IGREJAS QUE ACEITAM MAÇONS


Muitas igrejas cristãs pouco fazem para evitar que pastores se tornem maçons. Alguns órgãos que respondem por essas igrejas, como convenções, sínodos, etc, também têm falhado em orientar e estabelecer diretrizes e leis para evitar que maçons adentrem em nosso meio. Algumas outras igrejas proíbem que pastores sejam maçons, mas membros comuns podem ser. Outras proibiram os pastores de serem maçons de uma data para frente, mas ainda permitem que os que já eram continuassem. Será que foi o medo de ficar com muitas igrejas sem pastor? Ou será que a tremeram diante do poder da maçonaria?


Sinceramente, ser maçom é pecado. Quão errôneo crer num Deus triúno, como cristão, e num deus genérico, que nada mais é do que o próprio Satanás, apelidado de G.A.D.U! (Grande Arquiteto do Universo), ou seja, um deus genérico para os cristãos, budistas, xintoístas, muçulmanos e judeus adorarem juntos. O que dizer então de um cristão ter um santo padroeiro escocês, o dito São João da Escócia, e ainda invocar as bênçãos dele? 

É bem verdade que há maçons que se convertem a Jesus, mas não largam a maçonaria. Felizmente, conheço muitos que aceitaram a Jesus e saíram dessa organização espiritualmente sem o verdadeiro Deus. Uma  podridão espiritual? Muitos concluem que sim, embora eu não negue as boas obras que a maçonaria faz em prol da humanidade, afinal de contas, a maçonaria crê que para o maçom um dia entrar na Loja Celestial ele precisa fazer boas obras, bem contrário do que a Bíblia ensina. - Efésios 2:8-10.

Então, quando uma igreja cristã sabe que um recém interessado aceitou Jesus mas é maçom, ela deveria orientá-lo a deixar a maçonaria já antes de aceitá-lo como membro da Igreja. Tal pessoa deve evidenciar que se arrependeu de ser maçom, assim como que se arrependeu de outros pecados. Digo isto porque como muitas igrejas apertaram o cerco contra a maçonaria, muitos maçons têm usado a estratégia de adormecer (desistir da maçonaria por motivos "pessoais") para serem aceitos nas igrejas, e depois retornam. Neste caso, defendo que, se depois de muitas tentativas a pessoa não abandona a maçonaria, ela deverá ser excluída da igreja, se já for um membro dela.

Toda a semana, recebo e-mails de maçons que se dizem cristãos. Devo chamá-los de irmãos em Cristo? Depende. Se percebo que é um recém convertido a Jesus, que também não galgou vários graus da maçonaria, portanto, é um neófito cristão e maçônico, então eu o chamo de irmão em Cristo, e o faço pois precisa de ajuda com evidências sólidas para que tenha subsídios e sair da podridão espiritual. Mas se percebo que é uma pessoa que está na Igreja há um bom tempo, que conhece razoavelmente a maçonaria, mas a defende, como se não houvesse nada incompatível entre Cristianismo e maçonaria, então percebo que a pessoa está em pecado. Será mesmo que ela se converteu? Que nasceu de novo? Ou é rebelde e insensível à ação do Espírito Santo? Ou é orgulhosa e não quer admitir o erro pelo fato de a maçonaria, como muitos maçons define, é fascinante?

Já lidei com casos de maçons que tinham medo de sair de lá, outros que saíram para sempre, outros que viviam sendo assediados para se tornar membros dessa religião disfarçada de "sei lá o que". A todos tenho procurado ajudar. Todavia, causa-me repugnância uma igreja tolerar um maçom em suas fileiras como se tudo fosse normal. Ou como me disse um pastor: "Na minha igreja, não aceito pastor maçom. Mas se for membro e der um bom dízimo, aí tudo bem!" Será que Jesus endossaria estas palavras?

Que Deus proteja a Igreja Cristã contra essa má influência espiritual Adoremos a Deus pelos nomes com os quais se identifica na Bíblia e não uma sigla GADU - identificação bem genérica, por sinal.- Fernando Galli.