colonizado, nenhum fenômeno celeste já ocorreu que fosse visto com tão intensa admiração por uns ou com tanto terror e alarma por outros". "Sua sublimidade e terrível beleza ainda perdura em muitos espíritos. ... Raras vezes caiu chuva mais densa do que caíram os meteoros em direção à Terra; Leste, Oeste, Norte e Sul, tudo era o mesmo. Em uma palavra, o céu inteiro parecia em movimento. ... O espetáculo, como o descreveu o diário do Prof. Silliman, foi visto por toda a América do Norte. ... Desde as duas horas até pleno dia, estando o céu perfeitamente sereno e sem nuvens, um contínuo jogo de luzes deslumbrantemente fulgurantes se manteve em todo o firmamento." - Progresso Americano, ou Os Grandes Acontecimentos do Maior dos Séculos, R. M. Devens. - WHITEE. G. O Grande Conflito, página 333; CD-ROM: As Obras de Ellen G. White.
Lemos em Mateus 24:29, sobre os sinais da volta de Cristo: "Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados." A primeiro pergunta é:

A realmente grande chuva de meteoros de 13 de novembro de 1833, que não caíram do firmamento, mas apenas riscaram os céus americanos, se seguiram a qual tribulação? Nenhuma, naquela época.!Nem guerra mundial havia ocorrido!

Próximas perguntas:

O sol escureceu onde? Desde quando a luz não deu mais sua claridade? E quando os poderes dos céus foram abalados? Ou será que se cumpriu em 1833 apenas a frase "e as estrelas dos céus cairão do firmamento"? Se conforme Ellen G. White disse, apareceu o último dos sinais prometido pelo Senhor, quando se cumpriram os outros?

Lemos, também, em Apocalipse 6:13, 14:
"As estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte, deixa cair os seus figos verdes, e o céu recolheu-se como um pergaminho quando se enrola. Então, todos os montes e ilhas foram movidos do seu lugar."
Perceba que a profecia aqui é composta de três partes, ligados pelos conectivos "e" e "então". A primeira seria "as estrelas caírem pela terra", a segunda os céus se recolhem como pergaminho e a terceira os montes e ilhas serem removidos. Com isso em mente, questionamos: As estralas (meteoros) caíram por terra? Ou uma pequena minoria apenas, se é que conseguiu cair? Se o "cair de estrelas" foi o "último sinal" da segunda vinda, quando foi que o restante da profecia se cumpriu, como os montes e as ilhas terem sido removidos do seu lugar?

A dita chuva de meteoros de 13 de novembro de 1833 ocorre a cada 33 anos. Nada de mais! A interpretação equivocada de Ellen G. White nada mais foi do que uma tentativa de mascarar a "profetada" de Miller. O mesmo fizeram as Testemunhas de Jeová após terem engolido a falsa profecia de Russell sobre a volta de Cristo em 1914: Russell acertou a data mas errou o acontecimento. Que pena observar um povo tão bondoso e dedicado não conseguir se livrar das garras de escritos apregoados como 'tão inspirados quanto a Bíblia', embora com luz menor. - Fernando Galli.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

TEOLOGIA - DECLARAÇÃO DE FÉ SOBRE A AUTORIDADE DAS ESCRITURAS.


Creio que a Bíblia é inspirada por Deus em seus escritos originais (autógrafos), e que apesar de não termos mais tais escritos, mas apenas cópias, a comparação cuidadosa de manuscritos antigos, aos milhares, permite-nos restabelecermos o texto sagrado substancialmente na forma como foi escrito, e que possíveis discrepâncias entre manuscritos e traduções bíblicas atuais não anulam a inspiração completa dos escritos originais. Cabe ao estudioso buscar a melhor tradução de acordo com as melhores evidências.


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA - DEUS ABOLIU OU NÃO AS LEIS DIETÉTICAS?

Que delícia!
Os adeptos da seita IASD entendem que ao dar uma visão a Pedro de um grande lençol com animais impuros e ordená-lo a matar esses animais e comê-los, Deus não estava abolindo as leis dietéticas dada a Moisés. (Atos 10:9-16) Qual a interpretação que dão para a passagem? Está ela correta?

sábado, 9 de janeiro de 2016

ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA - GUARDAR O SÁBADO IMPORTA EM SALVAÇÃO?


Deus, o Autor da Bíblia, foi-nos bem didático ao ensinar que somos salvos pela graça dEle, por meio da fé, e não pelas obras. (Efésios 2:8, 9) Aqueles que têm fé genuína e aceitam a Jesus como seu único e suficiente Salvador conseqüentemente fazem a vontade de Deus. Então, a pergunta é: Guardar o sábado significa fazer a vontade de Deus? Ajuda-nos de alguma forma a sermos salvos?

A profetisa dos adventistas, Ellen G. White, afirma o seguinte numa de suas milhares de páginas escritas:
“Santificar o Sábado ao Senhor importa em salvação eterna”. - Testemunhos Seletos, vol. III pág.22, EGW ed.1956). 

“Foi-me mostrada então uma multidão que ululava em agonia. Em suas vestes estava escrito em grandes letras: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Perguntei (ao anjo) quem era aquela multidão. O Anjo disse: Estes são os que já guardaram o sábado e o abandonaram” - Ellen G White, Primeiros Escritos, Editora Casa Publicadora, Tatuí – SP; 1995, página 37.

“Que é, pois, a mudança do Sábado, senão o sinal da autoridade da igreja de Roma - “a marca da besta”; “O selo da lei de Deus se encontra no quarto mandamento... Os discípulos de Jesus são chamados a restabelecê-lo, exaltando o Sábado...”. - O Grande Conflito, Ed. Condensada, 1992, pág. 267 e 269)”.
Resposta apologética – Quando os nossos queridos irmãos adventistas nos abordam, sempre preocupados com a nossa salvação, ouvimos de seus lábios que só Jesus salva, que nós somos seus irmãos, todavia, por pura criancice espiritual creem em estudos estranhos de EGW. Por favor, irmãos adventistas, deixem de crer assim!

Os adventistas creem que somos seus irmãos porque o sinal da besta, que será a imposição da guarda do domingo por Roma, ainda não separou os verdadeiros cristãos dos falsos. Quando essa imposição for dada, a verdadeira igreja remanescente, os adventistas do sétimo dia, receberão o selo de Deus, ou seja, a guarda do sábado. Isso servirá de sinal identificador dos verdadeiros cristãos. Mas em lugar algum a Bíblia ensina que o selo de Deus será o sábado, mesmo porque os que aceitam a Jesus são selados com o Espírito Santo.
Efésios 1:13 - "Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa."

Efésios 4:30 - "E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção."
Mesmo que afirmem não ser um selo salvífico, o sábado acabará sendo um marco divisor entre verdadeiros e falsos cristãos. Então, eu mesmo, serei destruído. Lamentável! Até aqueles que, como eu entendem que devemos guardar o domingo como dia sabático, sem farisaísmo (é claro), não herdarão o reino dos céus, para a IASD.

Quanto às declarações de Ellen G. White acima, por favor irmãos adventistas, não creiam em EGW, neste ponto de vista dela. A Bíblia não ensina que guardar o sábado (obra) resulta ou importa em salvação. Em tantas obras adventistas lemos que só Jesus salva, então, por que nossos irmãos adventistas derrapam dessa forma? Reflitam nisso, amados! - Fernando Galli.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

REFUTAÇÃO AO SITE A "VERDADE" É LÓGICA, DOS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - PARTE 1


VEJA TAMBÉM A PARTE 2

Atendendo a muitos pedidos, de segunda a sexta, iremos publicar nesta página, que ficará constantemente em evidência, refutações aos apologistas anônimos da religião dos Testemunhas de Jeová. Eles intitularam seu site de A Verdade é Lógica. Parece piada que essa turma reivindique a verdade quando a organização religiosa deles já mudou 341 vezes de ensinos. E para refutá-los convidamos nosso mascote, o Apolinho, que sempre tem nos ajudado com suas preciosas respostas bíblicas. E se os integrantes do site TJ A Verdade é Lógica desejarem que publiquemos suas respostas, réplicas e tréplicas aqui, teremos o maior prazer de fazê-lo. Será que serão homens para fazer isso, ou continuarão fugindo? E caso deem respostas em outros locais, consideraremos como resposta dada a nós neste site. Com vocês: Apolinho x A Verdade é Lógica.

POLÊMICOS

ADVENTISTA

IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA – PARTE DE SEUS PIONEIROS NÃO CRIAM NA TRINDADE! Todos sabemos que a Igreja Adventista do Sétimo Dia se con...