sábado, 30 de maio de 2009

CIÊNCIA CRISTÃ - VENCENDO SEUS ATAQUES À BÍBLIA COM O VERDADEIRO EVANGELHO


Mary Baker
Jesus Cristo disse certa vez: "A tua palavra é a verdade." (João 17:17) Infelizmente, muitos rejeitam esta crença fundamental do Cristianismo puro e verdadeiro. Mas há grupos religiosos que além de negarem a Bíblia como Palavra de Deus, usam livros dito inspirados ou revelados dados a seus fundadores. Observamos isso numa organização religiosa fundada em 1879 pela senhora Mary Baker.

Ataque à Bíblia
Embora ela afirme alicerçar seus ensinos na Palavra de Deus, Mary Baker , em seu livro Ciência e Saúde, faz os seguintes comentários:
Heresia da seita Ciência Cristã - “Deus, por Sua mercê, vinha me preparando durante muitos anos para a recepção desta revelação final do Princípio Divino absoluto da cura mental científica.” - Ciência e Saúde Com a Chave das Escrituras, página 107.
.
Heresia da seita Ciência Cristã - “As decisões por voto de comissões eclesiásticas sobre o que deve ou não deve ser considerado Escritura Sagrada; os erros evidentes das antigas versões; as trinta mil variantes do Antigo Testamento e as trezentas mil do Novo - esses fatos mostram como um sentido mortal e material se insinuou no relato divino, obscurecendo até certo ponto, com seu próprio matiz, as páginas inspiradas. - Ciência e Saúde Com a Chave das Escrituras, página 139.
Refutação apologética evangelística - Para os cristãos que defendem a inerrância da Palavra de Deus, os comentários acima são uma afronta. Mary Baker Glover Patterson Eddy (Mary casou-se três vezes, por isso tantos sobrenomes) publicou em 1875 a “bíblia” da Ciência Cristã, chamada Ciência e Saúde Com A Chave das Escrituras. Após tratar sua depressão com o Sr. Phineas Parkhurst Quimby, herdou dele muitas de suas crenças. Organizou a Ciência Cristã em 1879. Como quase todo líder de movimento contrário às Escrituras Sagradas, a Sra. Mary Baker (foto ao lado) afirma que Deus a preparou para a revelação do seu livro. Nessa mesma obra, com cerca de 690 páginas, ela afirma em terceira pessoa no prefácio:
"Quando Deus chamou a autora para proclamar Seu Evangelho a esta época, incumbiu-a também de plantar e regar Seu vinhedo.” - Ciência e Saúde Com a Chave das Escrituras, página 11, Prefácio.
Então, segundo ela, trata-se de um evangelho dado por Deus para essa época. Será isso mesmo verdade?
A Bíblia nos adverte sobre o perigo de qualquer evangelho que vá além das boas novas ensinadas. (Gálatas 1:8) O evangelho de Mary Baker, embora afirme basear-se nas Escrituras, está muito além de ser de origem divina. Ela põe em questão a veracidade do Antigo Testamento, afirmando haver “trinta mil variantes” ali. Mas será que essas variantes são modificações aberrantes do texto inspirado, ou apenas palavras que não alteram o significado do texto sagrado? E será que destas trinta mil variantes não conseguimos extrair um texto que mais se aproxima do original? 

A segunda carta de Paulo a Timóteo nega totalmente a possibilidade dessas variantes terem contaminado o significado original do Antigo Testamento: “Toda Escritura é inspirada por Deus”. (2 Timóteo 3:16) Paulo tinha em mente as Escrituras Hebraicas, o Velho Testamento. Seria possível Deus permitir trinta mil variantes nos primeiros 39 livros bíblicos, ou seja, em três quartos de sua Palavra, maculassem de erros o Livro pelo qual Deus se revelou a seu povo? Não, pelo contrário, as variantes textuais nos ajudam a reconstruir o texto sagrado e nos dá alternativas para resolver conflitos textuais. 
Mary Baker vai além com suas investidas contra a Bíblia: O Novo Testamento teria, segundo ela, trezentas mil variações! Uma pergunta fazemos sobre o Novo Testamento: Será que a comparação dessas variantes não nos ajudariam a chegar no texto mais próximo do original? Tais declarações servem apenas de pressuposto para a confiabilidade em um outro evangelho, ou seja, o dela, o qual contradiz a Palavra de Deus, negando em suas páginas a divindade de Jesus, que "Cristo" era uma ideia impessoal que habitou a mente de Jesus, entre outras afirmações descabidas. 

Assim, a Ciência Cristã não representa o Cristianismo, pois nega a Bíblia e muitos de seus ensinos. Sua fundadora Mary Baker afirmou que alimento era uma ilusão, mas nunca deixou de comê-lo. Disse que o mundo material também era uma ilusão, mas nunca deixou de se proteger do frio e de respirar, até ter dado seu último suspiro aos 2 de dezembro de 1910, com 89 anos. Tampouco deixou de se vestir e de construir templos para seus adeptos. Afirmou que as doenças eram uma ilusão, mas usava óculos para enxergar melhor, e chegou até mesmo a ficar com gripe diversas vezes. E por incrível que pareça, afirmou que a morte não existia, mas que alguns tipos de pessoas deveriam ser executadas. Então, a que conclusão chegamos? Que os ensinos de Mary Baker afastam seus seguidores do verdadeiro evangelho. Como, então, ajudá-los?

Conceito cristão sobre os seguidores de Mary Baker

Precisamos amar a todos. Esse grupo de pessoas enganadas está nas trevas espirituais como nós estivemos. Quando abordarmos um deles, por mais absurdas que pareçam suas crenças, devemos ouvir com respeito. Mas precisaremos estudar muito sobre como provar que os ataques à Bíblia não possuem consistência teológica e ao mesmo tempo são inverdades históricas mal contadas. Estudar apologética cristã, com uma boa teologia é uma boa forma de crescer em conhecimento e adquirir bagagem para raciocinar com essas pessoas, pois sem essa bagagem, tudo ficará na discussão, no puro polemismo, entre ideias completamente opostas.
Assim, perguntamos: Criticar a pessoa de Mary Baker, com seus problemas neurológicos, suas infelicidades nos casamentos, seria a melhor forma de evangelizar um adepto da Ciência Cristã? Ou quem sabe afirmar que o livro dela faz para a saúde cristã? Longe disso! Embora saibamos que seus ensinos sejam endossados pelo Diabo, procuremos meios de nos aproximar de seus seguidores. Uma boa maneira seria estudar os ensinos da seita e procurar uma base para acordo mútuo, e seguirmos esse caminho nos importando com o ouvinte. Por exemplo, entre as definições observadas em sites dessa seita sobre o que é a Ciência Cristã, encontramos frases do tipo:
"É tanto um ensino religioso como um sistema de cura fundado sobre as verdades universais da Bíblia – um Deus infinito que é todo-poderoso e todo bom, e o terno e compassivo amor do Cristo, que cura e restaura a mente e o corpo, trazendo saúde e inteireza."- www.cienciacrista.com.br
Que tal usarmos as palavras-chaves desse texto acima e adaptarmos essas palavras como forma de nos aproximar deles? Por exemplo, poderíamos lhes dizer: "
"Percebi que vocês creem num Deus infinito, bom, compassivo e todo-poderoso, e num Cristo que cura e restaura a saúde e a mente. É sobre esse Cristo que lhes gostaria de falar. Sabe como ele tem me curado?"
"Gostaria de lhe mostrar na Bíblia como existem verdades universais inegáveis. Por exemplo, Deus é amor. (1 João 4:8) Sabia que Jesus ensinou também que o amor identifica o verdadeiro cristão? (João 13:34, 35) Assim, gostaria de te contar resumidamente como o amor de Deus mudou a minha vida."
Evidentemente, essas sugestões são apenas um começo. Uns se aproximarão, outros questionarão, e isso lhe será um grande aprendizado. Não fuja, não desista, mas encare os desafios como oportunidade de pesquisar e crescer no conhecimento de Deus.

A verdade sempre prevalece

Deus faz a verdade prevalecer através da ação do Espírito Santo. Ele convence o pecador do erro e, por que não dizer, da heresia. (João 16:8) Embora Deus não precise de nós para convencer ninguém, pois seu Espírito é Todo-Poderoso, somos privilegiados com a maravilhosa obra de evangelizar. E nessa obra, que é uma expressão da nossa fé, podemos e devemos fazer a nossa parte. 

Estudar os ensinos da seita, ouvir seus seguidores, criar estratégias de aproximação, compartilhar experiências com Deus, investigar suas maiores heresias e em que se baseiam, descobrir o que há de errado, usar a Bíblia e a história (ou a ciência) se preciso para raciocinar com eles à base das Escrituras. - Atos 17:2, 3.

Que o evangelho de Cristo Jesus, bem conhecido de nossos corações, possa nos ajudar a vencer as heresias no coração dos seguidores do evangelho de Mary Baker, para que a Verdade, Jesus Cristo, more para sempre em seus corações. - Fernando Galli.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

CATOLICISMO ROMANO - ARGUMENTOS E CONTRA-ARGUMENTOS SOBRE O PAPADO



A Igreja Católica Apostólica Romana, em seu mais novo Catecismo, reiterou seu conceito sobre o papado. O presente texto tem por finalidade questionar biblicamente se os títulos atribuídos aos Papas realmente lhe são corretamente atribuídos. Evidentemente, a pessoa do Papa não entra no mérito da questão, mas sim o enaltecimento a um personagem importante dentro de uma igreja histórica.
O que dizem sobre o papado
De acordo com o Catecismo da Igreja Católica, parece-nos faltar muito pouco para o Papa ser considerado como Deus, ou pelo menos um Deus, nas seguintes palavras:
O Papa, Bispo de Roma e sucessor de S. Pedro, ‘é o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade, quer dos Bispos, quer da multidão dos fiéis’. ‘Com efeito, o Pontífice Romano, em virtude de seu múnus de Vigário de Cristo e de Pastor de toda a Igreja, possui na Igreja poder pleno, supremo e universal. E ele pode exercer sempre livremente este seu poder.’” - Catecismo da Igreja Católica, página 252, Item 882, Edições Loyola, São Paulo, 1999, reimpressão de dezembro de 2004.
“‘Goza desta infabilidade o Pontífice Romano [i.e., o Papa], chefe do colégio dos Bispos, por força de seu cargo quando, na qualidade de pastor e doutor supremo de todos os fiéis e encarregado de confirmar seus irmãos na fé, proclama, por um ato definitivo, um ponto de doutrina que concerne á fé ou aos costumes. [...] Esta infabilidade tem a mesma extensão que o próprio depósito da Revelação divina.’” - Catecismo da Igreja Católica, página 254, Item 891, Edições Loyola, São Paulo, 1999, reimpressão de dezembro de 2004.
Então, com base nisso, foram criadas supostas provas de que Pedro foi o primeiro papa, e sobre elas far-se-á uma refutação apologética, a fim de que nossos queridos católicos sinceros à palavra de Deus não sejam mais enganados por esse vento de doutrina.
Falsa prova 01 - 'Mt 16,18 - "Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Inferno nunca prevalecerão contra ela". A pedra ("petra", em grego) aqui se refere ao próprio São Pedro e não à sua fé ou a Jesus Cristo. Cristo aparece aqui não como o fundamento, mas como o arquiteto que "edifica". A Igreja é edificada não sobre confissões, mas sobre confessores - homens vivos (v., p.ex., 1Pd 2,5). Hoje, o consenso comum da grande maioria dos pesquisadores e comentaristas bíblicos favorece esta dedução católica tradicional. Aqui diz-se que São Pedro é a pedra-fundamental da Igreja, tornando-o cabeça e chefe da família de Deus (isto é, a semente da doutrina do papado). Além disso, "pedra" expressa uma metáfora aplicada a ele por Cristo em um sentido análogo ao do Messias sofredor e desprezado (1Pd 2,4-8; cf. Mt 21,42). Sem um fundamento sólido qualquer casa desaba. São Pedro é o fundamento, mas não o fundador da Igreja; é o administrador, mas não o Senhor da Igreja. O Bom Pastor (Jo 10,11) nos dá outros bons pastores (Ef 4,11)." - http://www.universocatolico.com.br/content/view/716/3/.
Resposta apologética evangelística - Há entre os cristãos a interpretação de que Jesus referiu-se a si mesmo como a Pedra, ou seja, que Ele fundou a igreja sobre si mesmo. Outros interpretam que a pedra se refere à declação de Pedro anterior "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". (Mateus 16:16) E outros , como alguns presbiterianos, que admitem ser Pedro a pedra, mas sem torná-lo o primeiro Papa. Mas a Igreja Católica vê no texto o que ele não diz. Entendem que ser Pedro a pedra o tornaria o primeiro Papa. Será que as Escrituras Sagradas concordam ou dão indícios dessa crença? A resposta é não. 

A palavra Papa não ocorre na Bíblia. Mesmo que Pedro fosse a "pedra" a que Jesus se referia, será que Pedro entendeu que ele seria o chefe da Igreja? Não vemos um único versículo na Bíblia indicando isso. Pelo contrário, observamos Pedro chamar seus irmãos em Cristo de "pedra" também, em comparação com Jesus, a Pedra que vive. (1 Pedro 2:4-8) Então, no caso dos cristãos, ser a pedra não é ser papa nem ter primazia de algo. 

Ensinar que Pedro é "a pedra-fundamental da Igreja, tornando-o cabeça e chefe da família de Deus" não é ensino bíblico. Se fosse, veríamos Pedro dirigindo o primeiro "concílio" em Jerusalém, registrado em Atos 15:5-29. Ali é Tiago quem o faz. Portanto, mesmo exercendo uma liderança, Pedro não era o chefe da Igreja. Paulo ensina que somos o "corpo de Cristo" (1 Coríntios 12:27; Efésios 4:12), e que Cristo é o cabeça da Igreja (Colossenses 1:18) Perguntamos aos católicos sinceros: Onde a Bíblia ensina que Pedro é o cabeça (chefe) da Igreja? Se não há, por que acreditar que Jesus instituiu o papado?
Falsa prova 2 - "Mt 16,19: "Eu te darei as chaves do Reino dos Céus..." O "poder das chaves" expressa a autoridade administrativa e disciplina eclesiástica com relação às necessidades da fé, como em Is 22,22 (cf. Is 9,6; 12,14; Ap 3,7). É deste poder que surge o uso de censuras, excomunhão, absolvição, disciplina batismal, imposição de penas e poderes legislativos. No Antigo Testamento, o comissário ou primeiro-ministro era aquele homem que estava acima da assembléia (Gn 41,40; 43,19; 44,4; 1Rs 4,6; 16,9; 18,3; 2Rs 10,5; 15,5; 18,18; Is 22,15.20-21)." - http://www.universocatolico.com.br/content/view/716/3/.
Refutação apologética evangelística - São essas chaves o direito de ser Papa? Observe o seguinte comentário do teólogo William Hendriksen:
"As palavras dirigidas a Pedro, como representante do grupo, continuam no versículo 19. Eu lhe darei as chaves do reino dos céu. Aquele que "tem as chaves (cf. Ap. 1:18; 3:7) do reino do céu determina quem deve ser admitido e a quem se deve recusar admissão. Cf. Isaías 22:22. Que os apóstolos, como grupo, exerceram esse direito, é óbvio, à luz de todo o livro de Atos. Todos o exerceram numa base de igualdade (4:33): Não havia chefe nem superintendente. Não obstante, como foi demonstrado, a influência de Pedro era proeminente. Por meio da pregação do evangelho, ele estava abrindo as portas para uns (At 2:38, 39; 3:16-20; 4:12; 10:34-43) e fechando para outros (3:23)."(1)
Portanto, Pedro usou essas chaves para abrir portar aos Jedeus (Atos 2:14-39), aos samaritanos (Atos 8:14-17) e aos gentios (Atos 10:24-48). Nada se diz a respeito de ele ser papa ou chefe da Igreja.
Falsa prova 3 - "Mt 16,19: "...e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado no céu". "Ligar" e "desligar" são termos técnicos usados pelos rabinos e que têm o significado de "permitir" e "proibir" com relação à interpretação da lei e, secundariamente, "condenar", "desproibir" ou "liberar". Assim, a São Pedro e aos papas é dada a autoridade para determinar as regras de doutrina e vida, por virtude da revelação e orientado pelo Espírito Santo (Jo 16,13), e para exigir obediência por parte da Igreja. "Ligar" e "desligar" representam os poderes legislativo e judicial do papa e dos bispos (Mt 18,17-18; Jo 20,23). Porém, São Pedro foi o único apóstolo que recebeu nominal e singularmente estes poderes, tornando-o preeminente."
Refutação apologética evangelística - Será mesmo que "ligar" e "desligar" isão termos dirigidos a Pedro e aos seus papas sucessores? A mesma autoridade que Jesus deu a Pedro em Mateus 16:19 sobre "ligar" e "desligar" é dada a todos os discípulos que o ouviam (Mateus 18:1), pois lemos em Mateus 18:18: "Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus." Afirmar que "Ligar" e "desligar" representam os poderes legislativo e judicial do papa e dos bispos é ensinar o que não está na Bíblia. Mesmo em João 20:23, lemos que Jesus se dirigiu no plural ao dar instruções sobre o perdoar: "Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos." Portanto, nada dirigido em especial a Pedro. Nós amamos o exemplo de Pedro. Temos a certeza de que ele está no Paraíso. Mas será que o católico sincero poderia afirmar biblicamente que ele foi o primeiro Papa?
Falsa prova 4 - "O nome de Pedro aparece em primeiro lugar em todas as listas que enumeram os apóstolos (Mt 10,2; Mc 3,16; Lc 6,14; At 1,13). Mateus até o chama de "o primeiro" (Mt 10,2). Já Judas Iscariotes é invariavelmente mencionado por último."
Refutação apologética-evangelística: O que a Bíblia ensina? Que Pedro é colocado em primeiro porque ele foi o chefe da igreja (Papa) ou porque ele foi o primeiro a ser escolhido por Jesus? Outra pergunta é: Lemos em Mateus 10:2 que 'os nomes dos doze apóstolos são estes: primeiro, Simão, por sobrenome Pedro...". Se o objetivo de Mateus e do próprio Deus foi alistar Pedro em primeiro para ensinar que ele foi o chefe e primeiro Papa da Igreja Católica, então por que Mateus 10:2 menciona o outro nome de Pedro, Simão, em primeiro lugar? Isso prova que Mateus e outros apenas o puseram em primeiro lugar por ter sido escolhido primeiro. (Veja Mateus 4:18) Quanto a Judas ser colocado em último, evidentemente é porque este traiu a Jesus. Seria um absurdo, então, dizer que a ordem dos nomes dos apóstolos determinava que o primeiro fosse aquele que se tornaria Papa, o que daria a entender que o segundo deveria ser o sucessor de Pedro, o que em hipótese alguma aconteceu.
Falsa prova 5 - "Pedro é quase sempre mencionado em primeiro, mesmo quando aparece ao lado de outros. A (única) exceção está em Gl 2,9, onde ele ("Cefas") é listado após Tiago e João, mas, mesmo assim, o contexto coloca-o em preeminência (ex.: Gl 1,18-19; 2,7-8)."
Refutação apologética evangelística - É muito bom ser honesto e reconhecer que nem sempre Pedro é mencionado em primeiro. Lemos em Gálatas 2:9: "E, quando conheceram a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram reputados colunas." Primeiro, se Pedro fosse o chefe da Igreja, por que chamá-lo aqui de Cefas? O nome Pedro, caso fosse a "pedra fundamental da igreja", deveria ser sempre mencionado, mas por que nesse texto não é? Segundo, o argumento tenta justificar que apesar disso, o contexto coloca-o em proeminência. Será mesmo verdade isso? Basta ler Gálatas 2:9-14 para notarmos Cefas (Pedro) ser censurado face a face por Paulo, pois Cefas se associava com os cristãos gentios apenas longe da presença dos judeus convertidos ao Cristianismo. Isso é colocá-lo em proeminência? Pelo contrário, isso é uma grande prova de que Pedro nunca foi considerado como o chefe da Igreja, com todos os títulos hiperbólicos que lhes são atribuidos. Não seria um grande desrespeito da parte de Paulo chamar atenção de Pedro na frente de todos?
Falsa prova 6 - "Pedro é o único entre os Apóstolos que recebe um novo nome, Pedra, solenemente conferido (Jo 1,42; Mt 16,18)."
Refutação apologética evangelística - Onde a Bíblia ensina que o fato de alguém receber um novo nome o torna chefe da Igreja? Alguns católicos romanos poderiam dizer: "Mas Deus mudou o nome de Jacó para Israel (Gênesis 35:10) e daí vem o nome israelitas. Então, Israel foi o chefe dos israelitas." Todavia, os judeus diziam: "Nosso Pai é Abraão." (João 8:39) Abraão era considerado maior que Israel, porque a Abraão foi feita a promessa. No caso de Pedro, a mudança do nome tinha a ver com o significado desse novo nome: "Pedra", não de fundação, mas descrevendo a sua personalidade. Lemos sobre essa mudança de nome:
"Jesus, agindo aqui em seu ofício profético, olha para o futuro e vê nele [Pedro] a enorme transformação que o impulsivo Simão, que estava ali diante dele, naquele dia, haveria de sofrer, a ponto de se tornar Cefas (em aramaico) ou Pedro (em Grego), isto é, a Rocha. Portanto, Jesus aqui prediz o que a graça divina iria realizar no coração e na vida desse discípulo."(2)
Assim, ao usar a Bíblia com os católicos, de preferência a deles, é preciso conscientizá-los de que Deus muda, às vezes, nomes de personagens bíblicos para adequá-los com uma nova experiência nos propósitos de Deus. No caso de Abrão, nome que significava "Antepassado Famoso", Deus mudou o nome dele para Abraão, nome que significava "Pai de uma Multidão". Quanto a Pedro, ele precisaria ser rocha para liderar aquela igreja, a qual, segundo a Bíblia, tinha seus membros "edificados sobre o fundamento dos apóstolos [não só de Pedro] e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular". - Efésios 2:20.
Falsa prova 7 - "Da mesma forma, Pedro é estimado por Jesus como o Pastor chefe, logo após Ele (Jo 21,15-17), de forma especial pelo nome, e sobre a Igreja universal, apesar dos demais apóstolos terem uma função similar mas subordinada (At 20,28; 1Pd 5,2)."
Refutação apologética evangelística - Nossos amados católicos romanos parecem ver nos textos aqui citados o que eles não dizem. Por exemplo, lemos em João 21:15-17 que Jesus diz a Pedro "apascenta os meus cordeiros", "pastoreia as minhas ovelhas" e "apascenta as minhas ovelhas". Será que isso prova que Pedro seria o Papa? "Apascentar" e "pastorear" é função exclusiva dos papas? A resposta é não, pois lemos em Atos 20:28: "Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue." 

Em 1 Pedro 5:2, o próprio Pedro pede aos cristãos: "Pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade." Argumentar com o católico da seguinte forma pode ser útil: Onde lemos nesses textos que Pedro seria o pastor-chefe? Onde está escrito que os bispos estão subordinados a Pedro? Se ter Pedro pedido para cristãos pastorear o torna chefe desses pastores e da igreja, então quando Paulo, em Atos 20:28, também exorta o pastoreio do rebanho de Deus não deveria tornar o próprio Paulo chefe daqueles pastores e da igreja também? Assim, fica evidente que esses textos nada abordam sobre uma chefia papal na igreja universal (católica) cristã.
Falsa prova 8 - "Pedro é o único apóstolo mencionado pelo nome quando Jesus Cristo orou para que "a sua fé (=Pedro) não desfalecesse" (Lc 22,32)."
Refutação apologética evangelística - "Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos." (Lucas 22:31, 32) Este relato ocorreu muito depois de Jesus ter mudado o nome de Simão para Pedro. (João 1:42) Então, por que Jesus não usou o nome Pedro aqui, mas sim Simão, se segundo os católicos romanos Jesus deu-lhe o nome Pedro para confirmá-lo como a Pedra fundamental da Igreja? Outra pergunta é: Será que Jesus não teria orado por outro apóstolo, e os evangelhos não relataram? A Bíblia mostra que Jesus orou por todos eles naquela mesma noite. (João 17:6-19) Faz sentido crer que Jesus tenha orado usando o nome apenas de um apóstolo na presença dele? Também, podemos perceber que não seria só Pedro quem seria peneirado, mas os outros também. Para nós que não vemos nesse texto prova nenhuma de Pedro ser a Pedra fundamental da igreja, entendemos que Jesus sabia da importância de fortalecê-lo, pois ele, após a morte de Jesus, seria usado poderosamente sob a direção do Espírito Santo na edificação da Igreja de Cristo.
Falsa prova 9 - "Pedro é o único apóstolo a ser exortado por Jesus para que "confirmasse os seus irmãos" (Lc 22,32)".
Refutação apologética evangelística - Por que ser Pedro o único exortado por Jesus para confirmar ou fortalecer seus irmãos o torna o primeiro Papa? Se seguíssemos esse raciocínio, o fato de Jesus ter dito somente a Pedro "arreda, Satanás!" indica que Pedro tem alguma primazia ou proeminência sobre Satanás? (Mateus 16:23; Marcos 8:33) Por que, então, Pedro recebe atenção especial de Jesus aqui? Provavelmente porque era impetuoso, teimoso, mas Jesus via nele um líder que executaria um trabalho evangelístico maravilhoso não mãos do Espírito Santo de Deus. Também, muitas vezes Pedro falava pelos discípulos e, portanto, seria ele quem devesse confirmá-los na fé. Por fim, Jesus sabia que Pedro iria negá-lo. (Lucas 22:34) Então, justifica-se aí a tamanha preocupação com seu apóstolo querido.
Falsa prova 10 e 11 - "(10) Pedro foi o primeiro a confessar a divindade de Cristo (Mt 16,16). (11) Apenas de Pedro diz-se que recebeu conhecimento divino através de uma revelação especial (Mt 16,17)."
Refutação apologética evangelística - Podemos tratar das duas aparentes provas do papado de Pedro juntamente. Se esse relato servisse de prova para tal suposto papado, não seria de esperar que todos os três evangelistas - Mateus, Marcos e Lucas - narrassem essa passagem de forma a dar a entender isso? É no mínimo questionável que elas não estejam nos outros evangelhos, mas só em Mateus, se realmente elas tivessem sido escritas para confirmar Pedro como o chefe da Igreja. Veja os relatos paralelos desse acontecimento:
Mateus 16: 16, 17 - "Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus." Marcos 8:28, 29 - "Então, lhes perguntou: Mas vós, quem dizeis que eu sou? Respondendo, Pedro lhe disse: Tu és o Cristo. Advertiu-os Jesus de que a ninguém dissessem tal coisa a seu respeito." Lucas 9:20, 21 - "Mas vós, perguntou ele, quem dizeis que eu sou? Então, falou Pedro e disse: És o Cristo de Deus. Ele, porém, advertindo-os, mandou que a ninguém declarassem tal coisa."
Mas e o fato de Deus ter revelado isso a Pedro não prova seu suposto papado na Igreja de Cristo? Não, pois não há relatos bíblicos que comprovem essa crença católica, visto que nenhum apóstolo, discípulo ou escritor bíblico, ou um personagem nas Escrituras Sagradas (Novo Testamento) ensinou ou creu assim. Conforme a história prova, foi só com o bispo Leão I, no século V, que o pontífice tornou-se a autoridade suprema da Igreja no mundo. Desde seu pontificado, ficou enraizada a crença de que os papas são os sucessores de Pedro.


Perguntas para analisar com os católicos romanos

1. Qual o significado de Mateus 16:18, onde lemos: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja”? Indicam essas palavras que Pedro foi o primeiro Papa? - Ler 1 Pedro 2:4-8 e Atos 4:10, 11; Efésios 2:20.

1 Pedro 2:4-8 - "Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo. Pois isso está na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será, de modo algum, envergonhado. Para vós outros, portanto, os que credes, é a preciosidade; mas, para os descrentes, A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular e: Pedra de tropeço e rocha de ofensa. São estes os que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que também foram postos." Atos 4:10, 11 - 10 - "Tomai conhecimento, vós todos e todo o povo de Israel, de que, em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, a quem vós crucificastes, e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, sim, em seu nome é que este está curado perante vós.Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular." Efésios 2:20 - "Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular."
2. Jesus disse a Pedro: “Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus.” (Mateus 16:19) Para o Catolicismo Romano, essas chaves seriam um símbolo da chefia da igreja de Pedro e de outros papas. A pergunta é: De acordo com Mateus 18:18, só Pedro recebeu essa autoridade?
Mateus 16:19 - "Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus." Mateus 18:18 - "Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus."
3. Jesus disse a pedro: “Apascenta os meus cordeiros” e “pastoreia as minhas ovelhas”. (João 21:15-17) Baseando-se nos textos abaixo, responda: Era esse um privilégio exclusivo de Pedro ou dos papas?
Atos 15:28, 29 - “Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas essenciais: que vos abstenhais das coisas sacrificadas a ídolos, bem como do sangue, da carne de animais sufocados e das relações sexuais ilícitas; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Saúde.”
Atos 20:28 - “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue."
1 Pedro 5:1-3 - “Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada: pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por cons-trangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.”
4. Ensina os versículos abaixo que Pedro tinha a primazia, que ele era Papa?
Atos 8:14 - "Ouvindo os apóstolos, que estavam em Jerusalém, que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João."

1 Coríntios 12:28 - A uns estabeleceu Deus na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois, operadores de milagres; depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.

Efésios 4:10-12 - "Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo."

Gálatas 2:9-14 - "E, quando conheceram a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram reputados colunas, me estenderam, a mim e a Barnabé, a destra de comunhão, a fim de que nós fôssemos para os gentios, e eles, para a circuncisão; recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer. uando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti -lhe face a face, porque se tornara repreensível. Com efeito, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, comia com os gentios; quando, porém, chegaram, afastou-se e, por fim, veio a apartar -se, temendo os da circuncisão. E também os demais judeus dissimularam com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela dissimulação deles. Quando, porém, vi que não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho, disse a Cefas, na presença de todos: se, sendo tu judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?"
5. Mesmo o Catolicismo ensinando que o Papa erre como humano, ensina ser o Papa infalível quando define questões de moral e de fé ex-cátedra.Como as palavras de 2 Pedro 1:19-21 podem ser usadas para refutar essa inverdade? Teria essa suposta infabilidade a mesma extensão que o próprio depósito da Revelação divina?
2 Pedro 1:19-21 - "Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração, sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo."
6. O Catolicismo Romano ensina que o Papa “possui na Igreja poder pleno, supremo e universal. E ele pode exercer sempre livremente este seu poder” e “pastor e doutor supremo de todos os fiéis”. Como 1 Pedro 2:25 e 5:1-6 refuta essa heresia?
1 Pedro 2:25 - "Porque estáveis desgarrados como ovelhas; agora, porém, vos convertestes ao Pastor e Bispo da vossa alma."

1 Pedro 5:1-6 - "Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada: pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho. Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória. Rogo igualmente aos jovens: sede submissos aos que são mais velhos; outrossim, no trato de uns com os outros, cingi-vos todos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, contudo, aos humildes concede a sua graça. Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte."
7. A palavra vigário (ou vicário) é o título que se dá ao padre que faz a vez dos outros. Significa substituto ou representante. Mas de acordo com João 14:26, quem é o único que poderia substituir a Cristo?
João 14:26 - "Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito."
Laurence A. Justice escreveu:
"Se realmente o Papa é Vicário de Cristo sobre a terra, deveria haver muita similaridade entre os dois, mas isso não é realmente constatado quando observamos a Palavra de Deus. Cristo usou uma coroa de espinhos, o Papa usa uma coroa tríplice incrustada de jóias. Cristo disse, "Meu reino não é deste mundo", o Papa reivindica soberania espiritual e temporal no mundo. Cristo lavou os pés dos discípulos, exibindo um espírito de humildade digno a ser imitado por seus seguidores, o Papa apresenta o seu pé para ser beijado e requer genuflexões e que se ponham de joelhos aqueles que tem audiências com ele. Cristo era pobre e humilde, tanto que não tinha nenhum lugar para sequer deitar sua cabeça, mas a riqueza material do Papa é de bilhões. Cristo disse: a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está no céus, mas o Papa requer que todos o chamem de Santo Pai e seus padres sentem-se insultados se as pessoas não os chamam padres. Cristo viveu uma vida pura e modesta, muitos Papas têm vivido vidas notoriamente imorais e pecaminosas." - Tradução: Albano Dalla Pria 05/01. Revisão: Calvin G. Gardner 12/01. Fonte: www.palavraprudente.com.br
Apelo aos católicos sinceros

Quando estudamos a história do Catolicismo Romano, encontramos pessoas que realmente deram a sua vida pelo evangelho. Mas também descobrimos que pouco a pouco o Papado introduziu ensinos errôneos não ensinados na Palavra de Deus. Comentamos acima onze de cinquenta supostas provas de que Pedro foi o primeiro Papa e o chefe da Igreja de Cristo. Meu apelo é que o católico sincero analise suas crenças com a Bíblia e entenda que nada pode substituir a Cristo. Quando se lê a declaração do Papa João XXIII, abaixo, pergunto: O que faz um católico dividir o mérito da salvação entre Jesus e um papa?
"Ninguém pode entrar no aprisco de Jesus Cristo se não for guiado pelo Supremo Pontífice. Os homens só podem chegar à salvação quando estão unidos a ele, isso porque o Pontífice Romano é o Vicário de Cristo e Seu representante na terra". - João XXIII.
Que possamos argumentar com os católicos sobre por que se deve encarar Jesus como o único meio de se ganhar a Salvação, sem precisar de ninguém mais. Cristo é suficiente! - Fernando Galli

(1) HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento. Mateus. Volume 2. Página 209. Editora Cultura Cristã. São Paulo. 2004.
(2) HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento. João. Página 147. Editora Cultura Cristã. São Paulo. 2004.

terça-feira, 19 de maio de 2009

MORMONISMO - EXCLUSIVISMO COM SEU OUTRO JESUS

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias tem como dogma central a crença de ser a única religião verdadeira. Exclusivismo é característica marcante no mundo sectário. Se Jesus disse “Eu sou o caminho”, os mórmons afirmam “Nós somos o atalho”; Se Jesus disse: “Eu sou a verdade”, os mórmons dizem: “Nós somos os únicos que temos a verdade de Jesus Cristo; Se Jesus disse “Eu sou a vida”, os mórmons dizem “Só se pode ter vida eterna se pertencer à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”. Em suas publicações, os mórmons não medem esforços para exibirem essa crença. Vejamos alguns exemplos:
Ensino errôneo 1 - "Os mórmons têm o único cristianismo puro e perfeito agora na terra.” - Bruce McConkie, Doctrinal New Testament Commentary, vol. 2, 1976, p. 113.
Refutação apologética evangelística - A primeira pergunta que surge é: Os mórmons têm o único Cristianismo puro e perfeito agora na terra? Para responder a essa pergunta, precisamos saber se o Cristo dos mórmons é o verdadeiro. Um “cristo” diferente resulta numa forma de cristianismo diferente. Paulo escreve aos cristãos em Corínto sobre isso:
“Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais.” - 2 Coríntios 11:4.
Veja como o Jesus dos mórmons é totalmente diferente do ensinado nas Escrituras Sagradas.
1. Jesus Cristo dos mórmons é um personagem de carne e osso.
“As revelações modernas nos ensinam que o Pai e o Filho têm corpos tangíveis, de carne e ossos, e que o Espírito Santo é um personagem de espírito, sem carne nem ossos.” – O Livro de Mórmon, 1995, Guia Para Estudos das Escrituras, Apêndice, página 211, verbete TRINDADE.
2. O Jesus Cristo dos mórmons era polígamo.
“Se todos os atos de Jesus fossem escritos, sem dúvida saberíamos que essas mulheres amadas (Maria, Marta e Maria Madalena eram suas esposas [...] Demonstramos mui claramente que o Filho seguiu o Pai, e chegou a ser o grande noivo com quem as filhas dos reis e muitas mulheres honradas tinham de ser casadas.” - Orson Pratt, The Seer, (Washington D.C.: n.p., 1853-54), páginas 159, 172.
3. O Jesus Cristo dos mórmons é irmão do Diabo.
“Quanto ao Diabo e seus espíritos-amigos, eles são irmãos do homem e também de Jesus e dos filhos e filhas de Deus, no mesmo sentido que nós somos.” - John Henry Evans, An American Prophet, Nova York, NY: Macmilan, 1933, página 241.
4. O Jesus Cristo dos mórmons não foi gerado por Espírito Santo.
“Quando a virgem Maria concebeu o menino Jesus, o Pai o tinha gerado à própria semelhança. Jesus não foi gerado pelo Espírito Santo.” - Journal of Discourses, Volume 1, 1852, página 51.
5. O Jesus Cristo dos mórmons é um outro Deus além do Deus-Pai.
“Como cada uma dessas pessoas [Pai, Filho e Espírito Santo] é um Deus, é evidente, a partir unicamente desse ponto de vista, que existe uma pluralidade de deuses. Para nós, falando no sentido finito e adequado, esses três são os únicos deuses que adoramos.” - Bruce R. McConkie, Mormon Doctrine, (Salt Lake City, UT: Bookcraft, 1966), página 319.
Então, se os mórmons crêem num outro Jesus Cristo, que não o da Bíblia, eles têm o direito de achar que o "cristianismo" deles é o único puro e perfeito. Mas, o Jesus Cristo fundador do Cristianismo e o edificador e Salvador de sua Igreja não nasceu produto de uma relação sexual, mas de uma ação milagrosa do Espírito Santo. (Mateus 1:18-25) Jesus não era polígamo (Nem Dan Brown, em seu livro O Código Davinci, em seus devaneios literários, ousou pintar Jesus polígamo, mas monôgamo) segundo a Bíblia. Muito menos Jesus era irmão do Diabo, pois Ele sempre considerou como seus irmãos aqueles que fazem a vontade de seu Pai. (Mateus 12:46-50) E quanto a ser um personagem de carne e osso no céu, a Bíblia usa a expressão “Espírito de Cristo”. (Romanos 8:9; 1 Pedro 1:11) Finalmente, Jesus não é outro Deus além do Pai, mas um só Deus com o Pai e o Espírito Santo. (João 10:30) Assim, ao evangelizarmos os mórmons, precisamos deixar-lhes bem claro essas diferenças.
Quanto ao cristianismo dos mórmons ser o único puro e perfeito, devemos lembrar que Cristianismo é muito mais do que uma denominação. É um modo de vida. Pois, a pureza e a perfeição, dentro de nossas limitações, é o resultado da obra do Espírito Santo em nossas vidas, a partir do dia que aceitamos a Cristo como nosso único e suficiente Salvador, e não o resultado de uma pessoa se tornar mórmom e seguir esse outro Jesus. Que grande parte dos mórmons se abstém de imoralidade, drogas, e das obras da carne, não se pode contestar. Mas isso ocorre também em outras seitas, em todas as denominações do Cristianismo, e até mesmo em outros tipos de religiões, como o Budismo e o Hinduísmo. Sempre há seguidores que são exemplos para a sociedade e a forma de religião que seguem. Todavia, pureza e perfeição, na acepção cristã, é para aqueles que seguem o verdadeiro Jesus Cristo da Bíblia, pois sem Ele é impossível sermos purificados e buscarmos a perfeição sem a consequente obra restauradora do Espírito Santo de Deus.
Ao raciocinar com os mórmons, precisamos, então, expor quem é o Jesus da Bíblia e quem é o Jesus deles. Deixá-los definir o Jesus deles poderá ser positivo, pois se sentirão respeitados e mais propensos a ouvir também a nossa explicação. Estalecer as diferenças entre o Jesus deles e o nosso poderá abrir o caminho para outras considerações que, por sua vez, mostrarão que a salvação não depende de sermos mórmons, mas de aceitarmos a Jesus. Concentrar-se na pessoa de Cristo e no que Jesus fez por nós provará a superioridade desse nome sobre todo credo, doutrina ou caminhos exclusivistas.
Ensino errôneo 2 - “As várias organizações que são chamadas de igrejas por toda a cristandade, embora diferindo em todos os seus credos e organizações, têm uma origem em comum. Todas pertencem à Babilônia. Deus não é o fundador delas.” - George Q. Cannon, Gospel Truth, Deseret Book Company, 1987, página 324.
Resposta apologética evangelística - Iguais às Testemunhas de Jeová, os mórmons muitas vezes diferenciam cristandade de cristianismo. E iguais aos Adventistas do Sétimo Dia e às Testemunhas de Jeová acusam as igrejas da cristandade de pertencerem à Babilônia, ou seja, à religião falsa. E essas três seitas surgiram no século 19, entre 1820 e 1879, o que poderia justificar algumas similaridades: As três seitas - Mórmonismo, Adventistas e Testemunhas de Jeová (Estudantes Internacionais da Bíblia) previram a volta de Jesus para 1894, 1843-1844 e 1914 respectivamente. As três são exclusivistas também. E o pior, as três têm sérios problemas em sua cristologia. Então, os mórmons precisam justificar essas similaridades com outras seitas antes de se exceturem delas e das denominações cristãs.
Ao evangelizar os mórmons, seria interessante deixá-los explicar o que entendem sobre Babilônia, e depois pedirmos a palavra para dar a nossa opinião. Há textos bíblicos usados por eles para se referirem a nós como pertencentes à Babilônia. Argumentam que este nome significa “confusão” (estão corretos), e por isso nossa pluralidade de igrejas são esta confusão (infelizmente, há uma certa verdade nisso) todavia, a verdadeira Igreja de Jesus Cristo (todos os salvos convertidos) não é uma confusão. Observe os textos bíblicos que os mórmons usam para nos identificar com Babilônia no livro de Apocalipse e alguns comentários que nossas Bíblias de Estudo fazem sobre esse termo. Isso o ajudará a evangelizar os mórmons, dando-lhes uma resposta bíblica para esse assunto.
Apocalipse 14:8 - “Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição.”
Bíblia de Estudo Vida - “A antiga Babilônia [...] era famosa por sua decadência, imoralidade e idolatria, e por oprimir o povo de Deus. (Is 47) Aqui ela serve de símbolo de Roma (1Pedro 5:13). João proclama que o império anticristão de Roma (e qualquer poder anticristão) está condenado.”
Bíblia Aplicação Pessoal - “João, que provavelmente não ousava se manifestar abertamente contra Roma, dedicou o nome “Babilônia” a esse inimigo do Povo de Deus (Roma) - e, por extensão, a todos os seus inimigos em todos os tempos.”
Bíblia Nova Versão Internacional - “A Antiga Babilônia, Mesopotâmia, era o centro político, comercial e religioso de um império mundial. Era notável pelo luxo e pela decadência moral. O título “a grande Babilônia é tirado de Dn 4:30. Segundo alguns, é usado em Ap [...] em referência à Roma, como centro da oposição a Deus e a seu povo. Segundo outros, representa todo o sistema do mundo religioso e político do mundo em geral.”
Bíblia de Estudo Plenitude - “No AT (Antigo Testamento), a Babilônia era um centro de idolatria, do ocultismo e da imoralidade. [...] No NT (Novo Testamento), algumas vezes é um nome críptico para Roma.”
Bíblia de Estudo de Genebra (Comentário de 17.1 - 19.10) - “Aparece a Babilônia meretriz, representando as seduções do mundo. [...] O Apocalipse utiliza a linguagem das condenações proféticas da Babilônia e de Tiro (Jr 50-51; Ez 27) Cidades modernas com suas falsas religiões e exploração sexual também são tipos da Babilônia. Portanto, o simbolismo da Babilônia representa várias situações históricas, inclusive a manifestação final e culminante dessa “Babilônia”, imediatamente anterior à segunda vinda não [de Jesus].”
Esses comentários podem ser ampliados por pesquisa pessoal. Os outros textos em que essas Bíblias citadas acima comentam sobre Babilônia em Apocalipse são 16:19, 17:5, 18:2, 10, 21. O importante é você explicar aos mórmons que Babilônia é símbolo de tudo o que é anticristão: imoralidade, luxúria, inimizade para com o povo de Deus, ocultismo, etc. Os cristãos genuínos, mesmo em denominações diferentes, fazem parte da Igreja de Jesus Cristo (todos os crentes convertidos) não se envolvem com isso, pois para eles o mundo passa junto com o seu desejo, mas quem faz a vontade de Deus vive para sempre. (1 João 2:15-17) Portanto, citar fatos da sua vida a eles para compreenderem como Jesus Cristo Mudou sua vida é de grande ajuda.
E se você fosse mórmom?

Os mórmons são extremamente educados. Se você fosse mórmom, amaria ser tratado bem. Todas as vezes que for dirigir-lhes a palavra, ore: “Senhor, como posso ser instrumento nas mãos do teu Espírito Santo para ajudá-los a receber o verdadeiro Jesus e a se livrar de um sistema babilônico, anticristão?" Tenha paciência ao ensiná-los. Não seja agressivo. Procure responder às perguntas que eles fizerem, e mesmo se não souber respondê-las, busque respostas para dá-las num próximo encontro. Que Deus abençoe seus esforços de ganhá-los para Jesus.
Fernando Galli.
Créditos da foto do Jesus-Mórmon acima - Liz Lemon Swindle, http://gallery.christ.org/main.php?g2_view=core.DownloadItem&g2_itemId=278

domingo, 3 de maio de 2009

ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA - SE ELLEN G. WHITE ERROU, A BÍBLIA TAMBÉM PODE TER ERROS?


É a Bíblia realmente inerrante para a IASD? Poderia EGW cometer erros em seus escritos? As respostas a essas perguntas poderão ajudar o leitor a tirar suas conclusões sobre até que ponto a IASD se esforça para endossar os ensinos de EGW.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

PALHAÇADA NEOPENTECOSTAL - SINAL DOS TEMPOS

Certa vez ouvi de um famoso conferencista cristão, escritor, mais ou menos o seguinte: "Quando fui a um retiro cristão e orávamos num monte, ao ver o modo como alguns cristãos rodopiavam e rolavam-se no chão, exclamei ao Senhor: Meu Deus, certamente isso não é o teu Espírito."

Para ilustrar a que ponto já chegamos, resolvi publicar numa só matéria algumas fotos ou cartazes dessas figuras que animam o nosso show da fé, que rimam o sorriso deles com a dor dos outros, tudo por uma boa oferta na igreja, e uma fama se possível mundial. Antes, porém, quero deixar bem claro que creio na Igreja de Jesus Cristo, que acredito que Deus cure, liberte, opere maravilhas, creio também na atuação poderosa do Espírito Santo entre o povo de Deus. Então, choremos juntos com as palhaçadas a seguir.
Fotos e Comentários
Foto 1: Vemos um caminho de sal, chamado Vale de Sal. Jesus disse de fato: "Tende sal em vós mesmos e paz uns com os outros." (Marcos 9:50) Tem gente que leva isso ao pé da letra e jogam sal em si mesmos.

Por exemplo, a Bíblia fala do Vale do Sal, em 2 Samuel 8:13; 2 Reis 14:7; 1 Crônicas 18:12 e 2 Crônicas 25:11, narrando vitória de Israel contra exércitos de nações inimigas. Então, como há líderes que não ensinam seu povo a se sentirem atraídos à Palavra de Deus e à sua leitura nos cultos em suas igrejas, eles precisam usar subterfúgios como este, que acabam dividindo com Jesus o mérito da cura, e até da salvação. O nome de Jesus, para esses líderes, não é suficiente para o povo crer, por isso, usam aqui um tapete escrito "Vale do Sal" para simbolizar que Jesus lhes dará a vitória.

Todavia, perguntamos: Será mesmo que essas pessoas, dão os devidos cem por cento de crédito ao nome de Jesus? Será que os santos católicos não estão para Deus assim como esse tapete está para Deus na mente dos evangélicos ali presentes? Será que esses evangélicos, mesmo se ouvissem de seus pastores que se trata apenas de uma simbologia, seriam maduros suficientes para concluir isso de fato?
Foto 2 - Custa-me acreditar num cartaz desse! Primeiro, onde a Bíblia ensina "batismo de prosperidade"? A quem esse pregador realmente está engrandecendo com frases como "apóstolo do novo milênio", "explosão de milagres"? E que tipo de nova onda de ensino é esse: "Impactando o mundo com a visão de Raio X"? Não seria muito narcisismo isso? O tal missionário vê através de raio x os problemas de saúde das pessoas e anuncia-lhes a cura. Ele apenas não revela o raio x antes da cura para provar essa criancice praticada nas igrejas.

Os grandes culpados disso? A liderança das igrejas, sem doutrina bíblica, que convida "apóstolos" desse naipe, do novo milênio (e isso porque o milênio acabou de começar) a pregar para leigos crus em Bíblia. Não bastar-lhes-ia a fé em Jesus, e o querer de Deus, para que houvesse a cura? Mas, a criatividade é tamanha que agora Deus estaria ungindo pessoas com a visão de raio X para identificar problemas de saúde e curá-los.
Foto 3 - Obviamente, acredito que Deus pode ressuscitar alguém. Todavia, quando ouvimos o testemunho do pastor Lúcio Hermano, por mais bem intencionado que ele seja, ele não chegou a ser declarado morto pelos médicos. Creio até que Deus o tenha livrado da morte, após ter recebido a facada. Mas veja o testemunho dele, onde ele conta que depois de ter sido "ressuscitado" ainda teve uma parada cardíaca. Isso seria compatível com um milagre de ressurreição? (clique aqui) Há no meio evangélico a crença de que não podemos contestar casos como estes, e que não precisamos de provas científicas e laudos médicos para confirmarmos o milagre. Ledo engano. Deus tem feito sim milagres, e os exames médicos e a ciência têm comprovado isso. Mas nesse caso específico, não se trata de ressurreição. E um fato mal contado como este gera crendices maiores. Oremos agradecidos a Deus por ter livrado da morte o nosso irmão Lúcio.
Foto 4 - Maldições hereditárias não é ensino bíblico. O que existe é um pequeno número de textos mal interpretados sobre essa questão. Se essa crença fosse bíblica e verdadeira, toda a família desse ex-travesti seria homossexual também.

Para corroborar tal crença, há pastores usando Êxodo 20:4, 5, onde lemos que Deus visita até a quarta geração daqueles que não o agradam. Então raciocinam: Se uma pessoa da brecha ao Diabo para morrer de câncer, seus descendentes nascerão, até a quarta geração, amaldiçoados para ter câncer também.

Outros ainda chegaram a ensinar que se um pai xingar seu filho de "gay", ele está lançando uma maldição na vida desse filho, e esse filho transmitirá essa maldição a seus filhos, caso o tenha com uma mulher, e seus filhos a seus netos, e assim por diante. Mas em qual texto a Bíblia ensina isso?

Mas preste atenção neste anúncio na expressão "viveu fortes momentos com o diabo, sendo instruído para a destruição na família." O que seria essas fortes emoções? Isto pode fazer o leitor a achar que o ex-travesti tinha relações sexuais com o diabo.

Observe neste cartaz o apelo extravagante para a imagem da pessoa. Onde está Jesus Cristo enaltecido aqui? Outra observação: Os erros absurdos de português são um sinal marcante em cartazes como estes. Neste, aparecem erros nas palavras "espulsá-lo", que seria "expulsá-lo", "hs", que seria "h", "instruido" que seria com acento "instruído". Pastores sem conhecimento da Língua Portuguesa são competentes para interpretar as Escrituras?
Foto 5 - Não sou contra usarmos um problema local ou generalizado (como a dengue) como assunto para evangelizar pessoas. Mas observe nesse cartaz o acróstico que fizeram com a palavra DENGUE, respondendo à pergunta "o que está por detrás da dengue". Alguém poderia me dizer se a dengue é a última virose? Pense também em "guerra". Seria a guerra contra a dengue, ou contra o demônio "dengueiro" responsável em disseminar a dengue?
Mas e o "banho do descarrego"? Essa expressão já era usada no baixo espiritismo (umbanda, quimbanda e candomblé) e até entre os índios. Ela não é bíblica, mas uma incorporação aos costumes neopentecostais. As pessoas que afirmam ter sido curadas da dengue através desse banho sararam da mesma forma que os que não tomaram o tal banho, ou seja, por seguirem as recomendações médicas.


Foto 6- Lamentável, não acha? Não sou contra quem dá o dízimo, mas por que a igreja que inventou isso não entrega também o diploma para quem ora, jejua, comparece aos cultos? Entregam diploma só para assuntos que envolvem dinheiro? Igrejas desse tipo dizimam com o contribuinte.

Essas pessoas doam porque se sentem ameaçadas. E há relatos de igrejas que dão uma percentagem do valor arrecadado para o pastor que pregou naquele culto. Pergunte a essas pessoas: Por que você doa seu dízimo? Você verá que a grande maioria delas doa com medo do devorador, não por amor e gratidão a Deus. Quantos devoradores humanos têm se aproveitado da boa fé das pessoas.
Foto 7 - Já vi irmãos orarem pelos dízimos e ofertas (ou pelos que dizimam e ofertam), mas nunca com tamanha expressão de agradecimento e alegria! Claro que muitos dirão: "O povo precisa ver quanto se pode arrecadar!" Mas bastaria contar o dinheiro e informar à igreja: "Recebemos X e que Deus abençoe os irmãos por sua expressão de fé".

Com certeza, nunca ninguém subiu na mesa para orar pelos pedidos de oração, escritos em pequenos papéis. Esses shows são feitos quando o assunto é dinheiro, para espantar o terrível devorador. Que nosso dinheiro retorne às mãos do Senhor Deus na certeza de que o fazemos por gratidão, porque sabemos que será investido na obra dEle, e que possamos ser mais generosos e alegres ao cooperarmos através dos dízimos e ofertas.
Foto 8 - Devemos orar sempre, diz a Bíblia. (1 Tessalonicenses 5:17) Mas o que percebemos aqui? Dinheiro novamente! A igreja quer programas em rede nacional. Já tem tantos, mas a igreja quer o programa dela, talvez porque seja uma boa forma de futuramente arrecadarem mais, em rede nacional., e até internacional!

Querem novos colaboradores fiéis e pedem que se ore por os 300 Gideões que doarão pelo menos 1.000 Reais por mês. Tudo para investir na obra de Deus, na compra de equipamentos caros e até de um avião.

Enquanto isso, há crentes passando fome. Sei que há pastores que dirão: "Estão desempregados porque não eram dizimistas, veio o devorador e lhes tirou o emprego." Não descarto a possibilidade de Deus ensinar pela dor pessoas mãos-de-vacas, mas vemos muitos dizimistas fiéis perderem seu emprego também. De qualquer forma, o que mais incomoda são os líderes pedindo tanto enquanto a igreja deles poderia fazer mais pelos outros com o dinheiro arrecadado.

Acha correto uma igreja arrecadar demais e ver uma boa fatia desse dinheiro ficar nas mãos dos pastores? Ah se pudéssemos ter aviões para nos deslocarmos com agilidade, desde que eles não estivessem registrados em nomes de pessoas físicas dessas igrejas. Se o avião é para ser usado na obra de Deus, por que não fica em propriedade da Igreja?
Fotos 9 e 10 - Esse é bom demais! Nesse cartaz, novamente a pergunta: Onde está o nome de Jesus? A quem é dada a ênfase? Observe os milagres. Não duvido de milagre. Mas ressurreição? As emissoras de televisão perderam 11 oportunidades de ficar em primeiro lugar em audiência! Em cartazes mais recentes, diz-se que já são 14 ressurreições.
Veja que é ele e não Deus quem revela o oculto e o escondido, cura, tira câncer com a mão, e faz a pessoa emagrecer instantaneamente e restaura a calvície, ou seja, do modo como está escrito, é a calvície que é restaurada (o sujeito vai com cabelo e volta sem).

Num outro cartaz deste senhor dos mistérios de Deus, é dito que "câncer, AIDS e muitas outras doenças foram curadas", ou seja, as doenças sararam (socorro!). Um superman desses da fé é apenas um dentre muitos por aí. E eu estou questionando não a conversão do super-herói aqui, muito menos se ele é salvo. O que estou pondo em questão é a teologia horrível dessas pessoas como ministros de Deus. Devo acreditar em tais ministérios?

Retomando o tal emagrecimento instantâneo, onde estão as provas concretas de que uma pessoa perdeu no mínimo 10 quilos? É feita a pesagem antes do culto? Há fotos de calvos que de repente ficaram com cabelos? Essas provas certamente fariam muitos se converterem, mas onde elas estão? Novamente quero enfatizar:

Não duvido do poder de Deus, mas se este irmão produz cartazes em escala nacional para divulgar seu ministério, por que ele não produz as provas concretas para os que duvidam? Se Tomé duvidou e Jesus satisfez suas exigências (João 20:24-31), por que esse irmão não pesa todas as pessoas antes e depois do culto e prova que instanteneamente um crente perdeu 150 quilos? Ou será que esse emagrecimento é de apenas uns 2 quilinhos, devido a duas horas de culto bem agitado?

Nesse outro cartaz, um outro superman da fé também promete a perda de peso como recompensa por estar presente ao seu culto e ter fé. Observe no centro "O homem de Deus HORA (não seria "ora"?) e a pessoa fica magra na hora!" e acima "o homem de Deus que ora e o milagre de Deus acontece na ora (não seria "hora"?).

Infelizmente, os evangélicos deixam os adventistas do sétimo dia nos ensinarem a cuidar do nosso corpo e emagrecer. Deus ensina a cuidarmos do nosso corpo, que é templo do Espírito Santo de Deus, para emagrecermos, e vem uma dupla dessas emagrecendo pessoas sem o cristão fazer a parte dele - cuidar-se. Tenha misericórdia, meu Deus!

Fotos 11 e 12 - Não bastassem os desgarregos, inventaram o desencapetamento total. Na verdade achei interessante o "total", porque tem ministros de libertação desencapetando parcialmente, ou seja, demoram várias sessões para os capetas saírem de vez. Como me disse certa irmã: "Aquele rapaz tem muitos demônios. Hoje expulsamos uma boa parte. Ele ainda não está liberto totalmente."

Mas não sei se a intenção do "total" aqui foi essa, porque os capetas só mudam de pessoas. Eles sempre retornam. Essas igrejas que não sobrevivem sem a presença de encapetados deveriam tomar muito cuidado, pois o dia que esses capetas resolverem não encapetar mais, não sei o que será desses peastores.

Certamente você, que é um desencapetador, dir-me-á: "A Bíblia ensina que devemos expulsar demônios". Concordo com você, mas não ensina a fazer marketing disso. Parece que o desencapetamento atrai mais do que o nome preciso e inigualável de Jesus. Na foto ao lado, observamos a expressão "fechamento de corpo". Para mim, aceitar a Jesus como único e suficiente Salvador já servia de proteção, mas novamente não aparece o nome dele aqui. E para quem já assistiu a uma sexta-feira forte, o nome do diabo, e suas variantes (Maria Molambo, Exu Caveira, Tranca Rua, etc) são mencionados muitas vezes mais do que o nome de Jesus. A expressão "fechar o corpo" é não-bíblica e usada há muito no baixo espiritismo. Claro que eu não seria contra evangelizarmos adeptos da Umbanda, por exemplo, e dizer na linguagem deles que só Jesus pode fechar o corpo contra o mal, todavia, deveríamos fazer disso um slogan para todo o tipo de pessoa?
Foto 13 a 16 - Está escrito na Bíblia: "Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente." (1 Coríntios 2:14) Baseados nesse texto, há evangélicos que praticam "loucuras" que nada têm a ver com a loucura de que Paulo falou. O homem natural, ou a pessoa não-convertida, não entende os assuntos espirituais de Deus. Mas será que isso dá margem para condutas características de loucos literalmente? Não sei o que houve nesse retiro, mas o slogan não é nada evangelístico. Certa vez, visitei uma igreja batista e observei que quatro rapazes ficaram como que loucos, a se rolarem no chão, chamando a atenção dos presentes, durante todo o louvor - uns quarenta minutos. Ao perguntar ao pastor o que significava aquilo, ele me respondeu: "Eles vieram do encontro do G12, e por uns tempos ficarão assim. É o modo como o Espírito Santo age na infância da fé deles."

Quanta criatividade! Imagino Paulo rolando no chão quando se converteu a Jesus, e me pergunto: Até quando terei que suportar isso? Veja essas pessoas engatinhando dentro do templo. Onde a Bíblia ensina isso? Se os assuntos espirituais de Deus são loucura para os não-crentes, isso não significa que nos comportarmos como loucos na igreja agrada a Deus. Qual o propósito disso? Edifica em que? Não se trata do Espírito Santo de Deus, mas de criancias na fé. O pior é que muitas delas são líderes - pastores, diáconos, obreiros, etc. Isso dá margem para outras loucuras, tornando a fé de certas pessoas patológica, doentia e incoerente com a Bíblia.

Por exemplo, ouve-se na internet que um irmão foi levado ao galinheiro e ali as galinhas falaram em línguas (receberam o batismo do Espírito Santo), e o galo traduzia. Ou isso não aconteceu, ou a pessoa sofre de alguma neurose. Deus jamais batizaria galinhas com o Espírito Santo, muito menos faria com que elas falassem em línguas e um galo traduzisse. Certamente, os "galinheiros da fé" dirão: "Mas Deus não fez uma jumenta falar?" Sim, eu creio nisso, como um ato isolado da soberania de Deus, que usou um animal para falar na língua do ouvinte - Balaão. Essa "animalização" no comportamento de certos crentes também é observada em supostas unções que fazem cristãos latirem, uivarem, rosnarem, etc. Também, observamos a bênção de Toronto, ou unção do riso. Parece que quando acho que nada mais pode ser inventado, inventam novos modismos. Muitos deles acabam incentivando a idolatria por essas figurinhas da fé cristã. Eles são poderosos mesmo, e conseguem com sua linguagem convincente e indutiva levar multidões a segui-los. Eles têm o poder de fazer pessoas caírem nos templos, com um simples gesto, ou um sopro, ou então um mover de capas. Quanta palhaçada para chamar mais atenção de si mesmos do que para Jesus Cristo. Lembro-me do He Man: "Eu tenho a força!" E para quem já foi testemunha de Jeová e evangeliza esse povo, como responder a eles quando me mostram essas fotos? Tem sido um grande desafio para mim. Mas sem hesitar, digo: São provas de que estamos nos últimos dias.
Conclusão
Sou feliz porque Jesus me salvou. Amo fazer parte de sua Igreja. Creio no poder de Deus e na atuação de seu Espírito Santo. Esse mesmo Espírito age como quiser. Quem sou eu para questioná-lo?! Contudo, não posso me calar diante de criancices, shows, palhaçadas. Lemos: "para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro." (Efésios 4:14) Tais palhaços usam artimanhas e astúcia para pregarem e agirem do jeito que sua clientela gosta.

Eu não sou quem dita as regras de comportamento dentro e fora dos cultos. Não quero que seja do meu modo, mas espero ordem e decência. (1 Coríntios 14:40) Desejo que você reflita no que escrevi. E oro por esses líderes e por suas vítimas. E peço perdão aos que exercem a profissão de "palhaço", pelo uso da foto no início e da expressão palhaçada. Estes palhaços me alegram muito mais do que os palhaços e suas palhaçadas religiosas. Por isso, a foto no início foi de um palhaço sem vida. - Fernando Galli.

ADVENTISTA

IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA – PARTE DE SEUS PIONEIROS NÃO CRIAM NA TRINDADE! Todos sabemos que a Igreja Adventista do Sétimo Dia se con...