CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL - APENAS SEUS MEMBROS SÃO IRMÃOS EM CRISTO


A Bíblia dá duas possibilidades apenas: Igreja (Ecclésia, Mateus 16:18) ou Seita (Hairésis, 2 Pedro 2:1).   Assim, analisaremos os ensinos da CCB à luz das Escrituras com o intuito de provar aos apologistas  cristãos medrosos e a nossos irmãos desinformados que esta organização não é um movimento contraditório, mas uma seita. Como a CCB não possui livros, serão usadas como provas documentais suas doutrinas publicadas em Assembleias anuais, disponíveis em sites de adeptos da CCB discordantes da seita, que procuram reformá-la e até purificá-la de suas heresias.

HERESIA DA CCB - A CCB declara que não devem ser considerados como irmãos aqueles que não foram batizados nela. Observe:
"Quando se vae batisar, sendo o servo de Deus um mandado do Senhor, para cumprir o mandamento deve usar as palavras “Em Nome do Senhor Jesus te batiso Em Nome do Pae, do Filho e do Espírito Santo” tudo conforme se encontra em S. Mateus XXVIII, vs. 19 e Atos II, vs. 38. Pois o sacramento que está cumprindo é um mandamento do Senhor Jesus. Sempre temos considerado que todos sejam batisados segundo o Senhor nos tem feito claro desde o princípio desta Obra. O SENHOR NOS GUIOU EM QUE SÓ SEJAM CONSIDERADOS NOSSOS IRMÃOS AQUELES QUE SE BATISAM ENTRE NÓS. Na obra de Deus não temos parentes nem amigos, todos somos iguaes e quem não está na doutrina não é considerado como irmão nem tem liberdade nos cultos." - ASSEMBLÉIA DE 28 A 31 DE MARÇO E 1° DE ABRIL DE 1961, - DOUTRINA DO BATISMO.
RESPOSTA CRISTÃ - É verdade que são nossos irmãos apenas aqueles que se batizam na Igreja Cristã, e esta Igreja existe desde o Pentecostes de Atos Capítulo 2. Desde então, todos os que creram em Jesus Cristo como único e suficiente Salvador de suas vidas (Atos 16:30, 31) foram batizados conforme ordem de Jesus: "Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. (Mateus 28:19, 20) Estes são nossos irmãos em Cristo.

O problema ocorre quando pessoas se reúnem para ensinar a heresia de que apenas os que se batizam entre elas* são irmãos em Cristo ou, se preferir, membros da única religião ou doutrina verdadeira. É o caso da CCB. É por esta razão que dizem apenas "a paz de Deus" apenas entrem si.

A CCB existe desde 1910. A Igreja, ou o Corpo de Cristo, já existia há quase 1900 anos. Esta Igreja sempre existiu depois da morte de Jesus, pois este afirmou que estaria com seus discípulos todos os dias, até o fim deste mundo. (Mateus 28:20). Portanto, não há a menor razão para crermos que o Senhor Deus tenha guiado os líderes da CCB desde o surgimento desta obra a considerar como irmãos em Cristo apenas seus adeptos. Ou foram homens equivocados ou o próprio Satanás, ou ambos, quem semearam essas heresias na CCB.

No final do trecho doutrinário da CCB acima, lemos "na obra de Deus não há parentes, nem amigos, e que quem não está na obra de Deus não é irmão." Se a CCB fosse uma igreja genuinamente cristã encararia membros de outras denominações cristãs como seus irmãos em Cristo. Todavia, sabemos que na prática, além de não nos considerarem irmãos, consideram-nos primos, quando nos aproximamos mais de perto deles. Lamentável isso!

Convidamos a todos os adeptos da CCB que se libertem das interpretações errôneas de sua liderança e experimentem de fato a verdadeira alegria desfrutada por todos os crentes na Igreja de Cristo. Mesmo em denominações diferentes, chamamo-nos de irmãos, porque a Bíblia ensina: "Somos filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo" (Gálatas 3:26), não por sermos parte de uma "irmandade" fundada em 1910. - Fernando Galli.
_________________

*Devido a este fato, defendo que os que foram batizados na CCB debaixo desta interpretação errônea, que foram às águas com estes conceitos errôneos, não estavam cientes do significado do batismo cristão. Foram batizados influenciados por crenças errôneas: (1) Que só ali há a verdade; (2) Que o batismo regenera e salva o crente (veremos isto em outro artigo). Portanto, quando um membro da CCB abandona esta crença e se arrepende de seus pecados, ele precisa ser batizado debaixo da Sã Doutrina.