TESTEMUNHAS DE JEOVÁ: FILHA, VOCÊ ESTÁ PROIBIDA DE IR AO CASAMENTO DE SUA IRMÃ!


Quando um "testemunha-de-jeová" é expulso de sua comunidade, ele é proibido de usufruir do convívio com seus ex-irmãos. Após o anúncio de que tal pessoa não é mais membro da seita, todos os tjs sabem que devem evitar sequer um "oi" a ela, a menos que seja um assunto emergencial, como um excluído passar mal na rua, ou no local de trabalho um tj precisar falar com um desassociado. E para quem não sabe, nem um defunto ex-tj, que não se arrependeu, poderá ter em seu velório uma palestra bíblica dirigida aos presentes. E se demonstrar arrependido mas não deu tempo de ser readmitido na seita, então pode-se fazer o discurso fúnebre em qualquer outro lugar menos no Salão do Reino.

Dias atrás, uma jovem ex-TJ há uns quatro anos, muito bem casada, com um lindo filho recém-nascido, todos da Igreja Batista (portanto, ela saiu por ter discordado da seita), estava feliz pelo casamento de sua outra irmã. De repente, sua mãe lhe telefona para avisar:

- Você não será convidada para estar no casamento de sua irmã.

Qual o motivo? A Bíblia ou as interpretações do corpo governante dos tjs? Vejamos:
"Não adianta procurar alguma regra sobre membros duma família estarem em reuniões em que um parente desassociado talvez esteja presente. Isto é algo que cabe aos envolvidos resolver, em harmonia com o conselho de Paulo. (1 Cor. 5:11) Contudo, deve ser reconhecido que, se o desassociado vai estar numa reunião à qual foram convidadas Testemunhas que não são parentes, isto poderá afetar o que os outros fazem." - A Sentinela, 15 de dezembro de 1981, página 26, parágrafo 23.
Quando o parágrafo de A Sentinela começa com instando a não se por regras para desassociados estarem presentes a reuniões para um casamento, de início pensamos que nenhuma proibição seria dada. Mas observe a continuação do mesmo parágrafo:
"Por exemplo, um casal cristão talvez se case num Salão do Reino. Se um parente desassociado vier ao Salão do Reino para o casamento, ele obviamente não faria ali parte do séqüito nupcial, nem “entregará” a noiva. No entanto, que dizer se houver uma festa ou recepção de casamento? Esta pode ser um acontecimento social feliz, assim como foi em Caná, onde Jesus estava presente. (João 2:1, 2) Mas, permitir-se-á a vinda do parente desassociado ou será até mesmo convidado? Se ele comparecesse, muitos cristãos, parentes ou não, poderiam chegar à conclusão de que não deveriam estar ali, comendo e associando-se com ele, em vista da orientação de Paulo em 1 Coríntios 5:11." - A Sentinela, 15 de dezembro de 1981, página 26, parágrafo 23.
Em primeiro lugar, permite-se que um desassociado vá ao Salão do Reino ver o casamento, mas não participa do séquito nupcial, como, por exemplo, se ele fosse o pai da noiva, ele não poderia entregar a noiva ao noivo. Onde a Bíblia ensina isso? Em lugar nenhum! Em segundo lugar, não se permite que o parente dos noivos estejam presentes na festa de casamento, pois se ele comparecesse ali, muitos TJs poderiam concluir que não deveriam estar ali, visto que a Bíblia proíbe "comer com os excluídos! Até que ponto esta interpretação é bíblica e cristã?

O texto de 1 Coríntios 5:11-13 diz, na "bíblia" dos tjs:
"11 Mas, eu vos escrevo agora para que cesseis de ter convivência com qualquer que se chame irmão, que for fornicador, ou ganancioso, ou idólatra, ou injuriador, ou beberrão, ou extorsor, nem sequer comendo com tal homem. 12 Pois, o que tenho eu que ver com o julgamento dos de fora? Não julgais vós os de dentro, 13 ao passo que Deus julga os de fora? “Removei o [homem] iníquo de entre vós.”
Posso garantir que a ex-TJ, cujo nome prefiro omitir, não é fornicadora, mesmo porque está casada há quase quatro anos. Também não é gananciosa, muito pelo contrário! Também não são idólatras, e com certeza na casa deles não há um ídolo sequer e o único Deus que adoram é Jeová! Não são injuriadores, nem beberrões e muito menos extorsores. Além disso, são cristãos na Igreja Batista, creem que o nome de Deus é Jeová, amam a Palavra de Deus e a reconhecem como tal, oram a Deus em nome de Jesus, creem no Espírito Santo de Deus e deixam as portas da casa deles abertas a visitas de seus parentes TJs. 

Então, qual é o pecado dela que impede sua presença na festa de casamento de sua querida irmã? Do ponto de vista TJ, porque ela se tornou membra da Igreja Batista.

Agora, imaginemos se a situação fosse o contrário: Que ela tivesse sido da Igreja Batista, excluída da Igreja porque se tornou TJ, e sua irmã, da igreja Batista, fosse se casar. Deveria a noiva batista convidar sua irmã que se tornou TJ para estar na festa? CLARO QUE SIM! Inclusive, seria uma ótima oportunidade para ela receber encorajamento para se arrepender do erro de ter se tornado membro de uma seita. Nesta ocasião, a ex-batista, hoje TJ, poderia até mesmo comer na minha mesa, a menos que tentasse me seduzir a ser fornicador, beberrão, ganancioso, extorsor, etc. 

Portanto, como cristão batista, reconheço que a Bíblia ensina a exclusão da igreja e aceitá-la de volta quando se arrepender. Se os TJs praticam isso, há igrejas batistas e de outras denominações que também praticam, pois está correto. Mas estabelecer regras além do que a Bíblia diz, fazendo malabarismos para proibir o que não se proíbe, para dar ares de ser uma "igreja" santa, isso caminha mais para o farisaísmo do que para a santidade. 

Quando deixei de ser TJ, o mesmo aconteceu comigo. O noivo TJ, parente meu, casou-se com uma não-TJ, mas não no Salão do Reino, porque ela não era TJ. Ou seja, se as TJs fossem a religião verdadeira, o noivo estaria em pecado por ter se casado com uma não-TJ. Mas na festa, eu não pude ir, porque fui desassociado por apostasia. E qual foi a minha apostasia? De Jeová? Não, pois o amava! De Jesus? Não, pois o amava também. Da Bíblia? Não, pois ela era a verdade de Deus para mim. Minha apostasia foi ter entregue 178 páginas de questionamentos aos anciãos sobre os erros do corpo governante TJ - falsas profecias, mudanças de ensinos, etc. Tempos depois, soubemos que os noivos mantinham relações sexuais antes do casamento. Ou seja, o apóstata era eu!

Assim, pergunto a você: Quando um testemunha-de-jeová bate a sua porta, não deveria sentir-se desafiado a ajudá-lo a se libertar disso? Quanto ao casal, e principalmente a própria ex-tj que está triste por não poder ir à festa de casamento de sua irmã, aconselho a se lembrarem de Mateus 19:30 e Marcos 10:29, 30. Às vezes, perdemos pais, mães, filhos, esposas, pela causa do Reino de Deus, mas recebemos cem vezes mais, ou seja, qualitativamente pessoas bem melhores, na família de Deus.

A todos os cristãos que pertenceram a essa organização chamada testemunhas-de-jeová e que perderam o companheirismo dos adeptos dela: Vocês são amados pelo Deus verdadeiro, em Cristo Jesus, com as doces consolações do Espírito Santo, e por uma família cristã chamada corpo de Cristo. E se você foi expulso das TJs, saibam disso: Recebendo a Jesus Cristo como único e suficiente Salvador de suas vidas, vocês são parte do corpo de Cristo pela fé em Jesus Cristo. Muito melhor do que perder um casamento, vocês, como parte da Igreja de Jesus, são a noiva de Cristo! Sejam bem-vindos! - Fernando Galli.