INERRÂNCIA BÍBLICA - A BÍBLIA É CONTRADITÓRIA?

.
Como defensores da fé cristã e da Palavra verdadeira de Deus, inerrante e completa, cremos ser necessário refutar toda tentativa de se provar que a Bíblia é contraditória. Assim, observe a seguir vinte pseudo-provas de que na Bíblia há contradições e, por isso, ela seria mera Palavra de homens. O artigo a seguir, em cor vermelha, foi escrito pelo Sr. Jonas Alexandre, no seu blog O BOM HEREGE - RAZÃO, FÉ, CIÊNCIA E RELIGIÃO. Pedimos aos leitores que, ao visitarem o site do Sr. Jonas Alexandre, orem por ele. Nosso objetivo não é criticar a pessoa dele, mas expressar nosso modo de pensar sobre seus comentários contra a Palavra de Deus.

Argumentos contra a inspiração divina da Bíblia e refutações

Assim começa o texto do Sr. Jonas Alexandre sobre as supostas provas de que a Bíblia seja contraditória:

"A BÍBLIA CONTÉM MAIS DE 2.000 CONTRADIÇÕES EXPLÍCITAS E IMPLÍCITAS, O QUE MOSTRA O MITO DA “INSPIRAÇÃO DIVINA”. VEREMOS A SEGUIR 20 DESSAS CONTRADIÇÕES:"

Refutação apologética - Convém lembrar aos leitores que o Sr. Alexandre não está sozinho em provar que a Bíblia seja contraditória. Junto a ele estão Satanás e seus demônios, mestres em tentar desacreditar a veracidade da Bíblia e sua inspiração, e alguns pastores no meio evangélico, nas denominações batistas, presbiterianas, matodistas e até entre os pentecostais e pentecosteiros (neopentecostais). Por exemplo, um pastor da Igreja Batista Renovada, que esteve visitando a Primeira Igreja Batista da cidade de Américo Brasiliense disse: "A Bíblia é a Palavra de Deus, mas contém cerca de dois mil erros." Um outro pastor da Convenção Batista Brasileira disse numa conversa telefônica a um apologista do IACS: "Cara, deixe as testemunhas de Jeová em paz. Ajuda os pobres. A Bíblia tem muitas interpretações. Aliás, a Bíblia nunca quis ser Bíblia." Outro reverendo presbiteriano, da IPB, disse numa escola bíblicadominical: "A Bíblia não é cem por cento a Palavra de Deus, mas certamente contém a Palavra de Deus. Por isso que observamos centenas de contradições." Também, certo pastor da Igreja Metodista afirmou: "Se eu disser que a Bíblia seja inerrante, com todas as contradições que ela possui, eu estaria sendo um mentiroso do lado do Diabo." Evidentemente, essas opiniões particulares de pastores dessas amadas denominações não representam a declaração de fé dessas igrejas cristãs. Mas é uma grande pouca vergonha eles sujarem a imagem da Palavra de Deus. Então, o IACS deseja refutar as falsas provas do Sr. Jonas Alexandre e não as de pastores que buscam popularidade e um jeitinho moderninho de interpretar a Bíblia como melhor lhes convém. E para aqueles leitores que acharem nosso ponto de vista exagerado, quando comparamos o que crê o Sr. Alexandre com os tais pastores, não cremos ser exagero. De fato, o Sr. Alexandre crê que toda a Bíblia seja palavra de homens, enquanto os pastores que crêem haver duas mil contradições na Bíblia afirmam que ela contenha a Palavra de Deus. Mesmo assim, isso é heresia! Dois mil erros equivaleria afirmar que a cada 15,5 versículos há um erro na Bíblia. Se isso fosse verdade, a Bíblia não seria mesmo a Palavra de Deus. Como que o Autor dela, o Deus Todo-Poderoso, permitiria que dois mil erros fossem cometidos num Livro que se apresenta como perfeito? (Salmo 19:7) Analisemos então as vinte provas para as alegadas contradições na Bíblia.
FALSA CONTRADIÇÃO 1 - "MATEUS E LUCAS DIVERGEM ACERCA DO NOME DO PAI DE JOSÉ: Jesus foi filho de José, que o foi de Jacó (Mateus 1:16). Jesus foi filho de José, que o foi de Eli (Lucas 3:23)."

Refutação apologética - Além de não conhecer pelo menos o básico do hebraico e do grego, bem como de cultura e costumes judaicos, o Sr. Jonas Alexandre demonstra não conhecer a Bíblia. Talvez ele até seja uma vítima de outros que não reconhecem a inerrância bíblica e apenas copiou esses questionamentos, sem mencionar a fonte. A questão é: Quantos Zacarias existem em toda a Bíblia? Se não erramos em nossas pesquisas, há vinte Zacarias. Dentre esses vinte Zacarias, há um mencionado em Zacarias 1:1 da seguinte forma: "No oitavo mês do segundo ano de Dario, veio a palavra do SENHOR ao profeta Zacarias, filho de Baraquias, filho de Ido." Ora, Jesus poderia ter citado este Zacarias, e já que tantos Zacarias são mencionados nas Escrituras, poderia sem dúvida haver dois Zacarias que morreram nas mesmas circusntâncias. Além disso, a expressão usada por Jesus "desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias" equivaleria dizer: "Desde Abel (cerca de 4000 a.C.) a Zacarias (520 a.C.)". Assim, referindo-se Jesus ao profeta Zacarias (escritor do seu próprio livro), o período de tempo abrangido aqui seria maior do que se fosse o Zacarias, filho de Jeoiada, que morreu por volta de 800 a.C.. Jesus, então, quis dizer que em toda a história antes de sua vinda, o sangue dos mártires seria colocado sobre seus opositores. Se Jesus estivesse se referindo ao Zacarias de 2 Crônicas, o ponto início de contagem de tempo (Abel) e o final (Zacarias, 800 a. C) seria inferior que o início dessa contagem (Abel) e o final (Zacarias, 520 a.C.). "Tomou-lhe Davi mil e setecentos cavaleiros e vinte mil homens de pé.
;"Porém o rei disse a Araúna: Não, mas eu to comprarei pelo devido preço, porque não oferecerei ao SENHOR, meu Deus, holocaustos que não me custem nada. Assim, Davi comprou a eira e pelos bois pagou cinqüenta siclos de prata." - 2 Samuel 24:24.
Refutação apologética .- O texto aqui não apresenta contradição. Nos dias de Jesus, até hoje, costumamos dizer que um Presidente da República envia um ministro de Estado para que este fale em nome do Presidente. Então, quem falou com Jesus foram os anciãos dos judeus, os quais, enviados pelo centurião, representaram-no diante de Jesus. Os textos seriam contraditórios se um dissesse que Jesus foi curar e o outro que não foi. Ou então que o centurião foi pessoalmente falar com Jesus, mas o outro dissesse que foram os anciãos, mas a palavra pessoalmente não aparece aqui. Assim, como há essa óbvia possibilidade de explicação, desafiamos os "grandes teólogos" do ateísmo e até do cristianismo a mostrarem onde nesses textos há a contradição, sendo que o que observamos nessa comparação são duas narrações diferentes do mesmo ocorrido: Mateus ênfatiza a origem do pedido (o centurião) e Lucas os que foram enviados em nome do centurião para fazer o pedido a Jesus.
FALSA CONTRADIÇÃO 3 - "ABIUD E RESA NÃO CONSTAM NA LISTA DE TODOS OS FILHOS DE ZOROBABEL EM I Crônicas 3:19-20, MAS MATEUS E LUCAS DIZEM QUE ELES FAZEM PARTE DA FAMÍLIA: Abiud é filho de Zorobabel (Mateus 1:13). Resa é filho de Zorobabel (Lucas 3:27)."
"Os filhos de Pedaías: Zorobabel e Simei; os filhos de Zorobabel:
"E Jacó gerou a José." - Mateus 1:16.

"Era, como se cuidava, filho de José, filho de Eli." - Lucas 3:23.

Refutação apologética - Para quem desconhece cultura e costumes judaicos, é bem fácil ver contradição aqui. Todavia, para aqueles que investigam a fundo o conhecimento de Deus e a história do seu povo, antes de Cristo, entendem que são três as possibilidades para explicarmos essa aparente contradição: (1) Ou José foi filho de Jacó por nascimento, mas adotado por Eli, visto que Mateus 1:16 diz que Jacó gerou José, mas em Lucas 3:23 diz que José era filho de Eli, o que permite-nos a interpretação de José ter sido filho adotivo de Eli; (2) Ou Jacó teria sido irmão de Eli, e como era o costume judaico, ao morrer Jacó, Eli poderia ter, no sentido legal, ser considerado o pai de José, por talvez ter continuado a descendência de seu irmão (Jacó) falecido; (3) Ou a palavra "pai", no hebraico, pôde ter sido usada como equivalente de sogro, o que é possível; (4) ou que Jacó e Eli tivessem sido a mesma pessoa, com nomes diferentes, o que é tão comum na Bíblia. (Atos 13:9; Juízes 6:32; 7:1; 2 Reis 24:6 e 1 Crônicas 3:16) Assim, para que fosse uma contradição clara entre Mateus 1:16 e Lucas 3:23, teríamos que provar serem todas essas possibilidades acima impossíveis. Desafiamos os críticos da Bíblia a fornecerem tais provas.
FALSA CONTRADIÇÃO 2 - "MATEUS DIZ QUE O CENTURIÃO FALOU DIRETAMENTE COM JESUS, LUCAS CONTRADIZ AFIRMANDO QUE O CENTURIÃO MANDOU OUTRAS PESSOAS EM SEU LUGAR: O centurião se aproximou de Jesus e pediu ajuda para um criado doente (Mateus 8:5-7). O centurião não se aproximou de Jesus. Ele enviou amigos e os anciões dos judeus (Lucas 7:2-3,6-7)."

"Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se-lhe um centurião, implorando: Senhor, o meu criado jaz em casa, de cama, paralítico, sofrendo horrivelmente. Jesus lhe disse: Eu irei curá-lo." - Mateus 8:5-7.
"E o servo de um centurião, a quem este muito estimava, estava doente, quase à morte. Tendo ouvido falar a respeito de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos dos judeus, pedindo-lhe que viesse curar o seu servo. Então, Jesus foi com eles. E, já perto da casa, o centurião enviou-lhe amigos para lhe dizer: Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres em minha casa. Por isso, eu mesmo não me julguei digno de ir ter contigo; porém manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado." - Lucas 7:2, 3, 6, 7.
"Mesulão e Hananias; e Selomite, irmã deles; e Hasuba, Oel, Berequias,
Hasadias e Jusabe-Hesede; cinco ao todo." - 1 Crônicas 3:19, 20.
"Jodá, filho de Joanã, Joanã, filho de Resa, Resa, filho de Zorobabel,este,
de Salatiel, filho de Neri." - Lucas 3:27.
"Zorobabel gerou a Abiúde; Abiúde, a Eliaquim; Eliaquim, a Azor."- Mateus 1:13.

Resposta apologética - Para uma análise maior e melhor de textos como estes, mais complicados, que parecem ser inexplicáveis, precisamos entrar em maiores detalhes. Primeiro, qual era o parentesco entre Zorobabel, Pedaías e Salatiel? Zorobabel evidentemente foi filho de Pedaías, o qual foi irmão de Sealtiel. Na Bíblia observamos Zorobabel como de filho de Sealtiel. (Mateus 1:12; Lucas 3:27), provavelmente porque, após a morte de Pedaías, Sealtiel criou Zorobabel, ou uma outra possibilidade: Quando Sealtiel morreu sem filhos, Pedaías fez o chamado casamento de cunhado, e Zorobabel foi o primogênito dessa união. — Deuteronômio 25:5-10.
Com essas aparentes discrepâncias adjacentes ao questionamento do Sr. Jonas Alexandre, passamos a respondê-lo então: Por que Abiud não consta na relação de 1 Crônicas 3:19, 20 como filho de Zorobabel? Porque Mateus, provavelmente, ao narrar que Zorobabel gerou Abiud, estivesse usando o verbo gerar significando "ser um antepassado de". Jesus é chamado de filho de Davi e Davi filho de Abraão. (Mateus 1:1) Assim, Abraão gerou ou "tornou-se Pai" de Davi, por ser seu antepassado, e o mesmo podemos dizer sobre Davi em relação a Jesus. Isso é um dos motivos pelos quais os judeus disseram a Jesus: "Nosso pai é Abraão". (João 8:39) Os judeus estavam se referindo aqui a serem descendentes de Abraão e se beneficiarem disso. Portanto, a palavra "pai" entre os judeus poderia significar um antepassado. O mesmo podemos dizer de Resa, outro descendente de Zorobabel, pai de Resa por ser antepassado dele. No entanto, os filhos diretos de Zorobabel são aqueles mencionados em 1 Crônicas 3:19, 20. Essas explicações não são "forçar a barra", mas são possíveis no contexto judaico. Mas o ponto é: Como há uma explicação possível (e outras também não mencionadas aqui), quem precisa provar a "contradição" agora são os "teologos" especialistas em achar "erros" na Bíblia e seus parceiros ateus, todos a serviço daquele que ama desacreditar a Palavra de Deus.
Outra pergunta interessante sobre esses personagens é: Por que Lucas 3:27 fala de Sealtiel, filho de Jeconias, como sendo filho de Neri? Bem, Jeconias foi o pai de Sealtiel. Todavia, Neri pode ter dado sua filha a Sealtiel por esposa. Assim, Lucas trata o genro de Neri como filho de Neri. Vemos o mesmo acontecer no caso de José, quando Lucas o chamou de filho de Eli, pai de Maria. - Lucas 3:23.
FALSA CONTRADIÇÃO 4 - "MARCOS DIZ QUE JESUS MANDA OS DISCÍPULOS USAREM SANDÁLIAS, MATEUS DIZ O CONTRÁRIO: Jesus disse aos seus discípulos que deveriam andar calçados com sandálias (Marcos 6:8,9). Jesus lhes disse que deveriam andar descalços (Mateus 10:10).
"Ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, exceto um bordão;
nem pão, nem alforje, nem dinheiro; que fossem calçados de sandálias
e não usassem duas túnicas." - Marcos 6:8, 9.
"Nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias,
nem de bordão; porque digno é o trabalhador do seu alimento."
- Mateus 10:10.

Refutação apologética - Os dois textos não estão em contradição. É simples o entendimento dessas duas passagens. No caso de se levar um bordão (pau grosso de arrimo, cajado), Marcos diz que os discípulos poderiam levar um bordão, ou seja, o que eles já tinham. Mateus narra Jesus dizendo para não levar bordão, ou seja, um outro além do que já tinham, conforme Marcos relata. O mesmo podemos dizer das sandálias. Eles iriam de sandálias, conforme Marcos escreve, mas Mateus quer dizer: "Não leveis outras sandálias." Isso é confirmado em Lucas 10:4 que diz: "Não leveis bolsa, nem alforje (sacola de couro para carregar objetos pessoais), sem sandálias." O verbo grego aqui em Lucas 10:4 para levar é "bastazo", que de acordo com a Concordância de Strong de Palavras do Novo Testamento, verbete número 941, significa "carregar com as mãos". Assim, queremos informar aos "teólogos" que duvidamda inerrância da Bíblia, bem como aos ateus, que sandálias se leva nos pés, e como Lucas usa a palavra "bastazo", no grego, Jesus evidentemente estaria proibindo se levar as sandálias na mão, ou seja, sandálias além das usadas nos pés.
FALSA CONTRADIÇÃO 5 - "A transfiguração de Jesus ocorreu 6 dias após ter sido profetizada (Mateus 17:1-2). A transfiguração ocorreu 8 dias após (Lucas 9:28-29): DOIS DIAS DE DIFERENÇA ENTRE OS RELATOS DE MATEUS E LUCAS."

"Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro e aos irmãos Tiago e João
e os levou, em particular, a um alto monte. E foi transfigurado diante deles;
o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas
como a luz." - Mateus 17:1, 2.

"Cerca de oito dias depois de proferidas estas palavras, tomando consigo
a Pedro, João e Tiago, subiu ao monte com o propósito de orar. E aconteceu
que, enquanto ele orava, a aparência do seu rosto se transfigurou e suas
vestes resplandeceram de brancura." - Lucas 9:28, 29.

Refutação apologética - Segundo os peritos em hebraico, e cultura judaica, há o cálculo de tempo não-inclusivo, ou seja, seis dias são seis dias sem incluir as partes dos outros dias, e o cálculo de tempo inclusivo, ou seja, inclui-se os dias inteiros mais as partes dos outros dias. Assim, a expressão "cerca de oito dias depois" em Lucas, significa partes do primeiro dia, mais seisdias inteiros e partes do último dia. Por isso que a palavra grega para "cerca de" é "hosei" e significa "aproximadamente", "como se [fosse(m)]", de acordo com a Concordância de Strong e outros Dicionários de Palavras do Novo Testamento Grego. Quanto a Mateus, ele usa o cálculo não-inclusivo, ou seja, ele desconsidera as partes dos primeiro e último dias e registra "seis dias depois". Assim, quando a Bíblia diz que Jesus ficou sepultado três dias e três noites, esses três dias e três noites é cálculo inclusivo, ou seja, parte do primeiro dia (sexta feira), o dia inteiro do sábado e parte do domingo. Isso é claramente deduzido numa linguagem similar no livro de Ester, onde lemos que o povo jejuou 'por três dias, de noite e de dia', até o momento em que Ester se apresentou perante o Rei. (Ester 4:16) Todavia, lemos em Ester 5:1 que ela se apresentou ao Rei no terceiro dia, ou seja, não foi após 72 horas, mas numa hora qualquer do terceiro dia, mas se conta do mesmo jeito três dias, nem de noite e nem de dia. Assim, acusar a Bíblia de conter erros e contradições sem conhecer as línguas originais, ou fazer de conta que não conhece, é argumento facilmente refutável por estudiosos sinceros da Palavra de Deus.
FALSA CONTRADIÇÃO 6 - "JESUS ERRA O NOME DO PAI DE ZACARIAS: Jesus disse que Zacarias era filho de Baraquias (Mateus 23:35). Mas Zacarias era filho de Joiada (II Crônicas 24:20-22).


"Para que sobre vós recaia todo o sangue justo derramado sobre a terra,
desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias,
a quem matastes entre o santuário e o altar." - Mateus 23:35.

"O Espírito de Deus se apoderou de Zacarias, filho do sacerdote Joiada,
o qual se pôs em pé diante do povo e lhes disse: Assim diz Deus:
Por que transgredis os mandamentos do SENHOR, de modo que
não prosperais? Porque deixastes o SENHOR, também ele vos deixará.
Conspiraram contra ele e o apedrejaram, por mandado do rei, no pátio
da Casa do SENHOR. Assim, o rei Joás não se lembrou da beneficência
que Joiada, pai de Zacarias, lhe fizera, porém matou-lhe o filho; este,
ao expirar, disse: O SENHOR o verá e o retribuirá." - 2 Crônicas 24:20-22.

Refutação apologética - Uma outra explicação possível, na qual achamos ser uma segunda opção, seria considerar o Zacarias de Mateus 23:35 como o mesmo de 2 Crônicas 24:20-22, na seguinte hipótese: Jesus teria querido dizer: "Desde Abel (Gênesis) até Zacarias (2 Crônicas, pois nos dias de Jesus, Crônicas era o último livro do cânon do Antigo Testamento), o sangue de todos os mártires será colocado sobre vocês". Isso nos levaria a crer que Joiada era conhecido com o nome de Baraquias, algo tão comum nas Escrituras. Assim, essa expressão significaria o que é para nós hoje a frase "de Gênesis a Apocalipse". De qualquer forma, não há, debaixo das duas melhores explicações para a comparação de 2 Crônicas 24:20-22 com Mateus 23:35, nenhuma contradição. E vale lembrar que essas explicações se baseiam em fatos bíblicos e profundo estudo de linguagem e história do povo judeu.


FALSA CONTRADIÇÃO 7 - "A VIDEIRA SECOU INSTATANEAMENTE APÓS MALDIÇÃO DE JESUS, A VIDEIRA NÃO SECOU NO MESMO INSTANTE, A DIVERGÊNCIA ENTRE MARCOS E MATEUS: Um dia após Jesus ter amaldiçoado a figueira, os discípulos notaram que ela havia secado (Marcos 11:14-15,20) A figueira secou imediatamente após a maldição ser posta (Mateus 21:19). O ABSURDO MAIOR É O MOTIVO QUE LEVOU JESUS A AMALDIÇOÁ-LA: ELA NÃO DEU FRUTO FORA DE ÉPOCA."

"Então, lhe disse Jesus: Nunca jamais coma alguém fruto de ti! E
seus discípulos ouviram isto. E foram para Jerusalém. Entrando ele no templo,
passou a expulsar os que ali vendiam e compravam; derribou as mesas dos
cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. [...] E, passando eles pela
manhã, viram que a figueira secara desde a raiz." - Marcos 11:14, 15, 20.

"E, vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela; e, não tendo achado senão folhas, disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti! E a figueira secou imediatamente." - Mateus 21:19.

Refutação apologética - Em primeiro lugar, o jovem Sr. Jonas Alexandre percebeu uma aparente contradição fácil de ser refutada, e despercebeu no contexto uma mais difícil de ser refutada. Comecemos pela mais fácil. Mateus relata uma verdade: a figueira secou imediatamente, mas Marcos narra que as pessoas perceberam isso no dia seguinte. Nenhuma contradição. Quanto à indignação do jovem oponente da Palavra de Deus sobre Jesus amaldiçoar a figueira porque não deu fruto fora da estação, apenas gostaríamos de informar que Jesus não estava bravo com a figueira, mas apenas usou-a como comparação, recurso ilustrativo, para atingir o seu objetivo - e Marcos, ao narrar essa passagem, faz uma intercalação de histórias: a da figueira com a da purificação do templo. (Leia Marcos 11:12-20) Assim, qual é o objetivo de Jesus e do Espírito Santo ao inspirar Marcos em intercalar essas duas histórias, de modo que uma complete a outra? É apontar de modo profético para o julgamento condenatório do templo em Jerusalém, bemcomo das ministrações realizadas ali pelos sacerdotes. Se um sistema não alimenta espiritualmente as pessoas quando elas têm fome, não serve. Para quem é oco em história judaica, recomendamos a leitura de dois textos bíblicos, bem conhecidos do povo judeu daquela época:

"Ai de mim! Porque estou como quando são colhidas as frutas do verão, como os rabiscos da vindima: não há cacho de uvas para chupar, nem figos temporãos que a minha alma deseja." - Miquéias 7:1."Eu os consumirei de todo, diz o SENHOR; não haverá uvas na vide, nem figos na figueira, e a folha já está murcha; e já lhes designei os que passarão sobre eles." - Jeremias 8:13.

Para os judeus que lessem a narrativa de Marcos com duas histórias intercaladas, e que conhecessem ao mesmo tempo os textos de Miquéias 7:1 e Jeremias 8:13, ficaria bem evidente que o teor da mensagem seria um simbolismo profético contra o sistema religioso judaico. Analisar o caso da figueira sem o seu contexto é amaldiçoar a narrativa e fazê-la secar sem aproveitar sua mensagem principal.Agora, passemos para a maior aparente contradição que o Sr. Jonas Alexandre não percebeu: Quando foi a figueira amaldiçoada - antes ou depois da purificação do templo? Observe que Mateus afirma que ela foi amaldiçoada depois da purificação do templo, mas Marcos diz que foi antes desse evento. Observe:
"Tendo Jesus entrado no templo, expulsou todos os que ali vendiam e compravam. [...] E, vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela; e, não tendo achado senão folhas, disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti! E a figueira secou imediatamente.[...] Tendo Jesus chegado ao templo, estando já ensinando, acercaram-se dele os principais sacerdotes e os anciãos do povo, perguntando: Com que autoridade fazes estas coisas? E quem te deu essa autoridade?" - Mateus 21:12, 19-23.
"E, quando entrou em Jerusalém, no templo, tendo observado tudo, como fosse já tarde, saiu para Betânia com os doze. No dia seguinte, quando saíram de Betânia, teve fome. E, vendo de longe uma figueira com folhas, foi ver se nela, porventura, acharia alguma coisa. Aproximando-se dela, nada achou, senão folhas; porque não era tempo de figos. Então, lhe disse Jesus: Nunca jamais coma alguém fruto de ti! E seus discípulos ouviram isto. E foram para Jerusalém. Entrando ele no templo, passou a expulsar os que ali vendiam e compravam." - Marcos 11:11-15.
Pelas cores diferentes nos textos, conseguimos resolver a questão. Jesus foi duas vezes ao templo. Na primeira vez (Marcos 11:11), não fez nada em termos de purificar o templo. No dia seguinte, amaldicoou a figueira, e retorna ao templo e o purifica. Mas Mateus relata as duas idas ao templo como se elas fossem uma só, pois quer se concentrar na passagem da figueira. Os dois relatos inspirados, portanto, não apresentam contradição.FALSA CONTRADIÇÃO 8 - "QUEM SOLICITOU O CENSO DE ISRAEL? DEUS OU SATANÁS? A BÍBLIA ADMITE A CONTRADIÇÃO: Satanás provocou Davi a fazer um censo de Israel (I Crônicas 21:1). Deus sugeriu a Davi fazer um censo de Israel (II Samuel 24:1)."

"Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou a Davi a levantar o censo de Israel." - 1 Crônicas 21:1.

"Tornou a ira do SENHOR a acender-se contra os israelitas, e ele incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, levanta o censo de Israel e de Judá." - 2 Samuel 24:1.

Resposta apologética - Quem incitou Davi a fazer o censo - Deus ou Satanás? Ora, os opositores da Palavra de Deus devem estudar mais a Bíblia e perceber como Deus age. Muitas vezes ele permite que Satanás faça algo contra um servo dele, ou incite, provoque este a pecar, paradar uma lição a esse servo e ao próprio Diabo. Nos dias de Jó, Deus permitiu que Satanás ferisse Jó. (Jó capítulos 1 e 2) Enquanto Satanás pretendia induzir Jó a pecar e abandonar sua integridade a Deus, Deus tinha outro objetivo - provar mais uma vez que Satanás era um mentiroso. No caso de Jesus, Deus permitiu que a serpente, o Diabo, machucasse o calcanhar de Jesus, uma ferida, mas enquanto o Diabo queria matar o Filho de Deus, o objetivo de Deus era salvar a humanidade. Assim, podemos dizer que no caso de Davi, quem incitou-o a errar foi Satanás, mas debaixo da permissão de Deus, pois o objetivo de Deus era dar a Davi e aos israelitas uma lição de humildade. Nada de discrepante, muito menos contraditório. É apenas o modo de Deus agir.

FALSA CONTRADIÇÃO 9 - "DIVERGÊNCIA ACERCA DO NÚMERO DE HOMENS PREPARADOS PARA GUERRA: Israel dispõe de 800.000 homens aptos para manejar espadas, enquanto que Judá dispõe de 500.000 homens (II Samuel 24:9). Israel dispõe de 1.100.000 homens aptos para manejar espadas, enquanto que Judá dispõe de 470.000 homens (I Crônicas 21:5)."
"Deu Joabe ao rei o recenseamento do povo: havia em Israel oitocentos mil homens de guerra, que puxavam da espada; e em Judá eram quinhentos mil." - 2 Samuel 24:9.

"Deu Joabe a Davi o recenseamento do povo; havia em Israel um milhão e cem mil homens que puxavam da espada; e em Judá eram quatrocentos e setenta mil homens que puxavam da espada." - 1 Crônicas 21:5.
Refutação apologética - Atacar a Bíblia sem conhecê-la é fácil. Mas graças a Deus, há muita pesquisa sobre inerrância bíblica, e podemos explicar as aparentes contradições, uma a uma. Desta vez, gostaríamos de citar na íntegra a resposta dada por Norman Geisler e Thomas Howe, apologistas conhecidos e renomados internacionalmente:
"Esta discrepância decorre do fato de quem se incluía em cada relato. No registro de 2 Samuel, o número de homens valorosos que puxavam da espada era 800.000, mas este número não incluía o exército permanente de 288.000 descrito em 1 Crônicas 27:1-15, nem os 12.000 que tinham sido especificamente destacados para Jerusalém, referidos em 2 Crônicas 1:14. Incluindo-se estas parcelas, chega-se ao total de 1.100.000 homens valorosos, que constituíam o exército total de homens em Israel. O número de 470.000 citado em 1 Crônicas 21 não incluía 30.000 homens do exército permanente de Judá mencionado em 2 Samuel 6:1. Isso é evidente pelo fato de que o autor de Crônicas menciona que Joabe não tinha completado a contagem dos homens de Judá (1 Cr 21:6). Assim, todos os números estão corretos, de acordo com os números que foram neles incluídos ou deles excluídos em cada relatório." - GEISLER, Norman e HOWE Thomas, Manual Popular de Dúvidas, Enígmas e "Contradições" da Bíblia, página 186, Editora Mundo Cristão.
Perguntamos aos que procuram desesperadamente desacreditar a Bíblia: O número de homens de seus respectivos grupos somado aos 800 mil e 470 mil é mera coincidência, ou realmente a Bíblia não se contradisse? Claro que não se contradisse.
FALSA CONTRADIÇÃO 10 - DAVI FOI O SÉTIMO OU OITAVO NA ORDEM DE NASCIMENTO? Davi foi o oitavo filho de seu pai (I Samuel 16:10,11). David foi o sétimo filho (I Crônicas 2:13-15).

"Assim, fez passar Jessé os seus sete filhos diante de Samuel; porém Samuel disse a Jessé: O SENHOR não escolheu estes." - 1 Samuel 16:10, 11.
"Jessé gerou a Eliabe, seu primogênito, a Abinadabe, o segundo, a Siméia, o terceiro, a Natanael, o quarto, a Radai, o quinto, a Ozém, o sexto, e a Davi, o sétimo." - 2 Crônicas 2:13-15.

Resposta apologética - Haveria uma contradição entre esses textos se o de 2 Crônicas 2:13-15 tivesse dito que Jesse teve apenas sete filhos. Em vez disso, o texto classifica de modo ordinal os filhos que estavam vivos na ocasião da escrita de 2 Crônicas. Ou talvez, por uma razão não especificada, não foi mencionado um dos filhos, como por exemplo, talvez por ter morrido sem ter filhos e incluir seu nome numa genealogia ou lista de filhos de um pai não faria sentido. Mas preferimos a primeira possibilidade, pois desde a antiguidade, de fato, é comum os pais ou os netos, ou as pessoas contemporâneas de uma determinada família, mencionarem apenas os filhos vivos. Por exemplo, na família de um de nossos amigos apologistas, recentemente, uma senhora contou que todos achavam que ela fosse a terceira dos seis filhos que seus pais tiveram. Mas todos ficaram surpresos ao saber que ela era a quinta, pois dois de seus irmãos morreram quando muito jovens.FALSA CONTRADIÇÃO 11 - "AUTOR DE II SAMUEL REGISTRA 1700 CAVALEIROS, AUTOR DE I CRÔNICAS REGISTRA 7000 CAVALEIROS PARA O MESMO EVENTO: Davi tomou 1.700 cavaleiros de Adadezer (II Samuel 8:4). Davi tomou 7.000 cavaleiros de Adadezer (I Crônicas 18:4)."
"Davi jarretou todos os cavalos dos carros, menos para cem deles." - 2 Samuel 8:4.
"Tomou-lhe Davi mil carros, sete mil cavaleiros e vinte mil homens de pé; Davi jarretou a todos os cavalos dos carros, menos para cem deles." - 1 Crônicas 18:4.
Resposta apologética - Não podemos ser desonestos com os leitores da Bíblia e negarmos que aqui uma das duas informações é a correta, e a outra é incorreta. Mas representa isso um erro da Palavra de Deus? De jeito nenhum! A Palavra de Deus foi originalmente escrita sem erros, e em pouquíssimos casos, devido a similaridade dos textos, ou às dificuldades na tradução, os copistas, e não os escritores inspirados, podem ter cometido erros. Todavia, esses pequeninos erros dos copistas, que não influem em nada na mensagem bíblica, representam aos ateus e céticos uma falsa forte prova da não-inspiração das Escrituras, quando apenas provariam a imperfeição dos copistas. A título de ilustração, se você recebesse uma carta do seu Banco avisando que você foi contemplado com um prêmio de 20 mil reais, e no dia seguinte você recebesse outra carta afirmando que o prêmio seria de 2 mil reais, deixaria de ir receber o prêmio só porque os valores não coincidiram? Você mesmo assim iria, pois a verdade estava confirmada duas vezes: Você ganhou um prêmio. O mesmo podemos dizer sobre Davi: Ele tomou um certo número de cavaleiros. Outros equívocos foram cometidos pelos copistas, e às vezes o contexto nos ajuda a solucionar o erro da cópia incorreta. Por exemplo, lemos em 2 Reis 8:26 que Acazias tinha 22 anos, mas em 2 Crônicas 22:2 afirma que ele tinha 42 anos. Esta última idade está incorreta, pois isso fara de Acazias mais velho que seu pai. Mas poderiam os ateus, céticos e os religiosos que os acompanham provar que os escritos originais estavam errados? Não! Assim, ater-se a falhas mínimas de copistas para provar a errância bíblica não é método honesto de pesquisa. Por outro lado, em respeito ao trabalho desses copistas, a maioria das traduções deixam esses "errinhos" no texto sagrado, mostrando que confiam na Bíblia como a Palavra de Deus, sem precisar para provar isso usar de desonestidade.
FALSA CONTRADIÇÃO 12 - CONTRADIÇÃO NO VALOR PAGO POR DAVI NA COMPRA DE UM TERRENO: Davi pagou 50 siclos de prata por gados e pelo terreno (II Samuel 24:24).
Davi pagou 600 siclos de ouro pelo mesmo terreno (I Crônicas 21:25).
"Davi deu a Ornã por aquele lugar a soma de seiscentos siclos de ouro." - 1 Crônicas 21:25.
Refutação apologética - Aqui não há contradição, nem erro de copista. Observe que em 2 Samuel 24:24 não diz que pela eira e pelos bois ele pagou cinqüenta ciclos, mas apenas pelos bois. Já no texto de 1 Crônicas 21:25, fala-se do que ele pagou pela propriedade, ou seja, por "aquele lugar". Pelo que sabemos, boi não é lugar. Nada mais a comentar.
FALSA CONTRADIÇÃO 13 - JOSIAS FOI LEVADO MORTO OU VEIO A FALECER EM JERUSALÉM? A BÍBLIA ACEITA A CONTRADIÇÃO: Rei Josias foi morto em Magedo. Seus servos o levam morto para Jerusalém (II Reis 23:29-30). Rei Josias foi ferido em Magedo e pediu para seus servos o levarem para Jerusalém, onde veio a falecer (II Crônicas 35:23, 24).
"Nos dias de Josias, subiu Faraó-Neco, rei do Egito, contra o rei da Assíria, ao rio Eufrates; e, tendo saído contra ele o rei Josias, Neco o matou, em Megido, no primeiro encontro. De Megido, os seus servos o levaram morto e, num carro, o transportaram para Jerusalém, onde o sepultaram no seu jazigo. O povo da terra tomou a Jeoacaz, filho de Josias, e o ungiu, e o fez rei em lugar de seu pai." - 2 Reis 23:29, 30.
"Os flecheiros atiraram contra o rei Josias; então, o rei disse a seus servos: Tirai-me daqui, porque estou gravemente ferido. Seus servos o tiraram do carro, levaram-no para o segundo carro que tinha e o transportaram a Jerusalém; ele morreu, e o sepultaram nos sepulcros de seus pais. Todo o Judá e Jerusalém prantearam Josias." - 2 Crônicas 35:23, 24.
Resposta apologética - Não lemos em 2 Crônicas 35:23, 24 que Josias morreu em Megido, nem em Jerusalém. Ali diz apenas que ele morreu. Mas 2 Reis 23:29, 30 nos diz que ele morreu em Megido, e de lá foi levado morto para Jerusalém. Pode ser também que ele tenha morrido a caminho, mas enquanto estava no território de Megido. A expressão "Neco o matou em Megido" não significa necessariamente que a morte dele fora fulminante, mas tudo indica pelos relatos que ele morreu enquanto era transportado. Se um assaltante atira num policial que mora numa cidade pequena, e esse policial vem a falecer a caminho de uma cidade grande, e chega morto lá, todos diriam que o assaltante matou o policial na cidade pequena, mas como não se sabe ao certo o exato momento da morte dele, alguns diriam que ele morreu na cidade pequena, mas outros afirmariam que foi na cidade grande. O mesmo deve ter ocorrido aqui. E Deus, ao inspirar a escrita desse acontecimento, deixou os escritores falarem a verdade (a morte de Josias) com o modo de cada um narrar essa verdade. Nada contraditório aqui.
FALSA CONTRADIÇÃO 14 - "SE TODOS OS ANIMAIS DOS EGÍPCIOS JÁ HAVIAM MORRIDO PELA PESTILÊNCIA, COMO FORAM MORTOS DE NOVO PELO GRANIZO? Deus mata todos os animais dos egípcios com uma forte pestilência. Nenhum sobreviveu a pestilência (Êxodo 9:3-6). Deus mata todos os animais dos egípcios com uma chuva de granizo (Êxodo 9:19-21,25)."
"Eis que a mão do SENHOR será sobre o teu rebanho, que está no campo, sobre os cavalos, sobre os jumentos, sobre os camelos, sobre o gado e sobre as ovelhas, com pestilência gravíssima. E o SENHOR fará distinção entre os rebanhos de Israel e o rebanho do Egito, para que nada morra de tudo o que pertence aos filhos de Israel. O SENHOR designou certo tempo, dizendo: Amanhã, fará o SENHOR isto na terra. E o SENHOR o fez no dia seguinte, e todo o rebanho dos egípcios morreu; porém, do rebanho dos israelitas, não morreu nem um." - Êxodo 9:3-6.
"Agora, pois, manda recolher o teu gado e tudo o que tens no campo; todo homem e animal que se acharem no campo e não se recolherem a casa, em caindo sobre eles a chuva de pedras, morrerão. Quem dos oficiais de Faraó temia a palavra do SENHOR fez fugir os seus servos e o seu gado para as casas; aquele, porém, que não se importava com a palavra do SENHOR deixou ficar no campo os seus servos e o seu gado. [...] Por toda a terra do Egito a chuva de pedras feriu tudo quanto havia no campo, tanto homens como animais; feriu também a chuva de pedras toda planta do campo e quebrou todas as árvores do campo." - Êxodo 9:19-21, 25.

Refutação apologética - O grande erro dos críticos da Bíblia é achar que sempre a palavra "todo" é usada em sentido literal. "Todo o rebanho dos egípcios morreu" significa "a maioria", "a maior parte". Observe que em Êxodo 9:3 é dito que a mão do SENHOR seria contra o rebanho que "está no campo". Assim, não se aplicaria ao rebanho nos estábulos. Na praga seguinte, o rebanho que sobrou por estar nos estábulos, estava no campo, e foram mortos. Assim, perguntamos: Por que o escritor faz questão de escrever que seriam mortos o rebanho que estava nos campos? Porque o relato inspirado é coerente, e não contraditório.

FALSA CONTRADIÇÃO 15 - "DEUS PROÍBE E PERMITE A MENTIRA: Proibição da mentira (Êxodo 20:16). Deus permite a mentira (I Reis 22:22)."
"Não dirás falso testemunho contra o teu próximo." - Êxodo 20:16.
"Respondeu ele: Sairei e serei espírito mentiroso na boca de todos os seus profetas. Disse o SENHOR: Tu o enganarás e ainda prevalecerás; sai e faze-o assim. Eis que o SENHOR pôs o espírito mentiroso na boca de todos estes teus profetas e o SENHOR falou o que é mau contra ti."- 1 Reis 22:22, 23.
Resposta apologética - Acabe, rei de Israel, tolerou a adoração falsa. (1 Rei 16:30-33) Foi um péssimo rei para Israel. Cremos que Deus seja onisciente, e como tal, já sabia que Acabe queria apenas ouvir dos profetas que seria vitorioso na guerra, sendo assim, Deus respeitou o desejo dele. Acabe preferia ouvir a mentira de que ele seria o vitorioso, a ouvir a verdade de que seria derrotado. Por isso, Deus permitiu que um espírito enganador lograsse a Acabe, fazendo com que seus profetas profetizassem êxito. Mas o próprio SENHOR Deus não deixou de usar seu profeta Micaías para alertá-lo de que seriam derrotados. Depois de zombar de Acabe, como que profetizando sucesso igual aos outros profetas, Micaías diz a Acabe: "Vi todo o Israel disperso pelos montes, como ovelhas que não têm pastor; e disse o SENHOR: Estes não têm dono; torne cada um em paz para a sua casa." (1 Reis 22:17) Mesmo assim, Acabe não creu num profeta que fora um verdadeiro servo de Deus, e que profetizou sob juramento em nome de Jeová. Visto que Deus alertou Acabe através de Micaías, então não podemos entender que Deus aprovou a mentira, mas apenas permitiu a mentira para a realização dos seus propósitos. Deus quis mostrar uma grande lição a todos nós: Quando não queremos fazer a vontade de Deus e apoiamos pessoas erradas, por dizer aquilo que elas gostam de ouvir, sem condenar os erros delas, somos levados a agir como se não tivéssemos ouvindo a voz do SENHOR. Talvez, a questão teológica aqui seja: Mas Deus permitiria a mentira para realizar seus propósitos? Ele permite a operação do erro para um propósito seu, e contra aqueles que se opõem à verdade. (2 Tessalonicenses 2:12) Por isso, às vezes, Deus endurece o coração das pessoas. Foi também com essa finalidade que Deus levantou a Faraó, para que o nome de Deus fosse enaltecido. - Êxodo 9:16; Romanos 9:17.FALSA CONTRADIÇÃO 16 - "DIVERGÊNCA ACERCA DO LOCAL DE MORTE DE AARÃO: Aarão morreu no monte Hor. Imediatamente depois disso, os israelitas foram para Salmona e Finon (Números 33:38). Aarão morreu em Mosera. Depois disso, os isralelitas foram para Gadgad e Jetebata (Deuteronômio 10:6-7). Deus diz a Moisés que Aarão morreu no monte Hor (Deuteronômio 32:50)."
"Então, Arão, o sacerdote, subiu ao monte Hor, segundo o mandado do SENHOR; e morreu ali, no quinto mês do ano quadragésimo da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no primeiro dia do mês." - Números 33:38.
"Partiram os filhos de Israel de Beerote-Benê-Jaacã para Mosera. Ali faleceu Arão e ali foi sepultado. Eleazar, seu filho, oficiou como sacerdote em seu lugar." - Deuteronômio 10:6, 7."E morrerás no monte, ao qual terás subido, e te recolherás ao teu povo, como Arão, teu irmão, morreu no monte Hor e se recolheu ao seu povo." - Deuteronômio 32:50.
Refutação apologética - Onde morreu Arão? No monte Hor ou em Moserá? Os estudiosos da Bíblia supõem que Moserá pudesse ser um distrito onde ficava localizado o monte Hor. Cabe aos críticos da Bíblia agora provar inverídica essa suposição, visto que a Bíblia diz que Arão morreu num monte (local específico) e em Moserá (região) Ou seja, seria uma contradição se a Bíblia apresentasse duas regiões ou dois locais específicos diferentes, mas isso não ocorre.
FALSA CONTRADIÇÃO 17 - "DEUS OU MOISÉS ESCREVEU OS 10 MANDAMENTOS NAS TÁBUAS? A BÍBLIA ADMITE AS 2 VERSÕES: Deus escreveu nas tábuas as dez palavras da aliança (Deuteronômio 10:1-2,4). Deus ditou e Moisés escreveu (Êxodo 34:27-28). NA VERDADE OS 10 MANDAMENTOS SÃO UM PLÁGIO DAS LEIS DE HAMURABI EXISTENTES ANTES DOS 10 MANDAMENTOS."
"Naquele tempo, me disse o SENHOR: Lavra duas tábuas de pedra, como as primeiras, e sobe a mim ao monte, e faze uma arca de madeira. Escreverei nas duas tábuas as palavras que estavam nas primeiras que quebraste, e as porás na arca. Assim, fiz uma arca de madeira de acácia, lavrei duas tábuas de pedra, como as primeiras, e subi ao monte com as duas tábuas na mão. Então, escreveu o SENHOR nas tábuas, segundo a primeira escritura, os dez mandamentos que ele vos falara no dia da congregação, no monte, no meio do fogo; e o SENHOR mas deu a mim." - Deuteronômio 10:1-4.
"Disse mais o SENHOR a Moisés: Escreve estas palavras, porque, segundo o teor destas palavras, fiz aliança contigo e com Israel. E, ali, esteve com o SENHOR quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água; e escreveu nas tábuas as palavras da aliança, as dez palavras." - Êxodo 34:27, 28.
Refutação apologética - Aqui os textos referem-se à cópia dos Dez Mandamentos, pois as tábuas haviam sido quebradas. (Deuteronômio 9:17) Evidentemente, não há contradição aqui. Deus ditou a Moisés os Dez Mandamentos, de modo que podemos dizer que Deus escreveu, já que eram as palavras dEle, não de Moisés. Quando um patrão pede para sua secretária escrever uma carta, e dita a ela o que deve ser escrito, quem recebe a carta entende que o patrão a escreveu. Mas se a secretária disser que ela digitou a carta, ela apenas estará sendo literal. No texto de Deuteronômio 10:1-4, lemos que Deus, após escrever os Dez Mandamentos, deu as tábuas para Moisés. Isso não significa que estavam nas mãos de Deus, o que impossibilitaria o próprio Moisés ter escrito desta vez, mas apenas que Deus permitiu que Moisés levasse as tábuas consigo para pertencer ao povo de Israel.
Com respeito aos Dez Mandamentos serem um plágio do código de Hamurabi, como não foi apresentada argumentação alguma aqui da parte do opositor da Palavra de Deus, deixaremos para numa próxima matéria elaborarmos uma resposta para esse assunto.

FALSA CONTRADIÇÃO 18 - "SE A CIDADE DE HAI JÁ TINHA SIDO DESTRUÍDA PARA SEMPRE POR JOSUÉ, COMO AINDA EXISTIA NO TEMPO DE NEEMIAS? Josué queimou a cidade de Hai e reduziu-a a um monte de ruínas para sempre (Josué 8:28). Hai ainda existe como uma cidade (Neemias 7:32)."
FALSA CONTRADIÇÃO 19. OS AMALECITAS SÃO DUROS DE MATAR, FORAM EXTERMINADOS 3 VEZES EM REGISTROS BÍBLICOS CONTRADITÓRIOS: Saul destruiu completamente os amalecitas (I Samuel 15:7-8, 20). David destruiu completamente os amalecitas (I Samuel 27:8-9). Finalmente os amalecitas são mortos (I Crônicas 4:42-43).

"Então, Josué pôs fogo a Ai e a reduziu, para sempre, a um montão, a ruínas até ao dia de hoje." - Josué 8:28.

"Os homens de Betel e Ai, cento e vinte e três." - Neemias 7:32.
________________________________________________

"Então, feriu Saul os amalequitas, desde Havilá até chegar a Sur, que está defronte do Egito.8 Tomou vivo a Agague, rei dos amalequitas; porém a todo o povo destruiu a fio de espada. [...] Então, disse Saul a Samuel: Pelo contrário, dei ouvidos à voz do SENHOR e segui o caminho pelo qual o SENHOR me enviou; e trouxe a Agague, rei de Amaleque, e os amalequitas, os destruí totalmente." - 1 Samuel 15:7, 8, 20.

"Subia Davi com os seus homens, e davam contra os gesuritas, os gersitas e os amalequitas; porque eram estes os moradores da terra desde Telã, na direção de Sur, até à terra do Egito. Davi feria aquela terra, e não deixava com vida nem homem nem mulher, e tomava as ovelhas, e os bois, e os jumentos, e os camelos, e as vestes; voltava e vinha a Aquis." - 1 Samuel 27:8, 9.

"Também deles, dos filhos de Simeão, quinhentos homens foram ao monte Seir, tendo por capitães a Pelatias, a Nearias, a Refaías e a Uziel, filhos de Isi. Feriram o restante dos que escaparam dos amalequitas e habitam ali até ao dia de hoje." - 1 Crônicas 4:42, 43.
____________________________________________

Refutação apologética - Uma das maravilhas de Deus é que seu Espírito Santo respeitou o estilo de escrita de cada escritor, bem como as expressões comuns da época de cada um deles. O uso das expressões "destruído totalmente" pode significar uma hipérbole, ou um exagero. Mas mesmo que nenhum habitante tivesse sobrado para reconstruir a cidade, outros poderiam ter se alojado ali. Todavia, o texto não disse que ninguém escapou, mas que a cidade fora totalmente destruída. (Josué 8:26) A mesma explicação podemos dar sobre os amalequitas. Sobre eles, podemos afirmar que os relatos representam o modo como os amalequitas foram definitivamente destruídos. Por isso que se diz em 1 Crônicas 4:42, 43 que "feriram o restante dos que escaparam dos amalequitas". Se alguns escaparam, pode ter aocntecido de outros terem escapado também em guerras contra os israelitas.

FALSA CONTRADIÇÃO 20 - "SAUL TAMBÉM FOI DURO DE MATAR! A BÍBLIA ADMITE 3 VERSÕES CONTRADITÓRIAS PARA A MORTE DE SAUL: Saul cometeu suicídio (I Samuel 31:4-6) (I Crônicas 10:4-5). Saul foi morto por um amalecita (II Samuel 1:8-10). Saul foi morto pelos filisteus (II Samuel 21:12)."

"Então, disse Saul ao seu escudeiro: Arranca a tua espada e atravessa-me com ela, para que, porventura, não venham estes incircuncisos, e me traspassem, e escarneçam de mim. Porém o seu escudeiro
não o quis, porque temia muito; então, Saul tomou da espada e se lançou sobre ela. Vendo, pois, o seu escudeiro que Saul já era morto, também ele se lançou sobre a sua espada e morreu com ele.
Morreu, pois, Saul, e seus três filhos, e o seu escudeiro, e também todos os seus homens foram mortos naquele dia com ele." - 1 Samuel 31:4-6.

"Então, disse Saul ao seu escudeiro: Arranca a tua espada
e atravessa-me com ela, para que, porventura, não venham estes incircuncisos e escarneçam de mim. Porém o seu escudeiro não o quis, porque temia muito; então, Saul tomou a espada e se lançou sobre ela. Vendo, pois, o seu escudeiro que Saul já era morto, também ele se lançou sobre a espada e morreu com ele." - 1 Crônicas 10:4, 5.

"Ele me perguntou: Quem és tu? Eu respondi: Sou amalequita. Então, me disse: Arremete sobre mim e mata-me, pois me sinto vencido de cãibra, mas o tino se acha ainda todo em mim. Arremessei-me, pois, sobre ele e o matei, porque bem sabia eu que ele não viveria depois de ter caído. Tomei-lhe a coroa que trazia na cabeça e o bracelete e os trouxe aqui ao meu senhor." - 2 Samuel 1:8-10.
"Então, foi Davi e tomou os ossos de Saul e os ossos de Jônatas, seu filho, dos moradores de Jabes-Gileade, os quais os furtaram da praça de Bete-Seã, onde os filisteus os tinham pendurado, no dia em que feriram Saul em Gilboa." - 2 Samuel 21:12.

Refutação apologética - Não há contradição aqui, mas apenas uma dificuldade de conciliar os relatos. Saul na verdade suicidou-se. A história que o Amalequita contou era mentirosa (2 Samuel 1:8-10), pois provavelmente a inventou para ser de alguma forma recompensado. Trazer ele a coroa e o bracelete não seria necessariamente prova de que falasse a verdade, mas que talvez desejasse mesmo uma recompensa de Davi, a quem Saul procurou matar. Embora o relato não diga que ele tivesse mentido, ele foi morto por afirmar ter matado um ungido do SENHOR (2 Samuel 1:16), ou seja, morreu vítima de sua própria mentira. Quanto ao texto de 2 Samuel 21:12, o texto não diz que os filiesteu mataram Saul, mas apenas que penduraram e feriram Saul, referindo-se ao que fizeram com o corpo dele. O relato de 1 Samuel 31:8, 9 confirma isso: "Sucedeu, pois, que, vindo os filisteus ao outro dia a despojar os mortos, acharam Saul e seus três filhos caídos no monte Gilboa. Cortaram a cabeça a Saul e o despojaram das suas armas; enviaram mensageiros pela terra dos filisteus, em redor, a levar as boas-novas à casa dos seus ídolos e entre o povo."
.
Conclusão
.
Foram 16 horas de pesquisa para refutarmos 20 heresias contra a Palavra de Deus. Fazemos isso porque amamos este Livro Sagrado. Por incrível que pareça, dizem que há mil erros! Quanto tempo nós, apologistas, gastamos para ajudar o povo de Deus a não ser levado por pessoas que não querem viver em harmonia com a Palavra de Deus e, como subterfúgio para tal fuja, excusam-se sob as pretensas provas de erros e contradições bíblicas, para não terem evidentemente senso de responsabilidade perante Deus. Oro pela vida do autor dessas heresias, para que se converta a Jesus, mas espero que se Deus, na sua onisciência e presciência, já o vê como condenado, que este rapaz, e muitos outros do time dele, continuem sendo confundidos mais e mais pelo Diabo, e que lancem muitas mais falsas provas de contradições, pois quanto mais o fizerem, mais mentiras serão desmascaradas e muito mais intacta a Bíblia sobreviverá a tão ferrenhos ataques. Mas prefiro, por amor às pessoas, que tais néscios, do ponto de vista espiritual se arrependam, e passem a glorificar o Deus e Autor da Bíblia.
.
Fernando Galli

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VÓ ROSA - APOSTILA PARA ESTUDAR AS CRENÇAS DA SEITA

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL - LIBERTANDO-SE DE UMA INVERDADE CABELUDA

ESBOÇOS DA FÉ - QUE TIPO DE UVAS VOCÊ PRODUZ? - ISAÍAS 5:1-7

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - DESCULPAS PARA JUSTIFICAR SUAS FALSAS PROFECIAS PARA 1914, 1925 E 1975

O QUE SIGNIFICA SER MANSO?

APOSTILA - RAZÕES PARA JAMAIS SER TESTEMUNHA DE JEOVÁ - NÍVEL INICIANTE 1

CARACTERÍSTICAS DO VERDADEIRO AMIGO - PROVÉRBIOS 17:17

MAÇONARIA - UM SEGREDO SOBRE AS ORIGENS DE SEUS SINAIS SOLENES.

COMUNIDADE CRISTÃ AMOR E GRAÇA - ALGUMAS DE SUAS HERESIAS